Valentia fora de hora

Valentia fora de hora

Como se já não estivessem bem estremecidas as relações do governo brasileiro com organismos multilaterais e a comunidade internacional, o presidente Bolsonaro resolveu mais uma vez afrontar e criticar abertamente, em fórum nessa semana, entidades como OMS, OMC e ONU. Ele insiste em mudanças nas instituições sob a alegação de uma maior “governança internacional”. No encontro, fez mais: Deixou no ar que o Brasil pode deixar de participar de algumas dessas organizações, como a OMS. “Desde o início critiquei a politização do vírus e o pretenso monopólio do conhecimento por parte da OMS”, reclamou em audiência com os líderes dos Brics. A resposta não tardou a chegar. Na ONU o Brasil poderá ficar sem voto e sem chances de uma vaga no conselho de Segurança. A perda do direito a voto em todas as instâncias dos organismos multilaterais já é uma realidade mais do que palpável. Há um consenso entre analistas internacionais de que o Brasil, antes de virar o ano, será expulso da maioria deles, senão de todos, por falta de pagamentos das taxas. O comportamento vem ocorrendo há tempo e os alertas foram sendo emitidos, mas o descaso reiterado já levou autoridades a apontarem a desfiliação como única alternativa eficaz. Ficando sem voto, o Brasil correrá mesmo o risco de virar uma Venezuela, como verdadeiro pária internacional. Só na ONU, a dívida é de R$ 113,5 milhões e, caso não pague até dezembro, a sanção com a retirada por um tempo não inferior a um ano deve se confirmar. Será uma vergonha em escala global. Jamais o País esteve fora da entidade, desde a sua criação. Para as três organizações, o Brasil deve um sonoro montante de US$ 386 milhões. No total, o pendura supera o valor de US$ 4 bilhões, incluindo Unesco, OIT e demais bancos globais – conta construída e desenhada pela gestão Bolsonaro. Em tempo: dos atuais 193 países-membros da ONU, somente um ficou proibido de votar até hoje, por praticamente todo o ano de 2020: justamente a Venezuela. Agora é a vez do Brasil. Engana-se, no entanto, quem pensa que o risco de expulsão tira o sono do governante brasileiro. Ao contrário. Ele tem dobrado a aposta na distensão e no conflito. No mesmo encontro dos Brics foi ainda capaz de partir para cima da China, maior parceiro comercial do País, lançando críticas veladas ao Partido Comunista Chinês, reclamando do avanço do “comunismo” na geopolítica internacional no período da pandemia. Disse Bolsonaro: “O Brasil lutará para que prevaleça um sistema pautado pela liberdade, pela transparência e a segurança”. Tomou uma invertida, também velada, do líder chinês, Xi Jinping, que defendeu ações ambientais em países que não cumprem prerrogativas mínimas nesse sentido (sem citar o Brasil diretamente), enaltecendo ainda o Acordo de Paris. Só tem um derrotado nessa queda de braço com um lado bem mais fraco e ele é o Brasil.

Carlos José Marques, diretor editorial

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O Brasil na era Biden

Dois cenários concretos estão montados a partir da confirmação de troca de comando na Casa Branca. Dentro do governo brasileiro, a [...]

A casa da mãe Joana

Ninguém se entende mais dentro do poder central e o clima de animosidade vai aumentando à medida que os sinais de crise financeira vão [...]

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá [...]

Hora do sufoco

É do conhecimento até do mundo mineral que as contas e perspectivas econômicas brasileiras não vão nada bem. Pois as novas projeções do [...]

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.