Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda

Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica

Renato Stockler (Na Lata)

Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica

Gabriel Baldocchi
Edição 02/03/2018 - nº 1059

Ao ser eleito para o cargo de deputado federal em 2002, após comandar o BankBoston, o engenheiro goiano Henrique Meirelles já deixava claro as intenções de trilhar uma carreira política. Na época, ele aceitou abdicar do mandato parlamentar para assumir o Banco Central a convite do então presidente Lula. O bom desempenho no cargo, que ocupou até 2010, o credenciou para voltar ao governo, em 2016, com a missão de tirar o País da sua mais longeva recessão. O avanço de 1% do PIB em 2017 (leia reportagem) mostra que parte do compromisso foi alcançado. Nesta entrevista à DINHEIRO, o ministro da Fazenda detalha os ajustes que ainda serão necessários para elevar o potencial de crescimento da economia brasileira, explica como pretende fazê-los e diz que ainda está avaliando sua candidatura à Presidência.

DINHEIRO – O PIB cresceu 1% em 2017, deixando a recessão para trás. Como garantir que a retomada seja sustentável?

HENRIQUE MEIRELLES – Em primeiro lugar, a retomada está se dando por questões de fundamento econômico. Portanto, é uma retomada com maior consistência e durabilidade. Foi uma política monetária competente e bem-sucedida, feita pelo Banco Central, conjugada com uma contenção das despesas públicas, gerando mais espaço na economia para consumo e investimento. De outro lado, o Banco Central tem conseguido controlar a inflação. Essa conjugação aumenta o poder de compra da população. Com a inflação caindo, a população tem a possibilidade de comprar mais com os seus salários. Somado ao aumento da confiança, isso tudo solidifica uma recuperação. É completamente diferente de uma situação que aconteceu alguns anos atrás, quando houve um aumento artificial do crédito dos bancos públicos e do consumo, forçado pela política de financiamento. Aos poucos, aquilo não se sustentou. Agora, temos inflação baixa e gasto público controlado. Tudo isso dá uma sustentabilidade maior e já assegura um crescimento em 2018.

DINHEIRO – Parece que estamos saindo da UTI, mas quando vamos sair de vez do hospital? Quanto tempo será preciso para recuperar as perdas que foram provocadas pela recessão?

MEIRELLES – Elas serão recuperadas com a manutenção dessa política econômica. Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica. Agora, se alguém perguntar o que é necessário para que o Brasil cresça a taxas maiores e que mantenha esse crescimento no longo prazo, teremos que controlar o crescimento das despesas no futuro. Principalmente, a despesa da Previdência Social. Para isso, é fundamental a reforma da Previdência. Isso sim garante o crescimento do Brasil por vários anos.

DINHEIRO – O secretário de Acompanhamento Fiscal, Mansueto Almeida, disse que o Brasil teria condições de alcançar um PIB potencial superior a 3%. O senhor concorda com ele?

MEIRELLES – Sim, é possível. Primeiro, a reforma da Previdência é importante. Segundo, é preciso fazer as reformas para aumentar a produtividade – e que nós já propusemos. Anunciamos, há duas semanas, uma lista de 15 projetos prioritários, como a da privatização da Eletrobras, o da simplificação tributária, o do cadastro positivo, que facilitará o crédito do consumidor. Existe uma série de coisas que já estão em andamento. E, na medida em que esses projetos avancem, eles permitem o aumento da produtividade. Conjuntamente com a reforma da Previdência, o País pode crescer 3%. Em 2018, vai crescer 3% de qualquer maneira. Mas, para fazer com que isso seja sustentável, serão necessárias as reformas. Há potencial de crescer até mais, se todas essas reformas forem aprovadas.

DINHEIRO – O senhor está falando da reforma da previdência e já disse amplamente que tem interesse e pretensões eleitorais. Se o senhor for candidato, como explicará a derrota do governo nesse tema da previdência?

MEIRELLES – A reforma da Previdência não foi votada. Por consequência, não houve nenhuma derrota. No momento em que ela for votada haverá uma vitória ou uma derrota. A Previdência não é só um problema de governo. Ela é um problema de nação. O Brasil não conseguirá pagar essas despesas da Previdência se não fizer uma reforma o mais rápido possível. A discussão no Brasil não é se será feita a reforma da Previdência, mas quando ela será feita. Ela estava agenda para ser votada. Mas houve uma situação de crise inaceitável de violência no Rio de Janeiro e foi necessária um intervenção federal. A Constituição manda que, com intervenção, não é possível fazer mudança constitucional. Então, temos de esperar o fim dessa intervenção para votar a Previdência. Minha expectativa é a de que será aprovada.

