Edição nº 1141 04.10 Ver ediçõs anteriores

Venda de celular surpreende e cresce em receita no Brasil

Venda de celular surpreende e cresce em receita no Brasil

No mundo, o primeiro trimestre de 2019 foi de queda nas vendas (-5,9%) e nas receitas (-12,1%) de celulares em relação a 2018. No Brasil, o volume foi menor (-6%), mas a grana ficou acima (+8%). Os dados são do IDC Mobile Phone Tracker. Renato Meireles, analista de mercado de Mobile Phones & Devices da IDC Brasil, explica os motivos.

Era esperada uma queda de 11% nas vendas. Ela foi de 6% e ainda houve alta na receita. O que explica isso?
Meireles – Muitos fabricantes, trocando o portfólio, fizeram queimas maciças de estoque. E a demanda por aparelhos premium e mais robustos explica o aumento da receita.

Um certo paradoxo, já que o País mantém indicadores macroeconômicos frágeis…
Meireles – De certa forma sim. A faixa intermediária (de R$ 1.200 a R$ 1.699) teve aumento de 320% no primeiro trimestre sobre 2018, chegando a 18% de share, e a faixa acima (R$ 1.700 a R$ 2.499) cresceu 247%, com 7% de participação.

E globalmente?
Meireles – Há retração em volume (-5,9%), com 312 milhões de unidades, e receita (-12,1%), com US$ 105 bilhões.

O que fará o crescimento voltar? Inovações disruptivas (telas dobráveis) e novas tecnologias, como o 5G?
Meireles – O Brasil já tem uma base de 154 milhões de smartphones. Para o tamanho da população, significa que já atingimos um nível de maturidade. Há pessoas com seu terceiro, quarto, até mesmo quinto smartphone. Então, para mudar o patamar será preciso, sim, tecnologias disruptivas. Não basta mais uma mudança de câmera. Será preciso algo inovador. Aí entram Inteligência Artificial, 5G…

Como o País deverá fechar 2019?
Meireles – Projetamos que serão vendidos 43,3 milhões de smartphones, queda de 2,4% em relação a 2018, e que a receita chegará a R$ 59,6 bilhões, alta de 12% sobre o ano passado. No fim de 2018 estimávamos queda de 4,3% em unidades e alta de 7% na receita.

(Nota publicada na Edição 1126 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Os áudios vazados de Zuckerberg

Leaks, ó, leaks. Mas pode ser traduzido também por aqui-se-faz-aqui-se-paga. Não é nada que se compare à Vaza Jato, mas áudios de uma [...]

Primeiro ranking do EAD

(Nota publicada na Edição 1141 da Revista Dinheiro)

US$ 4,1 trilhões

Valor de mercado das cinco gigantes de tecnologia (na quarta-feira). Microsoft (US$ 1,0 trilhão), Apple (US$ 989 bi), Amazon (US$ 847 bi), Alphabet/Google (US$ 816 bi) e Facebook (US$ 498 bi) (Nota publicada na Edição 1141 da Revista Dinheiro)

Microsoft, de volta aos smartphones

Surface Duo, um celular de duas telas unidas por dobradiça (sim!), é a marca que carimba a volta da Microsoft ao mundo dos smartphones. [...]

Tik Tok. Sucesso e dúvidas

Aplicativo mais baixado no mundo em agosto (desde que foi lançado, em 2017, já foram 1 bilhão de downloads), o chinês TikTok preocupa [...]
Ver mais