Dinheiro em Ação

Via Varejo no Novo Mercado

Via Varejo no Novo Mercado

Papéis avulsos

A Via Varejo, que controla as redes de varejo Casas Bahia e Ponto Frio, está preparando sua migração para o Novo Mercado, segmento de negociação da B3 com as maiores exigências em termos de governança corporativa. Na segunda-feira 23, a empresa anunciou a conversão das ações preferenciais em ordinárias e o encerramento de seu programa de Units. Cada Unit, que é formada por duas ações preferenciais e uma ordinária, será permutada por três ações com direito a voto. A companhia divulgou também um lucro de R$ 20 milhões no segundo trimestre, revertendo um prejuízo de R$ 85 milhões no mesmo período de 2017. A geração de caixa medida pelo Ebitda no trimestre foi de R$ 394 milhões, alta de 25% ante 2017. Para Giovana Scottini, analista da Eleven Financial, o movimento poderá facilitar a atração de um novo controlador ou destravar o processo de consolidação da companhia.

 

Bancos

ABC Brasil entra no varejo

O Banco ABC Brasil, que atua no atendimento de médias e grandes empresas há 29 anos, anunciou na terça-feira 24 sua entrada no segmento de pessoas físicas. A instituição, presidida por Anis Chacur Neto, lançou uma plataforma digital voltada para a distribuição de investimentos. O foco são clientes que tenham a partir de R$ 35 mil para investir. O aplicativo possibilita a compra de Certificados de Depósito Bancário (CDB) Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA) do próprio banco. O próximo passo é distribuir produtos de terceiros. “Um dos objetivos é diversificar as fontes de funding”, diz Sérgio Lullia, vice-presidente do ABC. No ano, as ações estão praticamente estáveis, com uma alta de 0,1%.

 

Bancos

Santander lucra R$ 5,9 bi no semestre

O banco Santander Brasil anunciou, na quarta-feira 25, um lucro de R$ 5,9 bilhões no primeiro semestre, alta de 27% em relação aos R$ 4,6 bilhões dos seis primeiros meses de 2017. A principal causa da melhora dos resultados foi a alta de 14,8% na margem financeira, que avançou de R$ 17,9 bilhões em 2017 para R$ 20,6 bilhões neste ano, e nas receitas de serviços, que subiram 12,1%, avançando de R$ 7,5 bilhões no ano passado para R$ 8,4 bilhões em 2018. No ano, até a quarta-feira 25, as units do banco subiram 18%.

 

Touro x Urso

O desempenho positivo das bolsas externas somado à temporada de balanços, que demonstrou resultados positivos das companhias no segundo trimestre, animou os investidores. O movimento comprador levou o Ibovespa a alcançar os 80.218 pontos, o maior nível desde 23 de maio. Até quarta-feira 25, o principal índice da Bolsa subia 2,1% na semana. No ano, a alta era de 4,9%.

 

Destaque no pregão

Vale volta a ter grau de investimento

Os resultados da Vale superaram as expectativas. A mineradora presidida por Fábio Schvartzman anunciou, na quarta-feira 25, um lucro de R$ 306 milhões no segundo trimestre, alta de 410% em relação aos R$ 60 milhões do mesmo período do ano passado. A receita líquida entre abril e junho foi de R$ 31,2 bilhões, 33,7% acima dos R$ 23,4 bilhões de 2017. Os números pujantes, porém, não foram a única notícia boa. A agência de classificação de risco Moody’s elevou a nota da companhia de Baa1 para Baa3 na segunda-feira 23. Com isso, a mineradora voltou a ter grau de investimento, e seu risco é melhor do que o da República.

Palavra do analista:
Os analistas do Credit Suisse consideram a Vale sua principal escolha em termos de empresas básicas na América Latina. Karel Luketic, analista-chefe da XP Investimentos, vai na mesma linha. Ele avalia que a empresa está encerrando sua fase de redução de dívidas e deve pagar bons dividendos aos acionistas ao longo dos próximos anos.

 

Concessões

CCR sob novo comando

A CCR, maior companhia de concessões de infraestrutura de transporte do país, informou na semana passada que Renato Alves, executivo que ocupou o cargo de presidente desde a fundação da empresa, em 1999, vai deixar a cadeira no fim deste mês. Ele será substituído por Leonardo Vianna, que liderava a divisão de mobilidade desde o ano passado. A expectativa dos analistas é que Vianna busque novas fusões e aquisições para expandir a duração das concessões que a empresa já tem no portfólio. As ações caem 30% no ano.

 

 

Mercado em números

VIVO
R$ 3,16 bilhões – Foi o lucro da empresa de telefonia no segundo trimestre, alta de 261% em relação aos R$ 872 milhões observados em igual período de 2017

PÃO DE AÇÚCAR
R$ 478 milhões – É o lucro da companhia no terceiro trimestre, alta de 259% na comparação anual

CARREFOUR
R$ 440 milhões – Foi o lucro da companhia no segundo trimestre, alta de 47,2% em relação ao mesmo período do ano passado

EDP Energia
R$ 227 milhões – É o lucro que a empresa registrou no segundo trimestre. Houve crescimento de 60,3% no resultado ante igual período de 2017

TARPON
R$ 3,9 milhões – É o lucro que a gestora de recursos apresentou no segundo trimestre. Queda de 29% em relação ao resultado do mesmo período do ano passado