Edição nº 1095 09.11 Ver ediçõs anteriores

Vem negócio novo por aí

Vem negócio novo por aí

O empresário Flavio Augusto da Silva, controlador da rede de escolas de idiomas WiseUp e do time de futebol Orlando City, vai ampliar seus tentáculos sobre a área de ensino. Até dezembro, ele deve anunciar a aquisição de mais uma grande rede de escolas de inglês ao seu portfólio. O negócio é grande – coisa de sete dígitos – e quem conhece o mercado aposta que as atenções de Flavio Augusto estão voltadas para a Wizard, que já pertenceu ao seu sócio Carlos Wizard Martins, e também para a CCAA. Procurado pela coluna, o empresário não se pronunciou sobre o assunto.

(Nota publicada na Edição 1094 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Ralphe Manzoni Jr.)


Mais posts

Portas abertas para o setor imobiliário

O executivo Leonardo Paz, CEO do Imovelweb, uma das maiores empresas de classificados de imóveis do País, tem acompanhado, quase em [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1095 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone)

Contabilidade a um clique

Se depender da Nucont, a papelada e as planilhas sobre a mesa dos contadores estão com os dias contados. A startup, que atua no [...]

Frase da semana

“Reformas e a independência do Banco Central fariam o Brasil crescer 3,5% no ano que vem” Paulo Guedes, futuro ministro da Economia [...]

Porto Digital na saúde

A Neurotech e a PickCells, duas empresas do Porto Digital, polo tecnológico de Pernambuco, se uniram para fortalecer seus negócios na área de medicina diagnóstica com uso de inteligência artificial (IA). Juntas, elas comercialização um sistema em que as imagens de raio X, ressonâncias magnéticas e tomografias serão analisadas eletronicamente, em vez de precisar que […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.