Ciência

Viajar mais rápido do que a velocidade da luz é possível, diz físico alemão

Crédito: Reprodução/Unsplash

Nessa velocidade, os astronautas poderiam alcançar outros sistemas estelares em apenas alguns anos, permitindo colonizar planetas distantes. (Crédito: Reprodução/Unsplash)

Parece coisa de ficção científica, mas espaçonaves que viajam em alta velocidade são veículos possíveis serem desenvolvidos no futuro, de acordo com o físico Dr. Erik Lentz. Ele delineou uma maneira que um foguete poderia teoricamente viajar mais rápido que a luz, ou seja, acima dos 300 mil quilômetros por segundo.

Nessa velocidade, os astronautas poderiam alcançar outros sistemas estelares em apenas alguns anos, permitindo que a humanidade colonizasse planetas distantes. A tecnologia atual de foguetes levaria cerca de 6.300 anos para chegar a Proxima Centauri, a estrela mais próxima do nosso Sol, segundo o NY Post.

+ GM vai produzir carros elétricos no México a partir de 2023
+ Huawei entra de vez no mercado de veículos elétricos

Os chamados “drives de dobra” já foram propostos, mas muitas vezes dependem de sistemas teóricos que violam as leis da física. Isso porque, de acordo com a teoria geral da relatividade de Einstein, é fisicamente impossível que qualquer coisa viaje mais rápido do que a velocidade da luz.



O Dr. Lentz, um cientista da Universidade de Göttingen, na Alemanha, diz que seu motor de dobra imaginário operaria dentro dos limites da física. Enquanto outras teorias dependem de conceitos “exóticos”, como energia negativa, ele contorna esse problema usando uma nova partícula teórica, segundo o site Boing Boing.

Esses “solitons” hiper-rápidos podem viajar em qualquer velocidade obedecendo às leis da física, de acordo com um comunicado à imprensa da Universidade de Göttingen.

Um soliton – também conhecido como “bolha de dobra” – é uma onda compacta que age como uma partícula enquanto mantém sua forma e se move em velocidade constante.

O Dr. Lentz disse que elaborou sua teoria após analisar pesquisas existentes e descobriu lacunas em estudos anteriores de propulsão de dobra. Ele acredita que os solitons podem viajar mais rápido que a luz e “criar um plasma condutor e campos eletromagnéticos clássicos”.

Ambos os conceitos são compreendidos pela física convencional e obedecem à teoria da relatividade de Einstein. Embora seu impulso de dobra forneça a tentadora possibilidade de uma viagem mais rápida do que a luz, ele ainda está na fase de ideia.

A engenhoca exigiria uma enorme quantidade de energia que não é possível com a tecnologia moderna. “A economia de energia precisaria ser drástica, de aproximadamente 30 ordens de magnitude para estar ao alcance dos reatores de fissão nuclear modernos”, disse o Dr. Lentz.

“Felizmente, vários mecanismos de economia de energia foram propostos em pesquisas anteriores que podem reduzir potencialmente a energia necessária em quase 60 ordens de magnitude.” O astrofísico disse que agora concentrará seus esforços em criar uma versão viável da tecnologia.

“Este trabalho afastou o problema da viagem mais rápida do que a luz da pesquisa teórica em física fundamental e aproximou-se da engenharia”, disse o Lentz.

“O próximo passo é descobrir como reduzir a quantidade astronômica de energia necessária para dentro da gama das tecnologias atuais, como uma grande usina de fissão nuclear moderna. Então podemos falar sobre a construção dos primeiros protótipos. ”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago