Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

Veneza sob o olhar de Monet

Veneza sob o olhar de Monet

O quadro “Le Palais Ducal”, do artista francês Claude Monet (1840-1926) – um dos mais célebres pintores do impressionismo – foi vendido por US$ 36,2 milhões em leilão da Sotheby’s, em Londres, no dia 27 de fevereiro. Essa é a primeira vez que a obra apareceu em leilão. Anteriormente o quadro havia sido exposto na mostra Monet & Architecture da National Gallery, em Londres. A tela retrata o Palazzo Ducale, obra-prima do estilo arquitetônico gótico de Veneza. A pintura foi feita em 1908 durante uma viagem de Monet com sua esposa, Alice Hoschedé, para a cidade italiana. As “férias” do pintor renderam 30 telas com temas venezianos.

(Nota publicada na Edição 1111 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Porsche original de 1939 vai a leilão

O Porsche 64 – primeiro veículo da marca – vai a leilão em agosto na Monterey Car Week pela RM Sotheby’s. O carro foi projetado [...]

Menu para poucos e bons

O Hotel Principe di Savoia em Milão, membro da rede hoteleira de luxo Dorchester Collection, está oferecendo uma experiência [...]

“Meules” é a mais cara obra impressionista

Pintado por Claude Monet (1840-1926) dentro da série impressionista “Palheiros”, de 1890, que retrata montes de feno nos campos, [...]

O melhor restaurante da América Latina é do Peru

Se você está com viagem marcada para o Peru, acrescente mais uma parada ao roteiro. O restaurante local Maido foi eleito o melhor da [...]

Dalmore L’ Amina, o single malt de meio milhão

Uma garrafa do single malt escocês Dalmore foi arrematada por R$ 560 mil em leilão na Sotheby’s de Londres. A destilaria nas highlands [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.