Edição nº 1078 13.07 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“Viramos a página da Lava Jato”

Gabriel Reis

“Viramos a página da Lava Jato”

Milton Gamez
Edição 18/08/2017 - nº 1032

Há pouco mais de um ano, o executivo Fernando Musa, presidente da Braskem America, nos Estados Unidos, recebeu um telefonema do chefe, Carlos Fadigas, solicitando sua vinda imediata ao Brasil. Ele pegou um avião para São Paulo e reuniu-se com o então presidente da Braskem, com o presidente da holding da Odebrecht, Newton de Souza, e com o patriarca do grupo, o empresário Emílio Odebrecht. Saiu deste encontro como o novo presidente da empresa petroquímica. Missão difícil: a Braskem também era investigada pela Lava Jato por conta de pagamentos de propinas a funcionários da Petrobras e de repasses de caixa dois a políticos. Musa ligou para a esposa e avisou que a família voltaria ao Brasil, após quatro anos no exterior. “Quando?”, perguntou ela. “Você eu não sei, mas eu já voltei”, respondeu, com bom humor.

A súbita promoção tinha por objetivo recolocar a Braskem nos trilhos e reconquistar a credibilidade perdida com as revelações explosivas da Lava Jato. Isso, enquanto seus dois principais sócios – o Grupo Odebrecht e a Petrobras – discutem a relação e a possibilidade de venda da participação da estatal. Na quarta-feira 16, quando a Braskem completou 15 anos, Musa, 52, comemorou a nova fase da companhia com uma nova identidade visual e a publicação dos balanços auditados, com um lucro de R$ 1,142 bilhão no segundo trimestre e um lucro acumulado de R$ 3,057 bilhões no ano, até junho. Sua ambição, agora, é tornar a empresa uma referência global do setor. “Viramos a página da Lava Jato”, disse ele à DINHEIRO.

DINHEIRO – A Braskem mudou sua identidade visual e sua logomarca. O que isso significa?

MUSA – É a marca de uma nova fase. Evoluímos de uma Braskem com o mote de petroquímica brasileira de classe mundial para uma empresa mais humana, mais estabelecida, mais internacional.

DINHEIRO – O que mudou, na prática?

FERNANDO MUSA – Completamos 15 anos de uma história de muito sucesso. Começamos em 2002, com a fusão de seis empresas, depois crescemos no Brasil e na América do Sul. Expandimos para os Estados Unidos e o México e, agora, entramos numa nova fase de internacionalização. Resolvemos a situação da Lava Jato em dezembro, com um acordo global [de leniência] que “endereçou” problemas estruturais que a gente tinha e marcou, portanto, o fim de um capítulo.

DINHEIRO – A Braskem conseguiu virar a página da Lava Jato?

MUSA – Sim. Assunto resolvido. Temos muito a fazer, mas a página está virada. O acordo está feito, pagamos boa parte das penalidades e o processo está claramente comunicado aos nossos stakeholders. Nossos clientes e fornecedores nos apoiaram nesse período todo. Na prática, tivemos poucos impactos no negócio. É possível que tenhamos perdido alguma oportunidade de crescimento. Mas, desde a assinatura do acordo, não é mais tema de discussão com cliente, com banco, com fornecedor, com investidor.

DINHEIRO – Além da multa de R$ 3,1 bilhões, o que prevê o acordo com as autoridades no Brasil, nos EUA e na Suíça?

MUSA – O acordo passa pelo reconhecimento de que nós erramos. Fizemos coisas erradas e tomamos providências para que não voltem a acontecer. Conseguimos prazo de seis anos para pagar a multa no Brasil e quatro anos, na Suíça. Lá, parcelamos 70% dos US$ 95 milhões. Nos Estados Unidos, quitamos os US$ 160 milhões. No Brasil,
R$ 760 milhões já foram pagos.

DINHEIRO – Isso tudo saiu do caixa da empresa? Qual foi o impacto?

MUSA – Sim. Na verdade, nosso caixa tem aumentado, pois a operação está indo muito bem. A gestão financeira previa o pagamento de alguma penalidade. É muito dinheiro, mas é algo gerenciável. Óbvio que eu preferia usar US$ 1 bilhão para fazer outra coisa, mas temos que assumir nossa responsabilidade. Não atrasamos nenhum pagamento e seguimos fazendo os investimentos.

DINHEIRO – Quais, por exemplo?

MUSA – Em junho, o Conselho aprovou um investimento de US$ 675 milhões para a construção de uma sexta fábrica de polipropileno nos EUA. Do ano passado para cá, encerramos a fase de consolidar a Braskem como uma empresa global e, agora, estamos prontos para seguir nessa rota de crescimento e geração de valor para os acionistas. No Brasil, não temos quem comprar. Temos que ir para fora. Nossos clientes estão cada vez mais globais.Hoje, 50% da nossa receita vem de fora do Brasil. Exportamos e vendemos produtos em quase 100 países. Somos uma empresa internacionalizada e a nova fase consolida essa visão global.

DINHEIRO – Pensam em mudar a sede da empresa para o Exterior?

MUSA – Esse tema, por questões financeiras e tributárias, foi estudado várias vezes. Não tem nada de concreto agora. É algo possível, à medida que a Braskem evolui. Uma empresa global tem mais centros de decisão lá fora. Mas a Braskem sempre será uma empresa global de coração brasileiro.

DINHEIRO – Qual país seria interessante em caso de mudança de sede? A Irlanda?

MUSA – Há muitas questões tributárias. Tem empresa que vai para a Irlanda, para a Holanda. A Magnesita tinha planos de ir para a Inglaterra. Cada caso é um caso.

DINHEIRO – Uma sede em outro país pode abrir uma porta de saída ao acionista? Isso não deixaria a empresa sujeita a um take over?

MUSA – Pode. Mas também pode abrir uma porta para a Braskem ser um agente de um take over, e não alvo. Parte dos benefícios de uma mudança societária para o exterior é criar uma moeda para transações, que hoje não temos. Muitas aquisições fora do Brasil são feitas pagando-se com ações. Uma mudança para fora teria benefícios, mas também há malefícios. O valor de ação da Braskem está com um desconto enorme.

O vigarista Bernard Madoff, que deu golpe de US$ 50 bilhões (Crédito:Hiroko Masuike)

DINHEIRO – Desconto de quanto?

MUSA – A Braskem é negociada com um valor de mercado de 4,5 vezes o Ebitda. A média do setor é 7. Batemos recorde histórico recentemente, a R$ 40,00 por ação. Tem muito espaço para valorização. Fora isso, seguimos com nossos ganhos de produtividade e de aumentos de capacidade. Temos uma base muito boa. Encerramos o investimento de US$ 5,2 bilhões na Braskem Idesa, no México, que agora passa a gerar um caixa enorme. Só isso libera uma capacidade de investimento expressiva. Com o acordo de leniência, resolvemos um assunto que tinha uma percepção de risco enorme. Agora, estamos começando uma nova fase de investimentos nos Estados Unidos.

DINHEIRO – O discurso nacionalista de Donald Trump preocupa a Braskem?

MUSA – Não. Os Estados Unidos são um mercado importante para nós, independentemente de Trump.

DINHEIRO – Um retrocesso comercial não afetaria as atividades da Braskem no México? E se houver uma revisão do acordo do Nafta?

MUSA – Nossa estratégia no México é servir o mercado local e exportar para a Europa e a América do Sul. Se Trump fechar as fronteiras, é ruim para a economia mexicana e os produtos dos EUA vão subir de preço. O mercado vai sofrer, mas a rentabilidade de cada tonelada pode melhorar. Sou cético [quanto à possibilidade de retrocesso].

DINHEIRO – Aos 15 anos, a Braskem é um adolescente no auge do seu vigor físico, mas que ainda está aprendendo. E parece que os pais [Odebrecht e Petrobras] não se entendem…

MUSA – Estamos em transição da adolescência para a idade adulta. Aprendemos muito com os acertos e com os erros, crescemos e afloramos para o mundo com uma presença mais global e sendo reconhecidos pelos clientes fornecedores e concorrentes. Nesse processo, os pais, que estavam brigando, já estão se entendendo. Eles estão conversando sobre um novo acordo de acionistas.

DINHEIRO – Há chances de reconciliação?

MUSA – Tem de perguntar para eles. Diálogo existe, e isso é um sinal positivo. Nesse processo, a governança da Braskem vem melhorando com uma série de ações que partiram do acordo de leniência.

DINHEIRO – A Petrobras tem interesse em vender sua participação na Braskem?

