Edição nº 1075 22.06 Ver ediçõs anteriores

Varejo em alta

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai anunciar nos próximos dias a elevação da sua projeção de crescimento para o setor, em nível nacional, de 0,4% para 1,4% neste ano. A estimativa se refere ao varejo restrito, que não inclui automóveis e material de construção. O resultado ainda não recupera o tombo de 6,2% registrado em 2016, mas é um alento para os empresários. “A mola dessa recuperação é a queda dos juros e da inflação, juntamente com a base de comparação muito fraca”, diz Alencar Burti, presidente da ACSP. “A retomada é consistente.”

(Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo e Luís Artur Nogueira)


Mais posts

“A Kroton será uma nova empresa daqui a cinco anos”

O grupo educacional Kroton, com faturamento de R$ 5,6 bilhões e mais de 1 milhão de alunos atendidos nos ensinos básico e superior, [...]

Messi ainda domina o campo dos negócios

A Croácia, de fato, deu uma aula de futebol para a seleção Argentina e fez o craque Lionel Messi desaparecer em campo. Mas, quando o [...]

Na rota da expansão

A transportadora RTE Rodonaves, do grupo que leva o mesmo nome e fatura R$ 1,1 bilhão por ano, traçou uma ambiciosa rota de crescimento [...]

Cadeira vaga na presidência

Nos últimos meses, uma guerra nos bastidores se instalou na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) contra a atual gestão [...]

Braço de computação em nuvem da Amazon tem novo comando no Brasil

O executivo Cleber Morais, um dos mais experientes do setor de tecnologia, vai assumir mais uma grande empresa do segmento no Brasil. [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.