Vinho brasileiro chega a russos, nigerianos e guatemaltecos

Enquanto o mercado interno celebra a quebra histórica da barreira de consumo de vinhos, com 2,12 litros per capta em 2019, as exportações também animam os produtores brasileiros. Para a Miolo Wine Group, cujas vendas para o exterior cresceram 20% no ano passado, a meta em 2020 é dobrar o volume exportado. Parte da estratégia envolve países onde os rótulos da vinícola são os únicos representantes brasileiros.

A Rússia é um deles. Depois de um contrato celebrado em março de 2019 durante a mais importante feira do setor no mundo – a ProWein, em Düsseldorf (Alemanha), o país famoso pelo apreço à vodca começou a rebeber as primeiras garrafas de vinho do Brasil em dezembro passado.

Na Guatemala, que adquiriu 12 rótulos da Miolo, a receptividade tem sido tão boa que os pedidos já foram renovados quatro vezes em um ano.

Para a Nigéria, a primeira remessa ocorreu agora em fevereiro. Bélgica, Peru e Polônia estão entre os mercados que se converteram em clientes da marca recentemente.

Hoje, a Miolo exporta para 30 países – o Reino Unido é o principal mercado da marca, mas a posição vem sendo ameaçada pela China, onde 15 lojas comercializam os rótulos da vinícola, entre eles o Riqueza, exclusivo para exportação.

“O mundo provou e aprovou nossos produtos e este é um caminho sem volta e que só tende a crescer”, afirma o gerente de exportações da Miolo, Anderson Tirloni. “Seguimos engarrafando histórias e mostrando ao mundo que sabemos elaborar grandes vinhos. O reconhecimento é uma realidade”. O grupo é hoje o maior exportador de vinhos finos do Brasil.

Estande da Miolo na ProWein, em Düsseldorf, no ano passado. Presença na maior feira de vinhos do mundo gerou contratos inéditos
Estande da Miolo na ProWein, em Düsseldorf, no ano passado. Presença na maior feira de vinhos do mundo gerou contratos inéditos (Crédito:André Bezerra/Divulgação))

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Celso Masson, 53, é jornalista, diretor de núcleo da Editora Três, winemaker e palestrante de vinhos. Nos últimos dez anos, vem estudando e acompanhando a produção, os negócios e os prazeres do mundo da enologia. Se formou winemaker após integrar um exigente programa oferecido pela Escola do Vinho Miolo. Já tem três rótulos produzidos em parceria com a inovadora vinícola brasileira.


Mais posts

O caçula da família Rothschild

Ele nasceu em 1930, em Pauillac, na região de Bordeaux, como vinho “caçula” de uma família que desde o século 19 se dedica a elaborar [...]

Testardi, o novo ícone do Sertão

Ele nasceu às margens do Rio São Francisco. Descende de uma família italiana e por isso foi batizado com o nome  Testardi. Em bom [...]

Sábado de comida, música e vinhos, por um trio de mulheres e uma boa causa

“Na sua mesa: comida e vinhos brasileiros” é o nome do projeto para o qual a sommelière Gabriela Bigarelli convidou a chef [...]

Dois ícones tintos do Brasil

Nas últimas semanas, a polêmica da salvaguarda voltou ao noticiário que trata do mercado de vinhos no País. Como já haviam feito anos [...]

Safra 2020: histórica também no Sudeste

Depois de uma safra excepcional em 2018, uma nova boa notícia alegrou os vitivinicultores do País. Naquele ano, o efeito La Niña [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.