US$ 9 milhões por um vaso

US$ 9 milhões por um vaso

Um vaso chinês que ficou esquecido, levando poeira, por cerca de 50 anos acaba de ser vendido por US$ 9 milhões num leilão da Sotheby’s, realizado em Hong Kong. Produzido no século XVIII, o raro artefato foi descoberto meio que por acaso, na casa de campo de uma idosa na Europa central, pelo consultor de arte holandês Johan Bosch van Rosenthal. Aos 80 anos, essa senhora, cuja identidade não foi revelada, herdou o vaso dos seus avós, que, por sua vez, haviam comprado a peça em 1954, por um valor equivalente a cerca de US$ 60. Descrita pela Sotheby’s como uma “obra-prima perdida”, a relíquia foi feita especialmente para o imperador Qianlong, que governou a China de 1736 a 1795. A peça exibe um belo design floral em azul e branco, uma silhueta em forma de pêra e detalhes em treliça. Foi produzida sob o olhar atento do mestre de porcelana Tang Ying e é uma das peças mais sofisticadas concebidas durante o período Qianlong.

(Nota publicada na edição 1180 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O traje voador da BMW

Foram necessários três anos de pesquisas e testes de campo, até a BMW lançar o primeiro macacão de vôo eletrificado do mundo. Em seu vôo de estreia, o traje alado alcançou nada menos do que 300km/h. A roupa é a prova de que a companhia alemã estava certa, quando dizia ser capaz de produzir um […]

Klester Cavalcanti

O mais novo tênis da Osklen chega como um belo exemplo de produto ecologicamente correto. O modelo OG é produzido a partir de coisas como bagaço de cana-de-açúcar, cortiça, palha de arroz, pneus velhos e resíduos de fio de algodão e de lona. Segundo a marca, foram empregadas as técnicas mais sustentáveis já utilizadas pela […]

Sabor premiado da mais antiga destilaria de rum em atividade no mundo

Fundada há mais de 300 anos, a mais antiga destilaria de rum em atividade no mundo está com produto novo nas prateleiras. A Mount Gay, cuja sede fica em Barbados, acaba de lançar uma edição limitada da sua premiada Master Blender Collection. A bebida é uma mistura de rum destilado de coluna de 5 anos […]

O melhor da África

Uma das mais respeitadas publicações de turismo do mundo, a Condé Nast Traveler anunciou, recentemente, a sua lista dos melhores hotéis do planeta, elaborada a partir de avaliações de quase 1 milhão de viajantes. No continente africano, o grande vencedor foi o Royal Mansour Marrakech, no Marrocos. O local é um marco da arquitetura marroquina, […]

Embarque imediato

Duas das marcas mais respeitadas em seus respectivos setores se uniram para criar um produto exclusivo. A Montblanc e a fabricante de pneus Pirelli acabam de lançar uma mala de edição limitada a 3 mil unidades. Segundo as companhias, o produto foi “criado para quem espera eficiência, durabilidade e conforto em seus acessórios de viagem”. […]

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.