Ciência

Vacinas da Pfizer e Moderna dispensam dose de reforço, diz estudo

Crédito: Claudio Vieira / PMSJC

Vacinas mRNA são feitas por Moderna e Pfizer/BioNTech (Crédito: Claudio Vieira / PMSJC)

Um estudo da Universidade da Pensilvânia, onde a tecnologia de imunização por mRNA foi desenvolvida, concluiu que, após a vacinação com Moderna ou Pfizer/BioNTech, o sistema imunológico desenvolve uma memória de defesa que dispensa doses de reforço.



De acordo com o estudo, os anticorpos contra o coronavírus diminuem com o tempo, mas as vacinas geram memória imunológica durável contra a SARS-CoV-2 na forma de células B e T, que aumentaram ao longo do tempo e ajudam a impedir o agravamento da doença.

Os cientistas acompanharam 61 pessoas durante seis meses após receberem vacinas mRNA, feitas por Moderna e Pfizer/BioNTech. “Isso foi um pouco surpreendente. Embora a terceira dose possa reforçar os anticorpos e permitir um melhor bloqueio da SARS-CoV-2 por mais tempo, o corpo tem seu próprio sistema para se defender da covid-19, mesmo quando os níveis de anticorpos circulantes diminuem”, disse John Wherry, diretor do departamento de imunologia. As informações são do portal Bloomberg.

Covid aumenta risco de miocardite bem mais do que vacinação, conclui estudo

O estudo mostra que as células B de memória geradas pelas vacinas mRNA são aparentemente melhores para bloquear as variantes alfa, beta e delta do que as produzidas em resposta a um caso leve de covid-19.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



Além disso, foram detectados seis meses após a vacina altos níveis de células T, um glóbulo branco capaz de encontrar e matar células infectadas com o vírus, o que representa “uma armadura adicional para nos proteger”, disse Wherry.

“Os backups imunológicos também diminuem a duração dos sintomas da covid, evitam agravamento e reduzem a probabilidade de transmitir SARS-CoV-2 a outras pessoas. Os vacinados realmente não estão alimentando o surto, os não vacinados estão fazendo isso. Então, é mais uma razão para se vacinar”, explicou o pesquisador.