Giro

Vacina é segura e adolescentes devem ser imunizados, dizem médicos

Crédito: Pexels

Ministério da Saúde suspendeu a vacinação contra a Covid-19 de adolescentes entre 12 e 17 anos que não tenham comorbidades (Crédito: Pexels )

A decisão do Ministério da Saúde de recuar na vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos que não tenham comorbidades pegou todo mundo de surpresa e está deixando pais apreensivos. Para especialistas, a vacina é segura também para os mais jovens, e os pais devem levar seus filhos para serem imunizados.

No começo deste mês, a Pasta anunciou que a imunização dessa faixa etária deveria começar no dia 15 em todo o Brasil. Essa é a orientação do Ministério da Saúde, divulgada em uma Nota Técnica nesta quinta-feira (2).

+ Estado e cidade de SP criticam Saúde e mantêm vacinação em jovens

De acordo com nota divulgada à época, a nova etapa, com a ampliação da campanha de vacinação, será possível após a conclusão do envio de vacinas anticovid para imunizar toda a população adulta brasileira com a primeira dose, prevista até a primeira quinzena do mês.



“A vacinação deve ser realizada com o imunizante da Pfizer/BioNTech, considerando que é o único, até o momento, autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para essa faixa etária. Portanto, a partir da segunda quinzena de setembro, todos os estados e Distrito Federal começam a receber o quantitativo de doses destinado para esse público.”

Só que nesta quinta-feira (16), portanto um dia depois do prazo previsto para a vacinação dos adolescentes, o ministro Marcelo Queiroga convocou uma coletiva para explicar a decisão da Pasta de suspender a vacinação para adolescentes sem comorbidades.

Segundo Queiroga, os jovens que receberam a primeira dose não devem completar a imunização com a segunda aplicação, e disse ainda que não há “forte embasamento científico” para a vacinação deste público.

O médico Evaldo Stanislau, diretor da Sociedade Paulista de Infectologia, considera que a decisão é um erro. “É uma barbaridade, não tem nenhuma base (científica) para isso”, enfatiza.

Ele lembra que estamos em um momento de crescimento da pandemia nesta população mais jovem, porque o adulto já está com, pelo menos, uma dose da vacina. “É absolutamente prioridade vacinar essa população e temos que avançar para as crianças também”, diz.

O médico salienta que a vacina é absolutamente segura. “Tem estudos que comprovam isso e já está sendo utilizada em outros países, como nos Estados Unidos, em adolescentes. E temos dados publicados também com a Coronavac na China e expandindo para outros países. Absolutamente amparadas”, diz.

Para o infectologista, a vacinação da faixa etária mais jovem é estratégica, porque hoje o vírus circula mais entre essas pessoas e pode repercutir nos idosos.

A pediatra Fernanda Soler disse que os pais estão preocupados com essa nova decisão e que orienta seus pacientes a se vacinarem. “A própria Anvisa já constatou a segurança. Acho que essa decisão tem mais a ver com a quantidade de vacina”, avalia.

Apesar de Queiroga afirmar que o País tem vacina sobrando, diversos Estados têm reportado a falta do imunizante para a aplicação da segunda dose. São Paulo, por exemplo, está usando a vacina da Pfizer para a segunda dose das pessoas que tomaram a Astrazeneca na primeira etapa.

O médico Roberto Debski, que atua na linha de frente no combate à Covid-19, destaca que não há certezas absolutas ainda sobre nada em relação a esse vírus. “Efeitos adversos podem acontecer com qualquer vacina ou faixa etária. Embora afete menos crianças e adolescentes, eles também podem sofrer de maneira grave e poder ter uma vacina para imunizar e proteger essa faixa etária é importante também. A minha impressão é que possamos imunizar a todos, todas as faixas etárias, avaliando bem os riscos e efeitos adversos, que serão demonstrados pelas pesquisas ao longo do tempo”, diz.

O clínico médico José Marcelo Natividade considera que a decisão do ministro em suspender por enquanto a vacinação dessa faixa etária foi acertada. “A  própria Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda para jovens que não tenham comorbidades”, diz.

Lembra ainda que o caso de óbito de um jovem após a vacina, até que seja definido o que aconteceu, é um motivo para essa suspensão.

