Economia

Vale a pena antecipar a restituição do Imposto de Renda com os bancos?

Trocar a taxa de juro do cartão de crédito ou cheque especial por antecipação de imposto pode ser bom negócio, diz especialista

Vale a pena antecipar a restituição do Imposto de Renda com os bancos?

No primeiro dia de entrega do Imposto de Renda à Receita Federal nesta quinta-feira, 2, muitos contribuintes tinham dúvidas se valia a pena antecipar a restituição proposta pelos bancos.

Para o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeira (Abefin), Reinaldo Rodrigues, a antecipação pode ser uma boa oportunidade se o contribuinte estiver endividado no rotativo do cartão de crédito, no cheque especial ou algum outro tipo de empréstimo bancário com taxas de juros elevadas.

“A conta que precisa ser feita é quanto você pagará de juros ao trocar uma dívida por outra. No caso da restituição oferecida pelos bancos há, em média, uma economia de até 60% na taxa quando comparada com o crédito rotativo do cartão de crédito ou do cheque especial, dependendo do caso”, afirma Reinaldo Rodrigues.

Rodrigues explica que, ao contratar a antencipação do Imposto de Renda, o contribuinte pagará em torno de 3,5% a 4,5% ao mês de juros pelo empréstimo, que será quitado até dezembro, data prevista para o último lote de restituição.



“A taxa cobrada no crédito rotativo ou especial, dependendo do banco, pode ser de três a quatro vez mais salgada do que isto”, diz Rodrigues. “Mas ainda assim é importante fazer uma boa pesquisa entre as instituições financeiras, uma vez que a concorrência é alta, fazendo com que as taxas cobradas variem muito.”

Para o presidente da Abefin é preciso outro cuidado, além da pesquisa pela melhor taxa de juros: a certeza de que a declaração entregue está inteiramente correta. Isto porque o contribuinte pode cair na malha fina e ter que arcar com o empréstimo do próprio bolso. “Por esta razão, o contribuinte também deve prestar muita atenção na hora de preencher, pois se não colocar todos os dados corretamente pode acabar perdendo dinheiro de dedução.”

Rodrigues diz ainda que o mais importante é se reeducar financeiramente. “De nada adianta conseguir a atencipação do IR e gastar, se endividando mais ainda.”

Leia mais sobre as mudanças no Imposto de Renda.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago