Edição nº 1112 15.03 Ver ediçõs anteriores

Veneza sob o olhar de Monet

Veneza sob o olhar de Monet

O quadro “Le Palais Ducal”, do artista francês Claude Monet (1840-1926) – um dos mais célebres pintores do impressionismo – foi vendido por US$ 36,2 milhões em leilão da Sotheby’s, em Londres, no dia 27 de fevereiro. Essa é a primeira vez que a obra apareceu em leilão. Anteriormente o quadro havia sido exposto na mostra Monet & Architecture da National Gallery, em Londres. A tela retrata o Palazzo Ducale, obra-prima do estilo arquitetônico gótico de Veneza. A pintura foi feita em 1908 durante uma viagem de Monet com sua esposa, Alice Hoschedé, para a cidade italiana. As “férias” do pintor renderam 30 telas com temas venezianos.

(Nota publicada na Edição 1111 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O carro mais caro da história tem nome: Bugatti La Voiture Noire

A Bugatti, fabricante francesa de automóveis, produziu e vendeu o carro mais caro do mundo. O veículo foi apresentado no Salão de [...]

Uma viagem à “Cidade Perdida”

Os hóspedes do Four Seasons Bogotá e do Four Seasons Casa Medina, ambos na Colômbia, terão a oportunidade de fazer uma viagem imersiva [...]

Skate Chanel por 30 mil reais

Há algumas semanas, o mundo da moda se despediu de Karl Lagerfeld, a mente criativa da Chanel. Mas o toque de elegância dele ainda pode [...]

Kevin Costner procura inquilino

O ator Kevin Costner colocou para alugar sua casa de 242 mil metros quadrados localizada em Aspen, no estado americano de Colorado. A [...]

O Rolls Royce da princesa Diana tem novo dono

O Rolls Royce Silver Spur de 1987, que foi usado pela princesa Diana na sua visita oficial aos Estados Unidos em 1990, foi a leilão [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.