Finanças

XP investiga vazamento após dados de clientes serem divulgados pela internet

Correntistas da companhia de investimentos, que está planejando abrir seu capital na Bolsa, encontraram seu nome, e-mail e número de telefone em lista com 29 mil pessoas obtida por hackers

XP investiga vazamento após dados de clientes serem divulgados pela internet

A XP Investimentos, maior corretora do País, está investigando um vazamento de dados em sua base de clientes. Um arquivo contendo informações sensíveis de clientes – como nome completo, número CPF, e-mail e número de telefones – foi enviado às vítimas por e-mail nas últimas semanas. O arquivo de texto compartilhado contém dados pessoais de mais de 29 mil pessoas, embora não inclua informações sobre investimentos.

De acordo com uma das vítimas, que falou ao Estado em condição de anonimato, o arquivo foi enviado à sua caixa de e-mail na manhã de ontem, junto a uma carta com ameaças à corretora. “Liguei para a XP e eles me disseram para não abrir os arquivos, mas eu já havia olhado”, disse a fonte. “Depois, um sócio da empresa me ligou e confirmou o vazamento.”

Procurada pelo Estado, a XP informou que “criminosos obtiveram informações básicas de determinados clientes entre 2013 e 2014”. A companhia afirmou que, à época, identificou “fraude isolada” com três clientes, que foi sanada sem prejuízo financeiro aos envolvidos. A empresa diz que, recentemente, os mesmos infratores divulgaram os registros na web. O objetivo seria extorquir a companhia. “O vazamento das informações é uma ação criminosa e a empresa está tomando todas as medidas legais cabíveis”, afirmou a XP, em nota.

A XP acrescentou que o caso está sendo investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, em processo que corre em segredo de Justiça.

Procurada, a assessoria de imprensa da Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, informou que há alguns processos com protocolos que fazem referência à XP Investimentos, mas afirmou que não seria possível consultar o conteúdo dos arquivos ainda ontem. O Ministério Público de São Paulo não confirmou se há investigação sobre o caso em andamento até o fechamento desta edição.

O vazamento ocorre em um momento delicado para a XP. A empresa se prepara para abrir o capital na BM&FBovespa. A expectativa é fazer oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) nos próximos meses. A empresa é controlada por sócios executivos, que têm 57% de participação na corretora, sendo Guilherme Benchimol o principal deles. As ações restantes estão com os fundos General Atlantic (33%) e Actis (10%).

Em uma estratégia agressiva, a XP tenta se mostrar como uma opção aos investimentos em bancos tradicionais, cobrando taxa de administração zero em investimentos. A corretora tem hoje cerca de 200 mil clientes, contra pouco mais de 100 mil em 2015.

Em dezembro de 2016, a companhia anunciou a compra de 100% do capital da rival Rico Corretora, em um negócio entre R$ 300 milhões e R$ 400 milhões, segundo o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Razões. Segundo um especialista em segurança da informação consultado pelo Estado, vazamentos de dados podem ocorrer em qualquer setor de atividade. “Parece que as empresas são indestrutíveis, mas não são. Um empregado que saiu irritado pode passar a senha para alguém. É simples assim.”

Para o cliente ouvido pela reportagem, que teve seus dados expostos na internet, trata-se de um pecado imperdoável para quem tem a tutela de seus investimentos. “A quebra de confiança é muito grave”, disse. “Não vou processar a XP, mas vou levar meus investimentos para outro lugar.”