Ciência

Um terço da população mundial está isolada por pandemia de coronavírus


Um terço da população mundial encontrava-se sob ordens de isolamento nesta terça-feira, devido à pandemia de coronavírus que já matou cerca de 18.000 pessoas e forçou o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, algo que só tem precedente nas duas guerras mundiais.

À medida que o novo coronavírus se expande, outros países estão adicionando ordens de quarentena, isolamento ou toque de recolher, e nesta terça-feira foi o governo da Índia que ordenou o confinamento total por três semanas no país de 1,3 bilhão de habitantes.

A decisão do governo do segundo país mais populoso do planeta eleva para 2,6 bilhões o número de pessoas sujeitas a ordens de confinamento mais ou menos estritas, ou seja, um em cada três seres humanos. Essas medidas de confinamento deixaram 95% das crianças na América Latina e no Caribe sem escola.

No contexto de mais e mais megalópoles em todo o mundo vazias, como nos filmes de catástrofes, nesta terça-feira foi anunciado o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

A seriedade da medida reflete-se no fato de que na história moderna as competições olímpicas só tenham sido canceladas durante as duas guerras mundiais.

Para “salvaguardar a saúde dos atletas” e de todos os participantes do maior evento do planeta “, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) e o primeiro-ministro do Japão anunciaram em comunicado que os Jogos Olímpicos de Tóquio devem ser remarcados” para o mais tardar no verão boreal de 2021. O revezamento da tocha olímpica do Japão foi imediatamente suspenso.

A pandemia já matou 18.259 pessoas no mundo desde dezembro, e os infectados superam os 400.000 em 175 países e territórios, segundo o balanço da AFP. No entanto, o número de casos reais pode ser muito maior, já que a maioria dos países testam somente pacientes mais graves.

– Itália: número de mortos volta a subir –

A pandemia está “acelerando”, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) e instou os governos a multiplicarem as quarentenas para impedir que seus sistemas de saúde entrem em colapso.

A Itália, o país mais atingido depois da China, teve uma pequena esperança com dois dias consecutivos de baixas diárias de mortos. Mas nesta terça-feira, esse número aumentou novamente, com 743 mortes, para um total de 6.820 mortes de quase 70.000 infectados. No entanto, o contágio parece crescer menos rapidamente.

Nesta terça-feira, 66 milhões de britânicos também aderiram ao confinamento obrigatório.

“Não devem encontrar amigos; se chamarem para sair, devem dizer não”, insistiu o primeiro-ministro Boris Johnson em mensagem televisionada na segunda-feira, após um fim de semana com parques e praias lotados.

Em um país que zela por suas liberdades civis, só se pode sair de casa para fazer compras, para exercícios físicos ou ir trabalhar, se for “absolutamente necessário”. Sozinho ou a dois.

Os londrinos têm mais sorte do que na Espanha, onde qualquer atividade ao ar livre pode ser sancionada com multas. Desde o começo da pandemia, a Espanha registra 2.696 mortos e quase 40.000 casos.

Na França, que ultrapassou a barreira das 1.000 mortes e 20.000 contagiados, assessores do governo estimam que o confinamento neste país possa durar “pelo menos seis semanas”.

– China flexibiliza restrições –

Enquanto parte da humanidade está confinada, a China se prepara para suspender parte das restrições. A partir de quarta-feira, habitantes saudáveis da província de Hubei poderão circular livremente. Mas os que moram Wuhan, berço da pandemia e isolada desde o final de janeiro, terão que esperar até 8 de abril.

A China registrou 78 novas mortes pelo coronavírus na terça-feira, mas são quase exclusivamente de pessoas que chegam do exterior.

“Aguardo ansiosamente a liberdade”, disse um morador à AFP, enfatizando que, após dois meses de confinamento, “as pessoas estão sob imensa pressão”.

– Sanções –

O Irã, outro dos países mais afetados, anunciou 122 novas mortes nesta terça-feira, elevando seu saldo oficial total para 1.934 mortes.

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, ligou de Genebra para relaxar ou suspender as sanções impostas a esse país e a outros países como Coreia do Norte, Cuba ou Venezuela.

Em Cuba, foi decidido isolar cerca de 32.000 turistas estrangeiros em hotéis a partir desta terça-feira, na tentativa de prevenir infecções, enquanto eles aguardam voos de retorno para seus países.

O governo do Paraguai ordenou o fechamento de fronteiras e aeroportos até 29 de março, e a República Democrática do Congo decretou estado de emergência e isolou a capital, Kinshasa, para evitar a propagação do novo coronavírus.

– Negócios –

As bolsas fecharam nesta terça-feira em forte alta, lideradas por Wall Street, cujo índice Dow Jones teve a maior alta desde março de 1933 (11,37%), em um mercado otimista com um plano de reativação contra o coronavírus cuja aprovação considera iminente.

Paradoxalmente, e em linha com uma série de anúncios ambíguos e contraditórios, os Estados Unidos, que contabilizam 600 mortes e 50.000 contágios, decidiram reabrir “muito em breve”.

O presidente Donald Trump defendeu nesta terça-feira a flexibilização do isolamento em várias partes dos Estados Unidos até meados de abril.

“Nosso país não foi projetado para fechar. Você pode destruir um país dessa maneira, fechando-o”, disse ele à Fox News. Uma “grande recessão” poderá deixar mais vítimas do que o coronavírus, acrescentou.

Globalmente, governos e bancos centrais gastam bilhões de dólares em uma economia global prejudicada pela pandemia. Somente ao setor de companhias aéreas, este ano poderá custar US$ 252 bilhões, alertou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

“Tudo o que for necessário” será feito para proteger a economia e o emprego, prometeram os ministros das finanças e os chefes dos bancos centrais do G7 nesta terça-feira.