Giro

Vírus de 15.000 anos descobertos no gelo da geleira tibetana

Crédito: Reprodução/Redes Sociais

Os cientistas criaram um novo método de análise no gelo sem contaminá-lo. As descobertas podem ajudar a entender como os vírus evoluíram. (Crédito: Reprodução/Redes Sociais)

Cientistas que estudam o gelo da geleira encontraram vírus com quase 15 mil anos em duas amostras retiradas do planalto tibetano na China. Muitos desses vírus, que sobreviveram porque permaneceram congelados, são diferentes de todos os vírus catalogados até hoje.

As descobertas, publicadas na revista Microbiome, podem ajudar os cientistas a entender como os vírus evoluíram ao longo dos séculos. Para este estudo, os cientistas também criaram um novo método ultralimpo de análise de micróbios e vírus no gelo sem contaminá-lo.

+ Casos da variante Delta do novo coronavírus chegam a 135 no Brasil

“Essas geleiras foram formadas gradualmente e, junto com a poeira e os gases, muitos, muitos vírus também foram depositados naquele gelo”, disse Zhi-Ping Zhong, principal autor do estudo e pesquisador da Universidade Estadual de Ohio Byrd Polar and Climate Research Centro que também se concentra em microbiologia. “As geleiras no oeste da China não são bem estudadas e nosso objetivo é usar essas informações para refletir os ambientes anteriores. E os vírus fazem parte desses ambientes.”



Os pesquisadores analisaram amostras de gelo retiradas em 2015 da calota polar de Guliya, no oeste da China. Os núcleos são coletados em grandes altitudes – o cume de Guliya, onde o gelo se originou, está a 22.000 pés acima do nível do mar. Os núcleos das amostras contêm camadas de gelo que se acumulam ano após ano, prendendo o que quer que estivesse na atmosfera ao seu redor no momento em que cada camada congelou. Essas camadas criam uma espécie de linha do tempo, que os cientistas usaram para entender mais sobre as mudanças climáticas, micróbios, vírus e gases ao longo da história.

Os pesquisadores determinaram que o gelo tinha quase 15 mil anos usando uma combinação de técnicas novas e tradicionais para datar esse núcleo de gelo. Quando analisaram o gelo, eles encontraram códigos genéticos para 33 vírus. Quatro desses vírus já foram identificados pela comunidade científica. Mas pelo menos 28 deles são novos. Cerca de metade deles parecia ter sobrevivido no momento em que foram congelados não apesar do gelo, mas por causa dele.

“Esses são vírus que teriam prosperado em ambientes extremos”, disse Matthew Sullivan, co-autor do estudo, professor de microbiologia do estado de Ohio e diretor do Center of Microbiome Science do estado de Ohio. “Esses vírus têm assinaturas de genes que os ajudam a infectar células em ambientes frios – apenas assinaturas genéticas surreais de como um vírus é capaz de sobreviver em condições extremas. Essas assinaturas não são fáceis de extrair, e o método que Zhi-Ping desenvolveu descontaminar os núcleos e estudar micróbios e vírus no gelo poderia nos ajudar a pesquisar essas sequências genéticas em outros ambientes gelados extremos – Marte, por exemplo, a lua, ou mais perto de casa, no deserto de Atacama, na Terra.”

Os vírus não compartilham um gene universal comum, portanto, nomear um novo vírus – e tentar descobrir onde ele se encaixa no cenário de vírus conhecidos – envolve várias etapas. Para comparar vírus não identificados com vírus conhecidos, os cientistas comparam conjuntos de genes. Conjuntos de genes de vírus conhecidos são catalogados em bancos de dados científicos.

Essas comparações de banco de dados mostraram que quatro dos vírus nos núcleos da calota polar de Guliya haviam sido identificados anteriormente e pertenciam a famílias de vírus que normalmente infectam bactérias. Os pesquisadores descobriram os vírus em concentrações muito mais baixas do que as encontradas nos oceanos ou no solo.

A análise dos pesquisadores mostrou que os vírus provavelmente se originaram do solo ou das plantas, não de animais ou humanos, com base no ambiente e nos bancos de dados de vírus conhecidos.

O estudo de vírus em geleiras é relativamente novo: apenas dois estudos anteriores identificaram vírus em geleiras antigas. Mas é uma área da ciência que está se tornando mais importante à medida que as mudanças climáticas, disse Lonnie Thompson, autor sênior do estudo, distinto professor universitário de ciências da terra no estado de Ohio e pesquisador sênior do Byrd Center.

“Sabemos muito pouco sobre vírus e micróbios nesses ambientes extremos e o que realmente existe”, disse Thompson. “A documentação e a compreensão disso são extremamente importantes: como as bactérias e os vírus respondem às mudanças climáticas? O que acontece quando saímos de uma era do gelo para um período quente como estamos agora?”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago