Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Henrique Meirelles, ministro da Fazenda

Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica

Renato Stockler (Na Lata)

Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica

Gabriel Baldocchi
Edição 02/03/2018 - nº 1059

Ao ser eleito para o cargo de deputado federal em 2002, após comandar o BankBoston, o engenheiro goiano Henrique Meirelles já deixava claro as intenções de trilhar uma carreira política. Na época, ele aceitou abdicar do mandato parlamentar para assumir o Banco Central a convite do então presidente Lula. O bom desempenho no cargo, que ocupou até 2010, o credenciou para voltar ao governo, em 2016, com a missão de tirar o País da sua mais longeva recessão. O avanço de 1% do PIB em 2017 (leia reportagem) mostra que parte do compromisso foi alcançado. Nesta entrevista à DINHEIRO, o ministro da Fazenda detalha os ajustes que ainda serão necessários para elevar o potencial de crescimento da economia brasileira, explica como pretende fazê-los e diz que ainda está avaliando sua candidatura à Presidência.

DINHEIRO – O PIB cresceu 1% em 2017, deixando a recessão para trás. Como garantir que a retomada seja sustentável?

HENRIQUE MEIRELLES – Em primeiro lugar, a retomada está se dando por questões de fundamento econômico. Portanto, é uma retomada com maior consistência e durabilidade. Foi uma política monetária competente e bem-sucedida, feita pelo Banco Central, conjugada com uma contenção das despesas públicas, gerando mais espaço na economia para consumo e investimento. De outro lado, o Banco Central tem conseguido controlar a inflação. Essa conjugação aumenta o poder de compra da população. Com a inflação caindo, a população tem a possibilidade de comprar mais com os seus salários. Somado ao aumento da confiança, isso tudo solidifica uma recuperação. É completamente diferente de uma situação que aconteceu alguns anos atrás, quando houve um aumento artificial do crédito dos bancos públicos e do consumo, forçado pela política de financiamento. Aos poucos, aquilo não se sustentou. Agora, temos inflação baixa e gasto público controlado. Tudo isso dá uma sustentabilidade maior e já assegura um crescimento em 2018.

DINHEIRO – Parece que estamos saindo da UTI, mas quando vamos sair de vez do hospital? Quanto tempo será preciso para recuperar as perdas que foram provocadas pela recessão?

MEIRELLES – Elas serão recuperadas com a manutenção dessa política econômica. Vai demorar três anos para o Brasil recuperar as perdas causadas pela crise econômica. Agora, se alguém perguntar o que é necessário para que o Brasil cresça a taxas maiores e que mantenha esse crescimento no longo prazo, teremos que controlar o crescimento das despesas no futuro. Principalmente, a despesa da Previdência Social. Para isso, é fundamental a reforma da Previdência. Isso sim garante o crescimento do Brasil por vários anos.

DINHEIRO – O secretário de Acompanhamento Fiscal, Mansueto Almeida, disse que o Brasil teria condições de alcançar um PIB potencial superior a 3%. O senhor concorda com ele?

MEIRELLES – Sim, é possível. Primeiro, a reforma da Previdência é importante. Segundo, é preciso fazer as reformas para aumentar a produtividade – e que nós já propusemos. Anunciamos, há duas semanas, uma lista de 15 projetos prioritários, como a da privatização da Eletrobras, o da simplificação tributária, o do cadastro positivo, que facilitará o crédito do consumidor. Existe uma série de coisas que já estão em andamento. E, na medida em que esses projetos avancem, eles permitem o aumento da produtividade. Conjuntamente com a reforma da Previdência, o País pode crescer 3%. Em 2018, vai crescer 3% de qualquer maneira. Mas, para fazer com que isso seja sustentável, serão necessárias as reformas. Há potencial de crescer até mais, se todas essas reformas forem aprovadas.

DINHEIRO – O senhor está falando da reforma da previdência e já disse amplamente que tem interesse e pretensões eleitorais. Se o senhor for candidato, como explicará a derrota do governo nesse tema da previdência?

MEIRELLES – A reforma da Previdência não foi votada. Por consequência, não houve nenhuma derrota. No momento em que ela for votada haverá uma vitória ou uma derrota. A Previdência não é só um problema de governo. Ela é um problema de nação. O Brasil não conseguirá pagar essas despesas da Previdência se não fizer uma reforma o mais rápido possível. A discussão no Brasil não é se será feita a reforma da Previdência, mas quando ela será feita. Ela estava agenda para ser votada. Mas houve uma situação de crise inaceitável de violência no Rio de Janeiro e foi necessária um intervenção federal. A Constituição manda que, com intervenção, não é possível fazer mudança constitucional. Então, temos de esperar o fim dessa intervenção para votar a Previdência. Minha expectativa é a de que será aprovada.

