Giro

Victoria’s Secret reformula marca e aposta no empoderamento da mulher

Crédito: Reprodução/Instagram

Brasileira Valentina Sampaio é a primeira modelo trans a desfilar pela Victoria's Secret (Crédito: Reprodução/Instagram)

Ícone da moda feminina, a Victoria’s Secret reviu conceitos e reformulou suas estratégias de campanha para estimular o empoderamento da mulher. Buscando o fim da imposição de padrões estéticos e estereótipos através de suas modelos, as “angels”, a marca escolheu sete mulheres famosas por suas realizações para representá-la.

Pressionada por exigências de modernização, a Victoria’s Secret deseja tornar-se defensora das mulheres no mundo, segundo o diretor executivo da marca, Martin Walters. O plano de marketing de transformação da marca é apostar em diversidade na moda a partir de demandas sociais que exigem iguais oportunidades de gênero.



+ Espanha deixará de usar máscara ao ar livre; Moscou sofre com variante Delta do vírus

+ Mulheres de Galápagos, a força invisível dos campos e do oceano

Uma das estrelas da nova campanha é a jogadora de futebol e ativista LGBT Megan Rapinoe, famosa atacante da seleção dos Estados Unidos. Também integram projeto VS Collective, que mira a criação de “coleções revolucionárias”, a atriz indiana Priyanka Chopra e a brasileira Valentina Sampaio, primeira modelo trans que desfilou pela marca.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!


Completam a equipqe Eileen Gu, 17 anos, esquiadora freestyle com ascendência asiática; Paloma Elsesser, 29, modelo de manequim 48 que estrelou capa da revista “Vogue”; a modelo sudanesa Adut Akech e a jornalista Amanda de Cadenet, que irá apresentar um programa com dez episódios sobre as trajetórias das novas estrelas.

Depois de atacar a Victoria’s Secret em entrevista ao New York Times (“patriarcal e sexista”), Rapinoe utilizou seu Twitter na última quinta-feira (17) para afirmar que as novas embaixadoras são “ícones do nosso tempo que irão trabalhar para mostrar a todas as mulheres a sua beleza e o poder individual e coletivo”. O mesmo jornal já havia denunciado uma cultura de assédio dentro da empresa que foi confirmada por modelos e funcionários.


A empresa também anunciou um fundo de apoio financeiro a projetos que investigam tratamento e cura para tipos de câncer que acometem as mulheres.