Edição nº 1149 02.12 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda

Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica

Renato Stockler (Na Lata)

Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica

Gabriel Baldocchi
Edição 02/03/2018 - nº 1059

Ao ser eleito para o cargo de deputado federal em 2002, após comandar o BankBoston, o engenheiro goiano Henrique Meirelles já deixava claro as intenções de trilhar uma carreira política. Na época, ele aceitou abdicar do mandato parlamentar para assumir o Banco Central a convite do então presidente Lula. O bom desempenho no cargo, que ocupou até 2010, o credenciou para voltar ao governo, em 2016, com a missão de tirar o País da sua mais longeva recessão. O avanço de 1% do PIB em 2017 (leia reportagem) mostra que parte do compromisso foi alcançado. Nesta entrevista à DINHEIRO, o ministro da Fazenda detalha os ajustes que ainda serão necessários para elevar o potencial de crescimento da economia brasileira, explica como pretende fazê-los e diz que ainda está avaliando sua candidatura à Presidência.

DINHEIRO – O PIB cresceu 1% em 2017, deixando a recessão para trás. Como garantir que a retomada seja sustentável?

HENRIQUE MEIRELLES – Em primeiro lugar, a retomada está se dando por questões de fundamento econômico. Portanto, é uma retomada com maior consistência e durabilidade. Foi uma política monetária competente e bem-sucedida, feita pelo Banco Central, conjugada com uma contenção das despesas públicas, gerando mais espaço na economia para consumo e investimento. De outro lado, o Banco Central tem conseguido controlar a inflação. Essa conjugação aumenta o poder de compra da população. Com a inflação caindo, a população tem a possibilidade de comprar mais com os seus salários. Somado ao aumento da confiança, isso tudo solidifica uma recuperação. É completamente diferente de uma situação que aconteceu alguns anos atrás, quando houve um aumento artificial do crédito dos bancos públicos e do consumo, forçado pela política de financiamento. Aos poucos, aquilo não se sustentou. Agora, temos inflação baixa e gasto público controlado. Tudo isso dá uma sustentabilidade maior e já assegura um crescimento em 2018.

DINHEIRO – Parece que estamos saindo da UTI, mas quando vamos sair de vez do hospital? Quanto tempo será preciso para recuperar as perdas que foram provocadas pela recessão?

MEIRELLES – Elas serão recuperadas com a manutenção dessa política econômica. Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica. Agora, se alguém perguntar o que é necessário para que o Brasil cresça a taxas maiores e que mantenha esse crescimento no longo prazo, teremos que controlar o crescimento das despesas no futuro. Principalmente, a despesa da Previdência Social. Para isso, é fundamental a reforma da Previdência. Isso sim garante o crescimento do Brasil por vários anos.

DINHEIRO – O secretário de Acompanhamento Fiscal, Mansueto Almeida, disse que o Brasil teria condições de alcançar um PIB potencial superior a 3%. O senhor concorda com ele?

MEIRELLES – Sim, é possível. Primeiro, a reforma da Previdência é importante. Segundo, é preciso fazer as reformas para aumentar a produtividade – e que nós já propusemos. Anunciamos, há duas semanas, uma lista de 15 projetos prioritários, como a da privatização da Eletrobras, o da simplificação tributária, o do cadastro positivo, que facilitará o crédito do consumidor. Existe uma série de coisas que já estão em andamento. E, na medida em que esses projetos avancem, eles permitem o aumento da produtividade. Conjuntamente com a reforma da Previdência, o País pode crescer 3%. Em 2018, vai crescer 3% de qualquer maneira. Mas, para fazer com que isso seja sustentável, serão necessárias as reformas. Há potencial de crescer até mais, se todas essas reformas forem aprovadas.

DINHEIRO – O senhor está falando da reforma da previdência e já disse amplamente que tem interesse e pretensões eleitorais. Se o senhor for candidato, como explicará a derrota do governo nesse tema da previdência?

MEIRELLES – A reforma da Previdência não foi votada. Por consequência, não houve nenhuma derrota. No momento em que ela for votada haverá uma vitória ou uma derrota. A Previdência não é só um problema de governo. Ela é um problema de nação. O Brasil não conseguirá pagar essas despesas da Previdência se não fizer uma reforma o mais rápido possível. A discussão no Brasil não é se será feita a reforma da Previdência, mas quando ela será feita. Ela estava agenda para ser votada. Mas houve uma situação de crise inaceitável de violência no Rio de Janeiro e foi necessária um intervenção federal. A Constituição manda que, com intervenção, não é possível fazer mudança constitucional. Então, temos de esperar o fim dessa intervenção para votar a Previdência. Minha expectativa é a de que será aprovada.