MUSA – No plano estratégico da Petrobras, consta que querem desinvestir de quatro segmentos, inclusive do setor petroquímico. O Pedro Parente [presidente] e o [diretor] Ivan Monteiro têm dito que isso inclui todo negócio petroquímico.

DINHEIRO – Como isso afeta a Braskem?

MUSA – Nossa vida segue. Estou aqui para criar valor para todos os acionistas. Todo dia tem acionista comprando e vendendo ações na bolsa. É claro que 36% não é a transação do dia a dia.

Ivan Monteiro e Pedro Parente, da Petrobrás, estatal que é sócia do Grupo Odebrecht na Braskem (Crédito:Fernando Frazão/Agência Brasil)

DINHEIRO – E a Odebrecht? Quer vender?

MUSA – A Odebrecht afirma que não tem intenção de vender sua participação.

DINHEIRO – Como garantir que, do ponto de vista de governança, essa jovem de 15 anos não vai delinquir novamente?

MUSA – Estamos fazendo uma série de ações que começaram antes de eu assumir, com a criação do Comitê de Conformidade independente, e a estruturação da área de conformidade, que responde ao comitê e não à minha estrutura de responsabilidade. Ela apoia o negócio, eu e os meus liderados, mas o líder [Everson Bassinello, ex-Fibria] responde direto para o Conselho.

DINHEIRO – Ele pode interferir no negócio?

MUSA – O papel dele não é interferir, mas apoiar o negócio na implantação das ações de conformidade. Temos um plano de ação com mais de 160 medidas. Estamos trabalhando em prevenção e em educação, para que todo mundo entenda a nossa politica de integridade, ética e transparência, e aja dentro desses parâmetros. O acordo prevê a figura da monitoria. A Braskem vai estar sujeita a dois processos de monitoria, coordenados pelo DOJ [Departamento de Justiça dos EUA] e pelo Ministério Público.

DINHEIRO – O auditor não poderia ser corrompido, como tantos seres humanos?

MUSA – Pode, mas o negócio dele é garantir que não exista essa corrupção.

DINHEIRO – O Comitê de Conformidade tem o poder de demitir funcionários?

MUSA – O comitê investiga e apresenta os fatos, mas a obrigação é do líder. Se ele não fizer, passa a ser investigado.

DINHEIRO – É preciso haver uma mudança cultural na empresa, não?

MUSA – O que aconteceu na Braskem envolveu um grupo muito restrito de pessoas, não era um tema espalhado. Mas não existe sistema perfeito, à prova de fraudes. Infelizmente, é a natureza humana. Morei quatro anos nos EUA e vi três ex-governadores serem presos e quatro governadores perderem o emprego porque estavam fazendo besteira. O meu papel é reforçar nossa prática, nossa política, nossa cultura. Temos convicção de que não precisamos disso para competir.

DINHEIRO – Como lidou pessoalmente ao saber que a empresa estava envolvida na Lava Jato? Como superou isso?

MUSA – No meu caso pessoal, isso aconteceu quando eu estava morando fora. Foi difícil. Primeiro, incredulidade. Depois, a realização de que realmente fizemos besteira. E aí veio o sentido de missão. Tem de arrumar, vamos arrumar. Seremos referência mundial nesse tema também.

DINHEIRO – Pensou em sair?

MUSA – Não. Acredito na missão. Conheço as pessoas. Foi um problema restrito.

DINHEIRO – O Brasil sai mais honesto da fase Lava Jato?

MUSA – Sai diferente. Os EUA são mais honestos ou menos honestos? Há problemas, crimes e falcatruas, como [Bernard] Madoff . Lá tem um sistema, o cara vai preso, devolve o dinheiro. O Brasil agora trata disso de forma diferente.

DINHEIRO – Como está a influência da família Odebrecht na empresa?

MUSA – Do mesmo jeito que sempre. Nenhuma.

DINHEIRO – Quem os representa no Conselho de Administração?

MUSA – Temos sete conselheiros independentes. E quatro não independentes, dos quais três têm conexão com a Odebrecht: Newton de Souza, ex-presidente da holding, Carla Barreto e Luiz de Mendonça.


