Vote com o estômago e não com o fígado

No dia 7 de outubro, vamos todos votar em jejum, antes de tomar café da manhã ou de almoçar

Faltam poucos dias para o 1º turno das eleições. É natural que a disputa à Presidência da República centralize as atenções de todos e é sobre ela que falaremos aqui, no blog “Decomplicando a Economia”. No entanto, vale destacar a importância de boas escolhas para os governos estaduais, que, em sua maioria, vivem numa completa penúria fiscal, e para as Assembleias Legislativas e o Congresso Nacional, cuja qualidade dos seus integrantes não têm sido motivo para aplausos.

Na disputa ao Palácio do Planalto, é fundamental analisar a agenda econômica dos candidatos antes de tomar qualquer decisão. Somente a retomada do crescimento econômico será capaz de gerar as condições fiscais para que o governo implemente suas propostas. Não adianta nada ter soluções fantásticas que demandem mais gastos públicos se o Estado está tecnicamente quebrado.

Não quero aqui menosprezar temas sociais, como Saúde, Educação e Segurança Pública, que deveriam ser pilares de qualquer plano de governo. Porém, nenhum avanço significativo será obtido nestas áreas se o País continuar gerando déficits primários acima de R$ 100 bilhões ao ano. Colocar a casa em ordem é o primeiro passo do próximo governo, seja ele de esquerda, de centro ou de direita.

Neste contexto, o futuro presidente necessitará de uma agenda econômica responsável, crível e com credibilidade, sem a qual os investimentos privados não sairão do papel. Logo no início do mandato, medidas polêmicas e supostamente impopulares terão de ser tomadas como a reforma da Previdência Social, a privatização de estatais e a abertura comercial.

Sim, arrumar as contas públicas vai doer no bolso e acirrar os ânimos dos descontentes, como ocorreria em qualquer família endividada. Lamento informar, mas não há espaço para populismo econômico. Não há margem para soluções que demandem mais gastos públicos. Quem vai gerar emprego não serão as estatais nem os órgãos públicos. Será o setor privado, que precisa recuperar a sua confiança no País.

O Brasil precisa de mais setor privado e de menos setor público. Isso não significa acabar com os programas sociais, argumento normalmente utilizado pelos populistas contra os reformistas. Deve-se, inclusive, aprimorá-los e ampliá-los, criando uma porta de saída para que as pessoas prosperem na vida. Os brasileiros mais carentes precisam ter as condições para que, um dia, possam bater no peito com orgulho e dizer que não necessitam mais da mesada do governo.

No dia 7 de outubro, não leve o seu fígado às urnas. Votar com raiva não vai resolver os problemas do País. No momento em que as pessoas estão perdendo a sanidade mental em discussões ridículas nas redes sociais, a minha sugestão é levar o estômago para a seção eleitoral. Aliás, acabo de ter uma ideia. Vamos todos votar em jejum, antes de tomar café da manhã ou antes de almoçar. Quem sabe, com um pouco de fome, a nossa cabeça reflita melhor sobre o tamanho dos desafios econômicos e sociais que o Brasil tem pela frente.

Obs: em respeito à sua inteligência e sempre em busca da isenção jornalística, o blog “Descomplicando a Economia” mantém a sua posição apartidária             


Mais posts

O Brasil está crescendo quase o dobro. E pode avançar mais!

Olá, pessoal, tudo bem? Nos últimos dias, diversos indicadores econômicos vieram acima das expectativas dos analistas, sinalizando uma [...]

STF é fonte inesgotável de insegurança jurídica

Olá, pessoal, tudo bem? O julgamento da constitucionalidade da prisão em segunda instância no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não [...]

Após o susto da recessão, quando virá o crescimento econômico?

Olá, pessoal, tudo bem? Ufa! Nesta quinta-feira 29, o IBGE eliminou oficialmente o risco de uma recessão no Brasil. O instituto [...]

Com enorme atraso, BC finalmente reduz juros básicos

Olá, pessoal, tudo bem? Em março deste ano, quando o IBGE divulgou que havia 12,7 milhões de desempregados no Brasil, eu defendi o [...]

Por que as concessionárias estão revoltadas com as montadoras num mercado que cresce 12%?

Olá, pessoal, tudo bem? Praticamente alheio ao Pibinho deste ano, o setor automotivo registrou um crescimento de 12,13% nas vendas de [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.