Nesta semana, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informou que vai investigar a morte de um adolescente depois de ter tomado a vacina da Pfizer para saber se tem alguma relação com a imunização, mas ressalta que qualquer afirmação ainda é precoce e temerária.

No início da noite desta quinta-feira (16), a Anvisa divulgou nota afirmando que investiga o caso da morte de uma adolescente de 16 anos após aplicação da vacina da Pfizer. “A Agência foi informada nesta quarta-feira (15) que, no dia 2 de setembro, ocorreu uma reação adversa grave em uma adolescente após uso da vacina contra a Covid-19. No momento, não há uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina”, diz a nota.

A Anvisa assegura ainda que o risco de alterações cardiológicas é baixíssimo, mas o cidadão deve estar atento aos possíveis sintomas associados para procurar atendimento médico imediato.

Disse ainda que está monitorando e avaliando os eventos adversos cardiogênicos pós-vacinais no Brasil e no mundo, desde a notificação dos primeiros casos em outros países.

“Até o dia 15 de setembro, houve 32 notificações de eventos adversos após a vacinação de adolescentes com a vacina da Pfizer, e nenhum óbito foi relacionado à vacina”, diz a nota.

O Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgaram nota reforçando a importância da manutenção da vacinação contra Covid-19 de adolescentes de 12 a 17 anos.

“O Conass e o Conasems vêm a público manifestar profundo lamento às recentes decisões do Ministério da Saúde na operacionalização da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Covid-19, com orientações sem qualquer consulta prévia às representações estaduais e municipais da gestão do Sistema Único de Saúde ou mesmo à Câmara Técnica Assessora do Programa Nacional de Imunizações (PNI)”, diz a nota.

“Ao implementar unilateralmente decisões sem respaldo técnico e científico, coloca-se em risco a principal ação de controle da pandemia. Apesar de a vacinação ter levado a uma significativa redução de casos e óbitos, o Brasil ainda apresenta situação epidemiológica distante do que pode ser considerado como confortável, em razão do surgimento de novas variantes”, complementam as entidades.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km

Tópicos

2ª dose 2ª dose da vacina da pfizer 3ª dose antecipação da segunda dose antecipação da segunda dose astrazeneca antecipação segunda dose pfizer anticorpos contra a covid astrazenca sintomáticos AstraZeneca astrazeneca coágulos astrazeneca eficácia astrazeneca vacina vencida butantan dose de reforço cidade de São Paulo comorbidades Coordenação Geral de Armazenagem coronavac 3ª dose coronavírus Covid-19 Delta Delta B.1.617.2 dose pfizer doses diferentes estados vão manter vacinação adolescentes estudo israel restrições janssen janela de imunização janssen período de proteção janssen precisa de mais uma doze mandemia balanço mundo Ministério da Saúde morte adolescente Nature Niterói Noroeste e Costa Verde Norte nova variante da covid-19 o que é resposta imune? OMS oms vacina adolescentes Organização Mundial de Saúde Oxford/AstraZeneca oxigênio pandemia balanço brasil pandemia balanço mundo Pfizer pfizer 3ª dose por que anvisa proibiu coronavac pra que tomar 3ª dose? quais os sintomas da nova variante delta quais os sintomas da variante delta? qual vacina precisa de 3ª dose? qual vacina precisa dose de reforço Qual vacina protege contra variante delta? Qual vacina protege contra variante indiana? recomendação anvisa recomendação ministério da saúde resposta imune resposta imune Delta Plus resposta imune variante delta resposta imune variante Gamma revista Nature Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à covid-19 Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro segunda dose SP terceira dose pfizer Updated vacina vacina 3ª dose vacina adolescente vacina adolescentes entre 12 e 15 anos vacina coronavac proibição vacina covid adolescentes vacina em adolescentes vacina jovens de 18 a 22 anos vacina rio de janeiro vacinação adolescentes vacinação balanço brasil vacinação cruzada vacinação intercambiável vacinação trocada vacinas balanço 2021 vacinas sobrepostas variante delta variante delta brasil variante delta disseminação variante delta OMS variante delta países variante P.1 variante P1 variantes Variantes Covid-19 xepa