“O próximo passo é começar a ver a questão de segurança no resto do País” – Militares fazem ronda em comunidade no Rio de Janeiro (Crédito:Carl De Souza / AFP Photo)

DINHEIRO – A economia está melhorando, como mostrou o crescimento do PIB, mas a aprovação do governo segue muito baixa. Como se explica isso? É uma avaliação injusta?

MEIRELLES – Evidentemente que diversos fatores podem influenciar na avaliação do governo. Primeiramente, existe um número muito grande de desempregados. O emprego já começou a ser criado. Criamos, no ano passado, mais de 1 milhão de empregos. A expectativa desse ano é a de que 2,5 milhões de empregos sejam criados. Mas o fato é que há ainda muitos desempregados. São 12 milhões de pessoas. Quem está desempregado acha que a situação está péssima e com razão. A outra coisa é inflação. A inflação caiu, é verdade. Mas as pessoas têm a memória de inflação muito alta. Preços que subiram muito começam a subir menos. É uma questão de a população começar a perceber e sentir a queda da inflação. Outro fator muito importante são as ações de segurança pública. Primeiro foi a intervenção no Rio de Janeiro. Agora, o próximo passo é começar a ver a questão de segurança no resto do País. Tudo isso, aos poucos, vai começar a ficar claro e atingir a maior parte da população. Não atingiu ainda a maioria da população. Mas isso vem com o tempo.

DINHEIRO – Numa eventual candidatura, não seria uma desvantagem ser associado a esse governo, com baixa aprovação?

MEIRELLES – Hoje, seria. Mas as eleições são apenas em outubro. Até lá, acreditamos que grande parte da população já terá sentido os efeitos da melhora da economia e da inflação baixa.

DINHEIRO – Voltando à questão do PIB, os dados de 2017 mostram ainda um desafio no lado do investimento. Isso torna a retomada de alguma forma menos consistente? E, de outro lado, o que falta para que esse investimento decole?

MEIRELLES – O que dá base para o crescimento do investimento é a demanda. O crescimento das agendas e crescimento da expectativa de rendas futuras faz o empresário comprar máquinas e equipamentos, construir escritório e fazer estoque para vender mais. Isso é o que dá base aos investimentos. E isso é o que está acontecendo. Agora, se olharmos o investimento, vamos ver que, no último trimestre de 2017, ele cresceu 2% em relação ao trimestre anterior. Os trimestres anteriores foram fracos. Por quê? Porque a economia ainda estava começando a reagir. Mas é muito simples. Depois da maior recessão da história, as companhias tinham muita capacidade ociosa. Então, é um movimento normal. As companhias têm máquinas paradas e capacidade de produção ociosa. Num certo momento, esgota-se a capacidade ociosa e o investimento começa. Foi o que já aconteceu no último trimestre do ano passado

DINHEIRO – O Brasil acabou de passar por mais um rebaixamento das agências de classificação de risco. Mesmo assim, a bolsa de valores está batendo recordes. O que explica esse fenômeno?

MEIRELLES – A queda da nota de crédito reflete, em primeiro lugar, a expectativa pela reforma da Previdência. Em segundo lugar, uma expectativa em relação ao resultado eleitoral. É normal isso. Tem uma eleição importante à frente. Não se sabe quem vai ganhar a eleição e qual vai ser a política econômica que será adotada pelo próximo presidente. E isso é normal. Mas evidentemente que o mercado vai incorporar diversos fatos, como a inflação baixa, as despesas públicas sob controle, as reformas sendo feitas, como a reforma trabalhista. Não há dúvida de que o mercado reagiu e valorizou a melhora dos fundamentos econômicos.

“Não há duvida de que o mercado reagiu e valorizou a melhora dos fundamentos econômicos” – A Bolsa de Valores atingiu valorização recorde em 2018 (Crédito:Bruno Rocha/Fotoarena)

DINHEIRO – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que um candidato associado ao mercado terá dificuldades de vencer a eleição. O senhor tem um trajetória no setor financeiro. Como é que o senhor se desassociaria dessa imagem em uma candidatura?

MEIRELLES – O mercado tem um número de participantes pequeno. O que elege é o maior número de votos. Agora, não há dúvida, com o mercado valorizado, significa que a economia está crescendo. Significa também mais possibilidades de financiamento das empresas e dos consumidores. E isso se reflete na criação de empregos. Isso sim é importante, inclusive, eleitoralmente.

