Giro

Zimbábue encara confinamento que poderá ter consequências desastrosas

Zimbábue encara confinamento que poderá ter consequências desastrosas

Médico reivindica equipamentos de segurança em Harare, no Zimbábue, em 26 de março 2020. - AFP


“Não somos contra o confinamento. Mas vinte e um dias, é demais, será muito difícil”. Como o restante dos vendedores com quem ele compartilha uma calçada em Harare, Isaac Sayeed teme que o coronavírus dê ao seu país, o Zimbábue, o último golpe.

A partir de segunda-feira, quase todas as 16 milhões de pessoas do Zimbábue terão que ficar em casa, seguindo uma ordem do presidente Emmerson Mnangagwa, para tentar conter a propagação da epidemia à espreita.

“Embora os números [dos infectados] sejam baixos, ainda é possível que o vírus se espalhe amplamente entre a população, o que nos preocupa”, disse o chefe de Estado na sexta-feira.

No momento, apenas sete casos de Covid-19 foram declarados oficialmente no país. Mas a morte de um dos doentes, um jornalista de 30 anos que morreu de falta de atenção médica, segundo sua família, lembrou à população a seriedade do perigo.

Se o vírus se espalhar por todo o país, desgastado por duas décadas de crise econômica e financeira, somado à escassez e à ameaça de fome, o saldo será catastrófico.

“Devemos estocar por três semanas, mas a maioria de nós vive com o dinheiro justo que ganha a cada dia”, acrescenta o vendedor.

A metade dos habitantes do país se encontra em situação de insegurança alimentar, segundo a ONU.

Já com inflação alta, segundo índices publicados na semana passada, o aumento de preços ano a ano atingiu a vertiginosa taxa de 500% em fevereiro.

Por outro lado, o estado de saúde pública é lamentável, e médicos e enfermeiros entraram em greve para denunciar a falta de meios para combater a epidemia.

Porém, por mais sombrio que possa parecer, Isaac Sayeed garante que, na segunda-feira, cumprirá as instruções oficiais, por medo da polícia.

“Se necessário, forças de segurança serão destacadas para garantir o respeito [do confinamento]”, alertou o presidente Mnangagwa em seu discurso.