Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Velhos problemas na Uber

Velhos problemas na Uber

A Uber não consegue se livrar da imagem de empresa sexista. Segundo a agência de notícias Reuters, a companhia está na mira de uma investigação da Comissão de Oportunidade Igualitária de Emprego dos Estados Unidos. A dona do aplicativo de transporte está sendo acusada de usar processos diferentes para contratar homens e mulheres, além de pagar salários mais altos para os homens. Em nota, a Uber informou que “realizou muitas mudanças nos últimos 18 meses, incluindo a implementação de uma nova estrutura de pagamentos”. Em janeiro do ano passado, o fundador da companhia, Travis Kalanick, foi removido do cargo de CEO por não conseguir desvencilhar a companhia da alcunha de sexista. Em seu lugar, o iraniano Dara Khosrowshahi foi escolhido para dar uma nova cara para o negócio. Em recente entrevista exclusiva à DINHEIRO, Khosrowshahi disse que era “preciso trazer mais mulheres para a Uber” e que “lutaria para criar um ambiente diversificado” na empresa.

(Nota publicada na Edição 1079 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.