Sustentabilidade

Zoológico do Canadá devolverá dois pandas à China devido à escassez de bambu

Zoológico do Canadá devolverá dois pandas à China devido à escassez de bambu

Os pandas Er Shun (na imagem) e seu companheiro Da Mao vivem no Canadá desde 2013 como parte de um empréstimo por 10 anos acordado com um criadouro na China


Um zoológico do Canadá enviará dois pandas de volta à China, já que a pandemia de coronavírus gerou dificuldades na hora de conseguir as grandes quantidades de bambu necessárias para alimentar ambos os animais.

Er Shun e seu companheiro Da Mao vivem no país desde 2013 como parte de um empréstimo por 10 anos acordado com um criadouro na China.

A chegada destes animais foi um grande espetáculo, transmitido ao vivo pelas principais redes de televisão canadenses.

Então, Er Shun se tornou mãe de dois filhotes gêmeos – os primeiros pandas nascidos em solo canadense.

No entanto, o Zoológico de Calgary informou que havia decidido retirar a estadia do casal porque a pandemia de COVID-19 interrompeu as vias de transporte e tornou muito difícil obter os 40 kg diários de bambu que um panda adulto come em média todos os dias.

Os funcionários do zoológico tentaram encontrar fornecedores alternativos de bambu, mas há preocupação de que os envios possam ser interrompidos sem aviso prévio, deixando os animais com fome, afirmou a instituição em comunicado.

“Sabendo que é provável uma segunda onda de COVID-19… o Zoológico de Calgary sente que é crítico levar os queridos pandas gigantes de volta à China, onde há abundantes fontes locais de bambu”, continuou o texto.

O zoológico está atualmente fechado devido à pandemia e disse que não poderá permitir que o público se despeça dos animais.

Os filhotes de Er Shun e Da Mao já haviam sido enviados anteriormente à China, segundo o canal local CBC.