“O próximo passo é começar a ver a questão de segurança no resto do País” – Militares fazem ronda em comunidade no Rio de Janeiro (Crédito:Carl De Souza / AFP Photo)

DINHEIRO – A economia está melhorando, como mostrou o crescimento do PIB, mas a aprovação do governo segue muito baixa. Como se explica isso? É uma avaliação injusta?

MEIRELLES – Evidentemente que diversos fatores podem influenciar na avaliação do governo. Primeiramente, existe um número muito grande de desempregados. O emprego já começou a ser criado. Criamos, no ano passado, mais de 1 milhão de empregos. A expectativa desse ano é a de que 2,5 milhões de empregos sejam criados. Mas o fato é que há ainda muitos desempregados. São 12 milhões de pessoas. Quem está desempregado acha que a situação está péssima e com razão. A outra coisa é inflação. A inflação caiu, é verdade. Mas as pessoas têm a memória de inflação muito alta. Preços que subiram muito começam a subir menos. É uma questão de a população começar a perceber e sentir a queda da inflação. Outro fator muito importante são as ações de segurança pública. Primeiro foi a intervenção no Rio de Janeiro. Agora, o próximo passo é começar a ver a questão de segurança no resto do País. Tudo isso, aos poucos, vai começar a ficar claro e atingir a maior parte da população. Não atingiu ainda a maioria da população. Mas isso vem com o tempo.

DINHEIRO – Numa eventual candidatura, não seria uma desvantagem ser associado a esse governo, com baixa aprovação?

MEIRELLES – Hoje, seria. Mas as eleições são apenas em outubro. Até lá, acreditamos que grande parte da população já terá sentido os efeitos da melhora da economia e da inflação baixa.

DINHEIRO – Voltando à questão do PIB, os dados de 2017 mostram ainda um desafio no lado do investimento. Isso torna a retomada de alguma forma menos consistente? E, de outro lado, o que falta para que esse investimento decole?

MEIRELLES – O que dá base para o crescimento do investimento é a demanda. O crescimento das agendas e crescimento da expectativa de rendas futuras faz o empresário comprar máquinas e equipamentos, construir escritório e fazer estoque para vender mais. Isso é o que dá base aos investimentos. E isso é o que está acontecendo. Agora, se olharmos o investimento, vamos ver que, no último trimestre de 2017, ele cresceu 2% em relação ao trimestre anterior. Os trimestres anteriores foram fracos. Por quê? Porque a economia ainda estava começando a reagir. Mas é muito simples. Depois da maior recessão da história, as companhias tinham muita capacidade ociosa. Então, é um movimento normal. As companhias têm máquinas paradas e capacidade de produção ociosa. Num certo momento, esgota-se a capacidade ociosa e o investimento começa. Foi o que já aconteceu no último trimestre do ano passado

DINHEIRO – O Brasil acabou de passar por mais um rebaixamento das agências de classificação de risco. Mesmo assim, a bolsa de valores está batendo recordes. O que explica esse fenômeno?

MEIRELLES – A queda da nota de crédito reflete, em primeiro lugar, a expectativa pela reforma da Previdência. Em segundo lugar, uma expectativa em relação ao resultado eleitoral. É normal isso. Tem uma eleição importante à frente. Não se sabe quem vai ganhar a eleição e qual vai ser a política econômica que será adotada pelo próximo presidente. E isso é normal. Mas evidentemente que o mercado vai incorporar diversos fatos, como a inflação baixa, as despesas públicas sob controle, as reformas sendo feitas, como a reforma trabalhista. Não há dúvida de que o mercado reagiu e valorizou a melhora dos fundamentos econômicos.

“Não há duvida de que o mercado reagiu e valorizou a melhora dos fundamentos econômicos” – A Bolsa de Valores atingiu valorização recorde em 2018 (Crédito:Bruno Rocha/Fotoarena)

DINHEIRO – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que um candidato associado ao mercado terá dificuldades de vencer a eleição. O senhor tem um trajetória no setor financeiro. Como é que o senhor se desassociaria dessa imagem em uma candidatura?

MEIRELLES – O mercado tem um número de participantes pequeno. O que elege é o maior número de votos. Agora, não há dúvida, com o mercado valorizado, significa que a economia está crescendo. Significa também mais possibilidades de financiamento das empresas e dos consumidores. E isso se reflete na criação de empregos. Isso sim é importante, inclusive, eleitoralmente.

DINHEIRO – Qual seria a sua mensagem?

MEIRELLES – A população está preocupada com alguns fatores. Primeiro, o emprego. Segundo, se a inflação vai ficar baixa, o que impacta a renda de todos. E terceiro, muito importante, se haverá recursos. O crescimento econômico vai permitir aumentar a arrecadação. Com isso, permite investimento em saúde, em educação e em segurança. Isso que é fundamental.