“O próximo passo é começar a ver a questão de segurança no resto do País” – Militares fazem ronda em comunidade no Rio de Janeiro (Crédito:Carl De Souza / AFP Photo)

DINHEIRO – A economia está melhorando, como mostrou o crescimento do PIB, mas a aprovação do governo segue muito baixa. Como se explica isso? É uma avaliação injusta?

MEIRELLES – Evidentemente que diversos fatores podem influenciar na avaliação do governo. Primeiramente, existe um número muito grande de desempregados. O emprego já começou a ser criado. Criamos, no ano passado, mais de 1 milhão de empregos. A expectativa desse ano é a de que 2,5 milhões de empregos sejam criados. Mas o fato é que há ainda muitos desempregados. São 12 milhões de pessoas. Quem está desempregado acha que a situação está péssima e com razão. A outra coisa é inflação. A inflação caiu, é verdade. Mas as pessoas têm a memória de inflação muito alta. Preços que subiram muito começam a subir menos. É uma questão de a população começar a perceber e sentir a queda da inflação. Outro fator muito importante são as ações de segurança pública. Primeiro foi a intervenção no Rio de Janeiro. Agora, o próximo passo é começar a ver a questão de segurança no resto do País. Tudo isso, aos poucos, vai começar a ficar claro e atingir a maior parte da população. Não atingiu ainda a maioria da população. Mas isso vem com o tempo.

DINHEIRO – Numa eventual candidatura, não seria uma desvantagem ser associado a esse governo, com baixa aprovação?

MEIRELLES – Hoje, seria. Mas as eleições são apenas em outubro. Até lá, acreditamos que grande parte da população já terá sentido os efeitos da melhora da economia e da inflação baixa.

DINHEIRO – Voltando à questão do PIB, os dados de 2017 mostram ainda um desafio no lado do investimento. Isso torna a retomada de alguma forma menos consistente? E, de outro lado, o que falta para que esse investimento decole?

MEIRELLES – O que dá base para o crescimento do investimento é a demanda. O crescimento das agendas e crescimento da expectativa de rendas futuras faz o empresário comprar máquinas e equipamentos, construir escritório e fazer estoque para vender mais. Isso é o que dá base aos investimentos. E isso é o que está acontecendo. Agora, se olharmos o investimento, vamos ver que, no último trimestre de 2017, ele cresceu 2% em relação ao trimestre anterior. Os trimestres anteriores foram fracos. Por quê? Porque a economia ainda estava começando a reagir. Mas é muito simples. Depois da maior recessão da história, as companhias tinham muita capacidade ociosa. Então, é um movimento normal. As companhias têm máquinas paradas e capacidade de produção ociosa. Num certo momento, esgota-se a capacidade ociosa e o investimento começa. Foi o que já aconteceu no último trimestre do ano passado

DINHEIRO – O Brasil acabou de passar por mais um rebaixamento das agências de classificação de risco. Mesmo assim, a bolsa de valores está batendo recordes. O que explica esse fenômeno?

MEIRELLES – A queda da nota de crédito reflete, em primeiro lugar, a expectativa pela reforma da Previdência. Em segundo lugar, uma expectativa em relação ao resultado eleitoral. É normal isso. Tem uma eleição importante à frente. Não se sabe quem vai ganhar a eleição e qual vai ser a política econômica que será adotada pelo próximo presidente. E isso é normal. Mas evidentemente que o mercado vai incorporar diversos fatos, como a inflação baixa, as despesas públicas sob controle, as reformas sendo feitas, como a reforma trabalhista. Não há dúvida de que o mercado reagiu e valorizou a melhora dos fundamentos econômicos.

“Não há duvida de que o mercado reagiu e valorizou a melhora dos fundamentos econômicos” – A Bolsa de Valores atingiu valorização recorde em 2018 (Crédito:Bruno Rocha/Fotoarena)

DINHEIRO – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que um candidato associado ao mercado terá dificuldades de vencer a eleição. O senhor tem um trajetória no setor financeiro. Como é que o senhor se desassociaria dessa imagem em uma candidatura?

MEIRELLES – O mercado tem um número de participantes pequeno. O que elege é o maior número de votos. Agora, não há dúvida, com o mercado valorizado, significa que a economia está crescendo. Significa também mais possibilidades de financiamento das empresas e dos consumidores. E isso se reflete na criação de empregos. Isso sim é importante, inclusive, eleitoralmente.

