Geral

Verba extra deveria ser usada em prevenção, diz especialista

Há 30 anos no trabalho de combate a incêndios florestais, o coronel do Corpo de Bombeiros mato-grossense Paulo Barroso afirma que os recursos de ajuda externa para enfrentar incêndios na Amazônia deveriam ser usados não para o combate ao fogo imediato, mas para ações de prevenção de novas queimadas em 2019.

“O ideal é trabalhar preventivamente. A gente está enxugando gelo, queimando dinheiro”, diz o especialista, engenheiro florestal e secretário executivo do Comitê Estadual de Gestão do Fogo do Mato Grosso. Segundo ele, alguns incêndios em plantações e áreas de mato adquirem proporções tão grandes que são incontroláveis.

Barroso destaca que um dos problemas do fogo na Amazônia é a falta de sistemas integrados de prevenção, e as ações de combate às chamas são caras. O acesso às regiões demanda dispêndio alto com combustível para helicópteros, e o número de agentes usados nas ações também é elevado. “Depende da umidade, da inclinação do terreno, uma série de fatores”, explica.

Gasto

Barroso afirma que os Estados Unidos haviam gasto em 2017 R$ 1.959 por quilômetro quadrado com a prevenção de incêndios florestais, especialmente na Califórnia, conforme levantamento feito pelo próprio militar. Portugal havia gasto R$ 1,6 mil. “O Brasil gastou R$ 6,16.” Dos 778 municípios da Amazônia, diz Barroso, só 110 têm Corpo de Bombeiros estruturado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?