DINHEIRO – Qual seria a sua mensagem?

MEIRELLES – A população está preocupada com alguns fatores. Primeiro, o emprego. Segundo, se a inflação vai ficar baixa, o que impacta a renda de todos. E terceiro, muito importante, se haverá recursos. O crescimento econômico vai permitir aumentar a arrecadação. Com isso, permite investimento em saúde, em educação e em segurança. Isso que é fundamental.

DINHEIRO – O que falta para o senhor decidir a sua candidatura?

MEIRELLES – Primeiro quero concluir o meu trabalho. Não fico pensando em diversas coisas ao mesmo tempo. Penso no que estou fazendo. Quando chegar a data limite, que é o início de abril, tomo a decisão. Vou analisar as condições eleitorais, a questão partidária e a composição partidária, que no Brasil é muito importante por causa de tempo de televisão. E, no final, a disposição pessoal de me candidatar.

DINHEIRO – Hoje, o senhor está para ser mais candidato ou mais para não ser candidato?

MEIRELLES – Hoje, não estou pensando no assunto. Estou 100% focado no meu trabalho e em melhorar a economia brasileira. Isso que é importante para todos e para qualquer possível pretensão eleitoral.

DINHEIRO – Os governadores pediram mais recursos. É possível repassar mais recursos para a segurança, já que esse é o tema principal agora?

MEIRELLES – O ministro do Planejamento (Dyogo de Oliveira) está estudando isso como prioridade. Agora, é preciso chamar a atenção de todos para o que, de fato, vai resolver o problema. De novo, é aumentar a arrecadação dos Estados, porque o que gerou essa crise foi a queda de arrecadação.

tecnologia

Avaliado em US$ 1,3 bilhão, estúdio de games Wildlife é 10º ‘unicórnio’ do País

Administração pública

Funcionalismo custa R$ 750,9 bilhões com 11,4 milhões de servidores

inflação

Carnes, energia elétrica e jogos de loteria impulsionam IPCA em novembro


Finanças

mercado

Juros oscilam em baixa após IPCA mas reduzem ritmo após dado de emprego nos EUA

oriente

Bolsas asiáticas fecham em alta, à espera do “payroll” e com EUA-China no radar

Bolsa

Dado forte de emprego nos EUA impulsiona Ibovespa, que renova máximas históricas


Energia


Bancos concedem US$ 745 bilhões para construção de novas centrais térmicas

sustentabilidade

Bancos concedem US$ 745 bilhões para construção de novas centrais térmicas


Internacional


Autoridades norte-coreanas preocupadas com recaída retórica de Trump

guerra verbal

guerra verbal

Autoridades norte-coreanas preocupadas com recaída retórica de Trump

Mais de 50 ursos polares são vistos perto de vilarejo na Rússia

sustentabilidade

sustentabilidade

Mais de 50 ursos polares são vistos perto de vilarejo na Rússia


Especial 2019



Expectativas 2020

Supremacia quântica, 5G ou vida privada, desafios tecnológicos para 2020

Tecnologia

Supremacia quântica, 5G ou vida privada, desafios tecnológicos para 2020

Isto É Dinheiro destaca os líderes mais inovadores da economia

Empreendedores do Ano 2019

Empreendedores do Ano 2019

Isto É Dinheiro destaca os líderes mais inovadores da economia

Eleitos de dez categorias comentam as medidas que tomaram para levar suas organizações a novo patamar. Clique aqui para conhecer os vencedores ou leia abaixo os 10 cases premiados


Editorial

O mau sinal do câmbio

por carlos josé marques

por carlos josé marques

O mau sinal do câmbio

O dólar nas alturas sinaliza o descrédito do Brasil junto aos investidores externos. O receio no meio dessa turma é crescente. Algumas das decisões e principalmente as posições políticas do atual Governo têm espantado o capital internacional. As inversões em moeda estrangeira estão caindo rapidamente e o fluxo se invertendo, com maior saída do que entrada.


