XP ameaçada

XP ameaçada

Às vésperas de dar início ao seu processo de abertura de capital na bolsa de valores, a XP Investimentos, a maior empresa independente de serviços financeiros do País, foi surpreendida com o vazamento da informação de que foi vítima de um roubo de 29 mil dados cadastrais de clientes, entre 2013 e 2014. Os hackers tentaram extorquir R$ 22,5 milhões do sócio-fundador, Guilherme Benchimol, “para evitar o caos no Grupo XP e a manutenção intacta da credibilidade de seus investidores”. O pagamento deveria ser feito em bitcoins. Desde dezembro do ano passado, a Polícia Federal, em São Paulo, abriu inquérito para investigar o crime, que corre em segredo de Justiça.

O Brasil na mira

Diversos rankings de vulnerabilidade a ciberataques colocam o Brasil como o preferido dos criminosos na América Latina. No ano passado, houve um crescimento de 190% nas ameaças no País, ante uma expansão média global de 40%. Mas, poucas empresas buscam um seguro para se proteger desse possível problema. “Os executivos preferem investir na prevenção do risco, com o melhor antivírus, a dividi-lo com a seguradora”, diz Rodrigo Medeiros, sócio da Pyxis Corretora de Seguros. “Mas a compra de um sistema sofisticado de R$ 1 milhão só protege contra 10% dos ataques.” A característica de uma apólice de Cyber Risks é ampla. Ela inclui proteção contra a quebra de confidencialidade por invasão de hackers; roubo, destruição e transmissão de códigos maliciosos; custos com gerenciamento de crise de imagem; demandas contra extorsão; reposição por perdas de dados, entre outras.

Mais um competidor

No País, a AIG e a XL Catling são as duas únicas seguradoras a oferecer esse produto. A Allianz já tem o seu aprovado, mas ainda não disponibilizou para o mercado. Há menos de 100 apólices emitidas e o maior valor assegurado é de R$ 10 milhões. No exterior, a garantia é 10 vezes maior. Uma das principais reclamações é o custo, que pode chegar a 6% do capital assegurado. Ele, de fato, ainda é alto, pela falta de experiência do setor sobre os tipos de ataques e sinistros. Para se ter uma ideia, uma apólice de responsabilidade civil profissional, que é bastante utilizada pelas empresas, tem custo máximo de 1,2% do capital assegurado.

(Nota publicada na Edição 1003 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Com André Jankavski, Hugo Cilo e Márcio Kroehn)

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Locação em baixa, investimento em alta

Mesmo com o índice de desocupação de imóveis residenciais e comerciais em alta no estado de São Paulo, que passou de 18% para 24% desde [...]

Zukkin mira nos preços

A Zukkin Brasil, empresa de inteligência de preços do Grupo Maxinvest, fechou parceria com a Associação Paulista de Supermercados [...]

Ford turbina vendas virtuais

Para driblar as dificuldades impostas pela pandemia, montadoras e concessionárias se voltam cada vez mais para os eventos comerciais virtuais. A DMA, dona da plataforma Pregão de Vendas, realizou uma live para a Ford que resultou em aumento de 55% nas vendas do dia e em mais de 400 negociações. Para o evento, foram prospectados […]

Diversidade treinada

Levantamento do Instituto Ethos, analisando o perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil, reforça as [...]

Tá ruim, mas tá bom

A aérea brasileira Azul não tem os chuveiros cromados da Emirates, os chocolates Godiva da Lufthansa, o champanhe Taittinger Comtes [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.