DINHEIRO – O que falta para o senhor decidir a sua candidatura?

MEIRELLES – Primeiro quero concluir o meu trabalho. Não fico pensando em diversas coisas ao mesmo tempo. Penso no que estou fazendo. Quando chegar a data limite, que é o início de abril, tomo a decisão. Vou analisar as condições eleitorais, a questão partidária e a composição partidária, que no Brasil é muito importante por causa de tempo de televisão. E, no final, a disposição pessoal de me candidatar.

DINHEIRO – Hoje, o senhor está para ser mais candidato ou mais para não ser candidato?

MEIRELLES – Hoje, não estou pensando no assunto. Estou 100% focado no meu trabalho e em melhorar a economia brasileira. Isso que é importante para todos e para qualquer possível pretensão eleitoral.

DINHEIRO – Os governadores pediram mais recursos. É possível repassar mais recursos para a segurança, já que esse é o tema principal agora?

MEIRELLES – O ministro do Planejamento (Dyogo de Oliveira) está estudando isso como prioridade. Agora, é preciso chamar a atenção de todos para o que, de fato, vai resolver o problema. De novo, é aumentar a arrecadação dos Estados, porque o que gerou essa crise foi a queda de arrecadação.



Juiz suspende ação contra Deltan com críticas ao MP e à magistratura

Procurador

Juiz suspende ação contra Deltan com críticas ao MP e à magistratura


Economia


Norte e Nordeste ficam fora do ranking dos 10 estados brasileiros mais competitivos

Solidez fiscal

Norte e Nordeste ficam fora do ranking dos 10 estados brasileiros mais competitivos

Indicador que mede solidez fiscal, qualidade dos serviços públicos, sustentabilidade e infraestrutura coloca São Paulo, novamente, no topo


Internacional

 Bolívia escolhe presidente domingo, na votação mais acirrada da história do país

América do Sul

Bolívia escolhe presidente domingo, na votação mais acirrada da história do país

Milhares de pessoas protestam no Líbano pelo terceiro dia consecutivo

Oriente Médio

Milhares de pessoas protestam no Líbano pelo terceiro dia consecutivo


Memória

Lázaro Brandão acreditou na evolução do agro nacional, diz Sociedade Rural Brasileira

Bradesco perde seu ícone

Bradesco perde seu ícone

Lázaro Brandão acreditou na evolução do agro nacional, diz Sociedade Rural Brasileira


Editorial

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do pré-sal, que deve ocorrer no mês que vem, com previsão de arrecadação na casa de R$ 112 bilhões. Será, em se confirmando, um resultado tão extraordinário que pode significar a redenção orçamentária do Estado

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

"Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada"

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Tecnologia

Sono hype

O foco agora é na cama

O foco agora é na cama

Sono hype

A indústria do bem-estar chega à era pós-fitness e alimentação saudável: a hora de dormir


Acerto de contas

JBS

Acerto de contas

Com desembolso de R$ 5 bilhões, JBS conclui o pagamento da totalidade das dívidas com bancos públicos reguladas pelo Acordo de Normalização, de 2018

O plano elétrico da Renault

Mobilidade

O plano elétrico da Renault

A marca francesa acelera suas vendas fortalecendo parcerias com governos e entidades dedicadas a popularizar os motores carbono zero


Dinheiro da semana

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

Crise no partido

Crise no partido

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

O estopim teria sido a declaração dada, na manhã da própria quarta, pelo presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar, segundo quem a relação de Bolsonaro com o partido estava em estado terminal. “Ele já está afastado”, acrescentou Bivar


Ambiente competitivo estimula Santander

Expansão

Ambiente competitivo estimula Santander

Além do avanço por canais digitais, banco pretende ampliar rede de agências que atendem a cadeia do agronegócio, desde fornecedores, produtores até a agroindústria

Juro baixo destrava ofertas de ações

Onda de IPOS's

Juro baixo destrava ofertas de ações

Volume financeiro em operações iniciais e de aumento de capital por companhias abertas já ultrapassa R$ 60 bilhões neste ano. A perspectiva é encerrar o quarto trimestre com movimentação total superior a R$ 70 bilhões — um recorde


Colunas


O que aprendi sobre chatbots na China

Eduardo Henrique

Eduardo Henrique

O que aprendi sobre chatbots na China

Conheci de perto cerca de 20 empresas durante esse período, já que o motivo principal dessa viagem era observar iniciativas chinesas disruptivas em diversos setores, em especial aquelas que focam na Inteligência Artificial para serviços de interação e suporte aos clientes