Uso adequado da água

Uso adequado da água

Conhecido por suas refinadas pedras de cristais, o grupo austríaco Swarovski não se limita à fabricação de joias, acessórios e relógios. Em 2014, a empresa trouxe o seu projeto de educação global Swarovski Waterschool para o Brasil, cuja função é ajudar a preservar a Amazônia e educar jovens entre 8 e 18 anos sobre o uso sustentável da água.  De lá para cá, o programa já educou mais de 8 mil estudantes de 205 escolas no Pará. São mais de 500 mil jovens e 10 mil professores treinados pelo mundo. “Foram realizadas oficinas nas escolas sobre o uso do óleo de cozinha, que antes era descartado no solo e na água, para que os jovens aprendessem a transformá-lo em sabão, por exemplo”, disse a empresa à DINHEIRO. Os interessados em saber mais sobre saneamento e consumo solidário podem acessar o portal do projeto: swarovskiwaterschool.com.

(Nota publicada na Edição 1130 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A saída está no canteiro de obras

Retomada do emprego no Brasil ainda depende diretamente da reativação de obras públicas paralisadas. O problema é que com a União, os [...]

Responsabilidade ambiental nas salas de aula

Inovação e sustentabilidade podem coexistir nas escolas? Para a personagem virtual Valentina Faz, isso parece ser uma possibilidade. [...]

Bolsonaro para menores

A ativista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, conseguiu tirar o presidente Jair Bolsonaro do sério. Em 8 de dezembro, a fundadora do [...]

Os desafios para um futuro sustentável, segundo a Electrolux

O grupo Electrolux se uniu à empresa United Minds para investigar os comportamentos e as preocupações em assuntos relacionados à [...]

Desmatamento ilegal para produção de soja entra na mira de 87 empresas europeias

O cerco contra a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro está se fechando. Em 2 de dezembro, um grupo de 87 companhias [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.