“A volta do imposto sindical obrigatório é inegociável”

“A volta do imposto sindical obrigatório é inegociável”

Há os que critiquem, afirmando que ela viola a Constituição; e os que aplaudam, dizendo que modernizará o País. O fato é que a reforma trabalhista, aprovada no Senado e sancionada pelo presidente Michel Temer, na semana passada, ainda vai gerar muita discussão. O relator da reforma, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), falou com a coluna:

Qual é o impacto dessa reforma trabalhista aprovada no Senado?
O grande impacto é a mudança do paradigma da cultura do conflito pela da conciliação. Estamos retirando a tutela do Estado e transferindo para a sociedade, para as partes, a autonomia para a construção do que julgam o melhor para si. Significa que você pode negociar tudo sobre a lei? Claro que não. O projeto define o que pode e o que não pode. O que não pode está consagrado na Constituição Federal, no artigo sétimo, que são os direitos fundamentais de quem trabalha nas áreas urbana e rural. Estamos deixando de olhar pelo retrovisor e mirando o para-brisa.

O sr. acredita que vai gerar mais emprego?
Estou seguro que sim. Estamos criando mecanismos para sair da informalidade. Essa é uma reforma que incorpora eficiência ao mercado de trabalho do nosso País. Ela dialoga com coisas que são reais.

Por exemplo?
O que é real hoje na economia brasileira? Fala-se em 2 milhões de brasileiros trabalhando em home office, gerando insegurança jurídica para quem contrata e gerando fragilidade para quem trabalha.

O Ministério Público do Trabalho considera que o projeto viola a Constituição…
Vejo este debate subordinado a um corporativismo e a uma influência ideológica muito grande. Essas pessoas querem as coisas como estão porque talvez estejam boas para elas. Mas não estão boas para a maioria da população. Como podemos estar violando a Constituição se essa legislação que estamos fazendo é infraconstitucional ordinária? Se fizermos algo inconstitucional, o Supremo Tribunal Federal vai declarar inconstitucional.

E a questão do protesto das senadoras que ocuparam a mesa do Senado. O que o sr. achou da cena?
A manifestação dessas senadoras foi uma coisa primitiva, elas estão confundindo o Brasil com a Venezuela. Elas tentaram se estabelecer pela força e pela condição de gênero para impedir o debate. Só se impõe pela força quem não tem argumentos para o debate

Mas uma das questões levantadas pelas senadoras é séria. É a da proposta de que grávidas e lactantes poderão trabalhar em locais insalubres. Isso será mudado via Medida Provisória?
É proibido mulher gestante e lactante trabalhar em locais insalubres. Essa é a regra geral. Mas o que é insalubridade? Tecnicamente ela tem três estágios: mínima, média e máxima. A insalubridade está em todos os lugares. A recepção de um hospital tem uma insalubridade mínima. Agora, não pode trabalhar em insalubridade máxima como no parque de imagens de Raio-X no hospital. Quem levantou essa questão foram as mulheres no Congresso. Por quê? Porque 85% das pessoas que trabalham em hospital são mulheres, médicas, enfermeiras e ajudantes. A tese é a de que nem tudo tem insalubridade que possa gerar riscos para a mulher e para o neném. De qualquer maneira, isso será alterado via Medida Provisória. Será proibido trabalhar em local insalubre e vamos criar uma regra. Se tecnicamente, tiver um atestado de um profissional mostrando que trabalhar na recepção não oferece risco a gestante e muito menos ao neném, ela poderá trabalhar.

Então serão editadas as Medidas Provisórias? Por que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que não votaria nada…
Sim, serão editadas Medidas Provisórias que deixarão essas questões mais claras, estabelecendo os limites.

E o fim do imposto sindical? Será editada uma MP para evitar isso?
Não, e isso é inegociável. É uma questão de princípios, estamos saindo de uma realidade em que o Estado tutelava o dia-a-dia das pessoas, decidindo por elas. O imposto sindical vem desse tempo. Ele vai continuar existindo, mas será opcional.

Mas o sr. acredita que o governo Temer vai respeitar isso?
O governo sabe que, se insistir nisso, será derrotado no Congresso.

Falando em governo, é necessário permanecer na base do Temer para votar as pautas importantes para o País?
Claro que não. Tenho defendido há tempo que o meu partido, que é o PSDB, entregue os ministérios. Não precisamos de cargos para defender o que acreditamos.

E a condenação do ex-presidente Lula. Qual é a sua opinião?
Quem planta vento, colhe tempestade. O Lula está colhendo aquilo que plantou, é vítima dos próprios atos, do sistema de corrupção que implantou. A corrupção sempre existiu no Estado brasileiro. Mas de forma sistêmica, aparelhada em todos os órgãos do governo? Isso é obra-prima do PT e do Lula. Estou me referindo em ter a corrupção como estratégia de governo, envolvendo os fundos, as estatais.

Essa condenação também põe mais pressão sobre o presidente Temer, denunciado por crime de corrupção…
Evidentemente que sim. Estamos vivendo um tempo novo. Independentemente do poder econômico ou político, todos estão submetidos à mesma lei. O fato de ser presidente, governador, senador, deputado ou juiz, não dá condição de você ficar acima da lei. Esse é o recado. O Brasil mudou e esse é o grande legado da operação Java Jato.

E o senador Aécio Neves, presidente do PSDB, tem condições de se manter no comando do partido?
Acho que o senador Aécio Neves tem todo o direito da presunção da inocência e tem todo o direito de fazer a sua defesa. Mas, sinceramente, acho que ele devia fazer essa defesa e exercer esse direito afastado da presidência do PSDB. Acho que é insustentável. Ele merece a nossa solidariedade pessoal, o direito que ele precisa ter para exercer a sua presunção de inocência, ninguém pode ser condenado de maneira precipitada. Mas isso é compatível com ele continuar presidindo o PSDB? Acho que não.

(Nota publicada na Edição 1027 da Revista Dinheiro, com colaboração: Cláudio Gradilone)

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Mais posts

Banco digital para os de memória curta

Aplicativo do cartão de crédito, do programa de fidelidade, da conta bancária, da corretora de investimentos… Se antes o problema [...]

Fala que o robô te escuta

Nunca se falou tanto com robôs quanto na pandemia. Um levantamento da Deep Center, empresa de TI e Inteligência Artificial, mostra que houve uma redução de 15% do número de atendentes humanos ativos dentro de 98% dos contact centers no Brasil. Enquanto isso, foi registrada uma alta de 83% no volume de chamadas provenientes de […]

A estranha fórmula do Starbucks

A operação brasileira da rede Starbucks dá sinais contraditórios sobre seus planos no País. Durante a pandemia, com grande parte das [...]

Na crise, até barco é virtual

A pandemia da Covid-19 vem mudando o lazer dos consumidores e os negócios, inclusive no setor náutico. Em tempos de isolamento social, [...]

“O consumidor será mais cauteloso”

O economista Luis Eduardo da Costa Carvalho, fundador e presidente do conselho da Lecca Financeira e Investimentos, assume em agosto a [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.