DINHEIRO – Qual seria a sua mensagem?

MEIRELLES – A população está preocupada com alguns fatores. Primeiro, o emprego. Segundo, se a inflação vai ficar baixa, o que impacta a renda de todos. E terceiro, muito importante, se haverá recursos. O crescimento econômico vai permitir aumentar a arrecadação. Com isso, permite investimento em saúde, em educação e em segurança. Isso que é fundamental.

DINHEIRO – O que falta para o senhor decidir a sua candidatura?

MEIRELLES – Primeiro quero concluir o meu trabalho. Não fico pensando em diversas coisas ao mesmo tempo. Penso no que estou fazendo. Quando chegar a data limite, que é o início de abril, tomo a decisão. Vou analisar as condições eleitorais, a questão partidária e a composição partidária, que no Brasil é muito importante por causa de tempo de televisão. E, no final, a disposição pessoal de me candidatar.

DINHEIRO – Hoje, o senhor está para ser mais candidato ou mais para não ser candidato?

MEIRELLES – Hoje, não estou pensando no assunto. Estou 100% focado no meu trabalho e em melhorar a economia brasileira. Isso que é importante para todos e para qualquer possível pretensão eleitoral.

DINHEIRO – Os governadores pediram mais recursos. É possível repassar mais recursos para a segurança, já que esse é o tema principal agora?

MEIRELLES – O ministro do Planejamento (Dyogo de Oliveira) está estudando isso como prioridade. Agora, é preciso chamar a atenção de todos para o que, de fato, vai resolver o problema. De novo, é aumentar a arrecadação dos Estados, porque o que gerou essa crise foi a queda de arrecadação.

Economia

Guedes confirma intenção de criar imposto federal nos moldes da extinta CPMF

estatal

Privatizações anunciadas por Guedes começarão com Correios, diz Bolsonaro

mantega e palocci

Ação da Lava Jato investiga suposta propina a ex-ministros do PT


Caixa lança crédito imobiliário com correção pela inflação e juro menor

Financiamento

Caixa lança crédito imobiliário com correção pela inflação e juro menor

Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem fogo

em sete lojas

Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem fogo

Segundo o Walmart, sete lojas tiveram problemas com placas solares da Tesla, que pegaram fogo de maneira espontânea

Quem quer viajar de graça? O governo paga!

Edital Embratur

Quem quer viajar de graça? O governo paga!

A Embratur lançou edital para um reality show de turismo onde um estrangeiro (brasileiro não vale) irá passar 30 dias viajando pelo País com tudo pago

Abrir igrejas é um ótimo negócio no Brasil

empreendimento religioso

Abrir igrejas é um ótimo negócio no Brasil

1.250 igrejas são abertas por ano no País, uma média de 3,4 igrejas por dia. Enquanto você lê, provavelmente alguém fundou um novo tempo na rua da sua casa

Bolsonaro vai torrar R$ 600 mil só para pintar avião presidencial

verba pública

Bolsonaro vai torrar R$ 600 mil só para pintar avião presidencial

Alibaba suspende abertura na bolsa de Hong Kong em meio à tensões políticas

ecommerce

Alibaba suspende abertura na bolsa de Hong Kong em meio à tensões políticas

Companhia já tem suas ações listadas na bolsa de Nova York e esperava estrear no mercado chinês em agosto, com expectativa de somar US$ 15 bilhões

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

polêmica

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

Rastreamento e apreensão de veículos com base nos sistemas de localização reascendeu debate sobre direito a privacidade. Marca afirma que prática é feita em casos específicos


Agenda doméstica e amparo do exterior abrem espaço para alta do Ibovespa

mercado financeiro

Agenda doméstica e amparo do exterior abrem espaço para alta do Ibovespa


Apple TV+: streaming da Apple será lançado em novembro, diz site

entretenimento

Apple TV+: streaming da Apple será lançado em novembro, diz site

Segundo a Bloomberg, o serviço terá mensalidade de US$ 9,99 nos EUA e estará disponível em 150 países. Lançamento acirra disputa no streaming

Qualcomm fecha acordo para produção de celulares LG

Inovação

Qualcomm fecha acordo para produção de celulares LG

As duas empresas estavam envolvidas em disputas e conversas desde abril, quando a Qualcomm buscava renovar seu acordo de fornecimento de chips com a LG


