Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

Vítimas de Mariana continuam sem lar definitivo

Vítimas de Mariana continuam sem lar definitivo

Quatro anos após o desastre que destruiu a região de Mariana (MG), as vítimas ainda aguardam uma casa nova. O prazo para que a Fundação Renova, criada pelas mineradoras responsáveis pela tragédia – Vale, Samarco e BHP – para reparar os danos ambientais e indenizar os atingidos, entregasse as residências definitivas em Novo Bento e Novo Paracatu de Baixo foi adiado para 27 de agosto de 2020. A entidade, inclusive, está recorrendo da multa de R$ 1 milhão por dia de atraso e pretende solicitar prorrogação para a entrega das casas. Segundo a Renova, cerca de 320 mil pessoas já receberam R$ 1,8 bilhão em indenizações e auxílios emergenciais. A entidade também alega ter destinado R$ 6,7 bilhões a ações de reparação. Até hoje, não há informações oficiais sobre os riscos à saúde que os rejeitos de minério, que ficaram impregnados na terra e poluíram as águas do Rio Doce, podem causar a curto, médio e longo prazo. O Estudo de Avaliação de Risco à Saúde Humana (ARSH), divulgado pela Agência Pública, aponta que, nas residências atingidas, foram encontradas concentrações de cádmio, níquel, zinco e cobre muito acima dos limites de segurança vigentes na legislação brasileira.

(Nota publicada na Edição 1146 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Desmatamento na Amazônia avança mais de 200% em outubro

O apetite das motosserras na floresta amazônica segue insaciável. Segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia [...]

Combos livres no Burger King

Para ajudar a preservar o meio ambiente, o Burger King Brasil decidiu retirar as caixas de papelão do combo King Jr., voltado a [...]

Governo quer desobrigar empresa de cumprir cota para trabalhador com deficiência

O governo Bolsonaro quer acabar com a política de cotas para pessoas com deficiência ou reabilitadas. O projeto de lei 6.159/2019, que [...]

Empresas do Bem – A responsabilidade social da Cogna

A Cogna, holding que administra diversas marcas educacionais como Kroton, Saber, Platos e Vasta/Somos, está reforçando o seu papel social. Desde que Camilla Veiga assumiu a área de responsabilidade social da empresa, no fim de 2018, os projetos não param. Mais de 1,5 milhão de pessoas já foram impactadas por meio de 1,7 mil programas […]

A farra dos agrotóxicos

A aprovação de pesticidas, alguns deles proibidos em outras partes do mundo, tornou-se uma ação rotineira para o Ministério da [...]
Ver mais