WhatsApp recua e alavanca concorrentes

WhatsApp recua e alavanca concorrentes

Protestar em redes cada vez mais tem seus efeitos. O WhatsApp, por exemplo, sentiu o golpe. Depois de informar que mudaria sua política de privacidade, decidiu adiar de fevereiro para maio qualquer alteração. O anúncio do recuo foi feito na sexta-feira (15). Desde que novos parâmetros foram divulgados, no começo do ano, as críticas começaram – e se avolumaram.

O temor dos usuários é de que as mudanças levem ao compartilhamento de dados pessoais com o Facebook, a quem o WhatsApp pertence desde fevereiro de 2014. Oficialmente, a empresa respondeu dizendo que o adiamento acontece porque “tem havido muita desinformação” em torno da nova política e que ela “não expande nossa capacidade de compartilhar dados com o Facebook”.

O aplicativo, que tem 2 bilhões de usuários em 180 países – e penetração de 91% entre os brasileiros de 16-64 anos usuários de internet –, foi criado em 2009 por Brian Acton e Jan Koum (ambos na foto), que ficaram bilionários com a venda para Mark Zuckerberg. Mas os dois deixaram o Face (respectivamente em 2017 e 2018) após discordarem justamente de transformar o WhatsApp em mais um latifúndio publicitário do grupo, como o Instagram.

Acton, aliás, é o homem por trás da Signal Foundation, que mantém o aplicativo de mensagens Signal. Tanto ele quanto o Telegram têm recebido levas de novo usuários desde a confusão sobre privacidade gerada pela plataforma de Zuckerberg. De certa forma, o WhatsApp fez para os dois apps uma publicidade que eles nunca haviam conseguido junto ao grande público.



(Nota publicada na edição 1206 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Brandstorm: tecnologia & entretenimento

Para a edição deste ano do programa global de incentivo à inovação Brandstorm, da L’Oréal, o foco estará na evolução digital do [...]

Call com…

Sidnei Shibata Responsável pelas operações da Khan Academy no Brasil, engenheiro eletrônico pelo ITA, possui MBA em Estratégia e [...]

Desafio pelo clima

Pense em algo que tira o sono dos dois homens mais ricos do planeta – Jeff Bezos e Elon Musk. A mudança climática é a resposta. Uma [...]

Tem gente já embarcando no futuro

Aqui, Petrobras com medinho de Jair decidir se pode ou não ter reajuste. Ali, a Shell, maior petroleira europeia, comprando a [...]

Médicos prontos para a telemedicina

Pesquisa da Covid-19 HealthCare Coalition, com mais de 1 mil organizações de saúde dos Estados Unidos, mostra que médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais aprovam a telemedicina como ferramenta do dia a dia. Fabio X (Nota publicada na edição 1209 da Revista Dinheiro) Veja também + 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer + […]

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.