Empreendedores do Ano 2019

O médico que soube reinventar a roda

automóveis

automóveis

O médico que soube reinventar a roda

Há 40 anos, doutor Carlos dava os primeiros passos para trocar a medicina pela revenda de carros. Nos últimos doze meses, a Caoa Chery, um dos muitos negócios de seu conglomerado, cresceu 152% em vendas

Benchimol corre sua maratona de campeão

Investimentos

Investimentos

Benchimol corre sua maratona de campeão

Desde garoto, o atual CEO e fundador da XP Investimentos transforma seus desafios em realidade. Entre suas missões para o futuro próximo está levar educação financeira para 50 milhões de brasileiros

O presidente entre a tradição e a disrupção

inovação e tecnologia

inovação e tecnologia

O presidente entre a tradição e a disrupção

Há menos de dois anos no comando do Bradesco, Lazari abraça a inovação e os avanços da tecnologia e fortalece a imagem do banco, um dos mais tradicionais do País

A vez do paciente no centro das decisões

Saúde

Saúde

A vez do paciente no centro das decisões

O presidente da rede de laboratórios Dasa e da holding de hospitais Ímpar comanda a reorganização das empresas com o propósito de gerar saúde – e não apenas tratar doenças quando é tarde demais do ponto de vista da qualidade de vida

A missão de levar esperança a refugiados

responsabilidade social

responsabilidade social

A missão de levar esperança a refugiados

Dono de uma fortuna estimada em R$ 2,4 bilhões, o presidente do grupo Sforza lidera um programa humanitário que já empregou mais de 6 mil refugiados venezuelanos em terras brasileiras

O mundo visto de cima

indústria

indústria

O mundo visto de cima

Com 50 anos recém-completados, a gigante brasileira Embraer ainda tem muito a conquistar e, com Francisco Gomes Neto na cadeira do piloto, mantém vivo o lema de que “a paixão por inovar” é o que sustenta essa rota tão promissora

O visionário que edifica o Brasil do futuro

construção

construção

O visionário que edifica o Brasil do futuro

Um em cada 200 brasileiros mora em um imóvel construído pela MRV Engenharia, que entrega a chave de um novo apartamento a cada 2 minutos e meio. Seu fundador é um pioneiro em levar habitação à base da pirâmide social

Ele sabe que decifrar os novos hábitos será decisivo

alimentos

alimentos

Ele sabe que decifrar os novos hábitos será decisivo

Empresa vive seu melhor momento, após a crise moral de 2017, e mira no comportamento do consumidor e na inovação para ser referência mundial na indústria de alimentos

O trator que acelera o governo federal

economia

economia

O trator que acelera o governo federal

Pragmático, com bom trânsito político e flexível, Tarcísio Gomes de Freitas, o ministro da Infraestrutura, lidera um ambicioso programa de concessões de aeroportos e de rodovias para garantir melhorias logísticas no Brasil


Economia

Tiro no pé

além da conta

além da conta

Tiro no pé

Ele deveria ser um contraponto moderado ao presidente Bolsonaro, mas suas falas sobre o AI-5 e o câmbio pegaram tão mal que “a mão invisível do mercado” acenou negativamente ao ministro da Economia


Tecnologia

A bomba do inventor da internet

O "contrato"

O "contrato"

A bomba do inventor da internet

Tim Berners-Lee, cientista que criou a web, conclamou indivíduos, empresas e governos a promover ações concretas contra a manipulação política, a invasão de privacidade, fake news e outras forças que ameaçam a segurança da vida on-line.



Estilo

Réveillon, neve e Dom Pérignon

Aspen

Aspen

Réveillon, neve e Dom Pérignon

Destino de celebridades, investidores, CEOs e políticos de todo o mundo, o hotel The Little Nell celebrará a chegada de 2020 com uma festa regada a champanhe Dom Pérignon, com DJs internacionais tocando diferentes gêneros e apresentações musicais ao vivo em três ambientes. A brincadeira começa com ingressos a US$ 500 por pessoa.


Finanças

Rumo ao grau de investimento

Risco Brasil

Risco Brasil

Rumo ao grau de investimento

Apesar do noticiário político mais intenso na América Latina nas últimas semanas, especialistas acreditam que agências internacionais de classificação de risco de crédito devem melhorar a nota do Brasil no próximo ano se tiver ajuste fiscal


Semana


Colunas



Artigo

Humanização nas empresas: um novo desafio

Dante Gallian

Dante Gallian

Humanização nas empresas: um novo desafio

É curioso verificar como o termo “humanização” ganha espaço no mundo corporativo. No Brasil, ele se tornou popular há pouco mais de duas décadas, quando foi adotado no âmbito da saúde e incorporado como referencial e meta das políticas públicas do setor


Direto de Wall Street

Boeing: o bom, o ruim e o feio

Por Norberto Zaiet

Por Norberto Zaiet

Boeing: o bom, o ruim e o feio

Até o ano passado, a empresa era a maior produtora de aviões comerciais do mundo e a maior provedora global de soluções em Defesa, Espaço e Segurança, além de possuir a maior unidade prestadora de serviços globais no setor aeroespacial