Negócios

Vírus chinês já afeta vendas e publicidade da cerveja Corona nos EUA

Crédito: Reprodução Twitter/Corona

Apesar do anúncio de aumento de 5% nas vendas do mês passado, mercado chinês vai render prejuízo milionário à Corona (Crédito: Reprodução Twitter/Corona)


O coronavírus, que já infectou quase 90 mil pessoas e matou outras 3 mil, afetou não apenas os mercados espalhados pelo globo, como também a marca de cerveja que leva o mesmo nome, agora correndo para lidar com a campanha negativa envolvendo seu título.

A cervejaria Corona, famosa pela garrafa de vidro transparente com a bebida em um amarelo bem claro, disse à CNN que está sofrendo com a desinformação envolvendo o vírus chinês. Apesar disso, comunicou que houve um aumento de 5% nas vendas entre janeiro e fevereiro.

A subida representa mais que o dobro do registrado nas 52 semanas anteriores.

Segundo o jornal britânico Metro, com a queda da circulação da bebida no mercado chinês, a Corona projeta um prejuízo de 132 milhões de libras (um pouco menos de R$ 1 bilhão) em vendas no marco-zero do vírus que agora se espalha pelo mundo.

Na última semana, a empresa começou a comercializar novos rótulos nas latinhas de cerveja, com quatro opções diferenciadas ao consumidor. Foram US$ 40 milhões gastos na campanha, que geraram uma reação adversa no público ao indicar “chegando em breve” entre as palavras do anúncio.

Nas segunda-feira (24) passada, a Corona publicou o anúncio no Twitter, mas acabou apagando dias depois, após críticas dos usuários da rede, que afirmaram se tratar de “mau gosto” da empresa.

A CNN ouviu duas empresas de pesquisas nos EUA, que indicaram uma baixa adesão da cerveja com o público norte-americano graças ao vírus global.

A 5W Public Relations disse que 38% dos 737 americanos ouvidos não comprariam Corona “sob nenhuma circunstância” por conta do surto com o vírus e outros 14% disseram que não pediriam uma Corona em público.

Já a YouGov constatou que a intenção dos consumidores em comprar a cerveja caiu para o nível mais baixo em dois anos.

A Constellation’s, empresa que controla a marca, afirmou que as pesquisas não acompanham o desempenho da empresa no mercado e que as buscas online envolvendo “vírus da cerveja corona” atingiram pico no início de fevereiro, mas já caíram.