Entrevista

PRESIDENTE DO CONSELHO DA TAP PORTUGAL

PRESIDENTE DO CONSELHO DA TAP PORTUGAL

"Mesmo em dificuldade, o Brasil é um dos melhores lugares do mundo para se investir"

O empresário português Humberto Pedrosa é sócio de David Neeleman – fundador e chairman da Azul Linhas Aéreas – na companhia aérea TAP, por meio da Atlantic Gateway


Finanças

Conheça os melhores analistas de ações do Brasil

Apostas certeiras

Conheça os melhores analistas de ações do Brasil

Saiba quem são os melhores analistas de ações do Brasil e o que eles recomendam para você investir

Seguradora Generali faz parceria na área da saúde

Consultas médicas

Seguradora Generali faz parceria na área da saúde

Seguradora Generali faz parceria com empresa que visa a baratear o acesso a consultas explorando brechas nas agendas dos médicos

Construtoras de olho na lei dos distratos

Mercado imobiliário

Construtoras de olho na lei dos distratos


Mercado digital

Que tiro foi esse?

Game

Game

Que tiro foi esse?

Entenda como o fenômeno virtual Fortnite bate recorde atrás de recorde e já movimenta mais de US$ 1 bilhão em todo o mundo


Negócios


Eletrobras sob os holofotes

Estatal

Eletrobras sob os holofotes

Proximidade do leilão das seis distribuidoras, que causaram um prejuízo de R$ 23 bilhões aos cofres da estatal, vai ajudar a empresa a se concentrar na geração e na transmissão de energia, seus negócios mais lucrativos. O próximo passo é a venda de sua participação minoritária em 70 projetos. Só a privatização vai ficar para o próximo governo

Uma luz para a mineração

Investimentos

Uma luz para a mineração

Depois de enfrentar um longo ciclo de problemas, o setor começa a receber investimentos para diversificar sua produção. O lítio, matéria-prima de baterias, está entre as maiores apostas


Neymar deixa a Rússia sem o hexacampeonato e vira motivo de piada

Imagem abalada

Neymar deixa a Rússia sem o hexacampeonato e vira motivo de piada

Neymar deixou a Rússia sem o hexacampeonato e virou motivo de piada com suas encenações. Como o craque brasileiro pode virar esse jogo?

A rede americana Re/Max abre as portas para o luxo

Imóveis

A rede americana Re/Max abre as portas para o luxo

A rede americana de imobiliárias vai inaugurar, no Brasil, a primeira unidade da América Latina de sua bandeira de alto padrão. A meta é abrir outras quatro até o fim de 2019

Aramis investe em inovação e rejuvenesce oferta de produtos

Moda masculina

Aramis investe em inovação e rejuvenesce oferta de produtos

Sob o comando de Richard Stad, filho do fundador Henri, a grife de moda masculina expande sua rede, investe em inovação e rejuvenesce sua oferta de produtos

Elemidia amplia anúncios para prédios residenciais

Nova tela

Elemidia amplia anúncios para prédios residenciais

Conhecida pela presença em edifícios comerciais, a empresa investe agora em anúncios nos elevadores de prédios residenciais

Aliansce e Sonae Sierra Brasil negociam fusão

Administradoras de shoppings

Aliansce e Sonae Sierra Brasil negociam fusão

Duas das maiores administradoras de shoppings do País, Aliansce e Sonae Sierra Brasil, negociam uma fusão. Entenda o impacto desse negócio


Economia

A reforma dá as caras

Mercado de trabalho

Mercado de trabalho

A reforma dá as caras

Seis meses após a implementação da nova lei trabalhista, número de ações na Justiça cai 40% e sinaliza um ambiente de menos conflito entre empresas e funcionários


Colunas


Farra parlamentar

Editorial

Farra parlamentar

Multiplus troca praia pela neve

Moeda Forte

Multiplus troca praia pela neve

Última sugada

Sustentabilidade

Última sugada

Cristiano Ronaldo pode curtir o Facebook

Dinheiro & Tecnologia

Cristiano Ronaldo pode curtir o Facebook

Dormindo sob a aurora boreal

Dormindo sob a aurora boreal


Artigo

Tim Berners-Lee e o projeto de lei dos agrotóxicos

Por Vera Ondei

Por Vera Ondei

Tim Berners-Lee e o projeto de lei dos agrotóxicos

Apesar de polêmica, o Brasil precisa de uma nova legislação que modernize o setor de proteção de culturas, defensivos, agrotóxicos ou pesticidas

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.