Trump cancela viagem à Dinamarca após recusa sobre a venda da Groenlândia

inusitado

Trump cancela viagem à Dinamarca após recusa sobre a venda da Groenlândia

Emigrantes do ‘Open Arms’ desembarcam em Lampedusa

ong humanitária

ong humanitária

Emigrantes do ‘Open Arms’ desembarcam em Lampedusa

Poluição da água pode reduzir crescimento econômico em um terço, diz Banco Mundial

sustentabilidade

sustentabilidade

Poluição da água pode reduzir crescimento econômico em um terço, diz Banco Mundial

China confirma detenção de funcionário do consulado britânico em Hong Kong

durante protestos

durante protestos

China confirma detenção de funcionário do consulado britânico em Hong Kong

A interminável milonga Argentina

Editorial por Carlos José Marques

Editorial por Carlos José Marques

A interminável milonga Argentina

Lamentavelmente, desde os aos 1950 a Argentina vem em solavancos, experimentando em média um ano de recessão para cada três de ajuste. Nos últimos tempos, a equação se inverteu

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

"Queremos 60% dos pagamentos feitos em meios eletrônicos até 2024"

O executivo, que comanda a operação da americana no Brasil, tem apostado em tecnologia de autenticação por comportamento


Por que o ouro voltou à moda

capa

Por que o ouro voltou à moda

Combinação entre aumento da tensão política e desaceleração da economia aumenta os riscos de inflação, elevando o interesse pelo metal dourado

Sem legítima defesa

demora no cade

Sem legítima defesa

Demora do presidente Bolsonaro em indicar novos membros para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões


A reinvenção da mão de obra

indústria nacional

A reinvenção da mão de obra

Nem tudo são más notícias na indústria brasileira. Mapa do trabalho indica que o setor contratará mais profissionais preparados para a indústria 4.0

CPMF, não!

reforma tributária

CPMF, não!

A recriação de um imposto sobre movimentações financeiras aparece nos esboços da reforma tributária que deverá ser apresentada pelo governo ao congresso. Renegada por empresários e por grande parte da sociedade, essa taxação cria distorções — e pode impedir a retomada do crescimento

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver

resumo dos fatos

resumo dos fatos

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver

A batalha do Brasil na China

internacional

A batalha do Brasil na China

Em meio à guerra comercial do país asiático com os EUA, Empresários brasileiros garantem investimentos de US$ 24,8 bilhões em rodadas de negociações com bancos e companhias chinesas

A nova casa da Joli

reforma de portfólio

A nova casa da Joli

Rede de materiais de construção reforma o porfólio para incluir itens de decoração e investe R$ 9 milhões para inaugurar sua maior unidade. Três novas operações estão previstas para 2020

Lição Walmart: não basta ser grande

gigante varejista

Lição Walmart: não basta ser grande

O fracasso da operação brasileira e o fim da marca no País mostram que nome não ganha jogo no disputado varejo nacional


As armas do futuro já estão entre nós

segurança

As armas do futuro já estão entre nós

E elas movimentam fortunas, como prova a chinesa Hikvision, Líder em produtos inovadores para segurança. Com 34 mil colaboradores e fábricas na Índia e no Brasil, ela fatura US$ 7,5 bilhões ao ano

Vou pintar na sua firma

epson

Vou pintar na sua firma

Fabricante de impressoras quer repetir no mercado corporativo a “blitzkrieg” que promoveu no mercado doméstico

Adeus, preço médio

RLP

Adeus, preço médio

Novo produto da B3, o RLP promete revolucionar a forma como o investidor pessoa física opera no mercado

Árvores de dinheiro

investimento social

Árvores de dinheiro

Enquanto o desmatamento cresce, engajamento do mercado com investimentos socialmente responsáveis vem aumentando




Espaço aéreo VIP

Espaço aéreo VIP

Jatos de até US$ 71,5 milhões exibidos na Labace, maior evento da aviação de negócios da América Latina, mostram que nem o céu é o limite para os brasileiros


Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar

por Ulisses Zamboni

por Ulisses Zamboni

Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar





Publieditorial XP Investimentos

Descubra a maior cidade da América Latina

São Paulo

Descubra a maior cidade da América Latina

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Mobilidade

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Turismo

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Robbynson apresenta:

Robbynson apresenta:

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Tenho um bom número de pessoas para gerir, muitos deles são Millennials, conectados, ágeis, com universo e linguagens próprios. E agora?

Fazer o bem está no nosso sangue

Lojas Americanas apresenta:

Lojas Americanas apresenta:

Fazer o bem está no nosso sangue

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados