US$ 9 milhões por um vaso

US$ 9 milhões por um vaso

Um vaso chinês que ficou esquecido, levando poeira, por cerca de 50 anos acaba de ser vendido por US$ 9 milhões num leilão da Sotheby’s, realizado em Hong Kong. Produzido no século XVIII, o raro artefato foi descoberto meio que por acaso, na casa de campo de uma idosa na Europa central, pelo consultor de arte holandês Johan Bosch van Rosenthal. Aos 80 anos, essa senhora, cuja identidade não foi revelada, herdou o vaso dos seus avós, que, por sua vez, haviam comprado a peça em 1954, por um valor equivalente a cerca de US$ 60. Descrita pela Sotheby’s como uma “obra-prima perdida”, a relíquia foi feita especialmente para o imperador Qianlong, que governou a China de 1736 a 1795. A peça exibe um belo design floral em azul e branco, uma silhueta em forma de pêra e detalhes em treliça. Foi produzida sob o olhar atento do mestre de porcelana Tang Ying e é uma das peças mais sofisticadas concebidas durante o período Qianlong.

(Nota publicada na edição 1180 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km




Sobre o autor

Luciana Lancellotti é editora de Estilo da DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.