Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Zuckerberg, o construtor

Zuckerberg, o construtor

O Facebook vai construir 1.500 casas no Vale do Silício, região que abriga as principais empresas de tecnologia dos Estados Unidos. O plano é facilitar a vida dos trabalhadores que hoje arcam com aluguéis caríssimos ou que sofrem diariamente no trânsito durante o trajeto até a vizinhança da baía de São Francisco. Para se ter ideia, o aluguel mensal triplicou desde 2011. Hoje, fica na média de US$ 3.350 ao mês. Já o preço para a compra subiu 66% entre 2012 e 2016. Uma residência de dois quartos, por exemplo, custa cerca de US$ 890 mil. Se engana, porém, quem pensa que Mark Zuckerberg vai parar por aí. De acordo com o vice-presidente de Instalações Globais do Facebook, John Tenanes, o objetivo “é criar um bairro que forneça os serviços comunitários necessários”. A construção deve levar dois anos. Quando isso acontecer, as casas estarão à disposição de qualquer pessoa, e não apenas de seus funcionários.

(Nota publicada na Edição 1027 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Apuro digital

(Nota publicada na Edição 1057 da Revista Dinheiro)

Novos ares para Peter Thiel

Peter Thiel está de mudança do Vale do Silício. O fundador do PayPal está levando seus negócios de São Francisco para Los Angeles. De [...]

Reforço contra o crime digital

A Polícia Federal ganhou um aliado de peso na batalha contra os crimes virtuais no Brasil. A unidade policial do Departamento de [...]

Sem acordo (por enquanto)

A Qualcomm não será vendida para a Broadcom. Pelo menos, por ora. A fabricante de chips não aceitou uma proposta de compra por US$ 82 [...]

Um trimestre para sorrir

Pela primeira vez desde que estreou na bolsa de valores, em 2013, o Twitter conseguiu fechar um trimestre com lucro. Nos três últimos [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.