Edição nº 1129 12.07 Ver ediçõs anteriores

Rappi, o unicórnio colombiano

Rappi, o unicórnio colombiano

Fundado em 2015 em Bogotá, na Colômbia, o aplicativo de entregas Rappi se tornou, nesta semana, o mais novo unicórnio da América do Sul. O termo, usado para designar startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão, foi concedido para a empresa após um aporte de US$ 200 milhões recebido do fundo de investimentos DST Global. No Brasil desde o ano passado, a companhia faz desde a entrega de refeições até o transporte de compras de supermercados, petshops e farmácias. Além do DST Global, o Rappi já recebeu mais de US$ 392 milhões em injeções de capital de fundos como Sequoia Capital e Andreessen Horowitz.

(Nota publicada na Edição 1086 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Bill Gates soltou a língua. Há duas semanas resolveu dizer numa entrevista qual foi o maior de todos os erros que cometeu na carreira [...]

Por violação de dados, British Airways é multada em US$ 230 milhões

O Information Commissioner’s Office (ICO), agência que trata da proteção de dados e informações no Reino Unido, aplicou uma multa [...]

Robô enfermeiro supre demanda nos EUA

Dados do escritório de estatísticas de trabalho dos Estados Unidos mostram que a profissão de enfermeiro está em alta no país e que [...]

Informação online

(Nota publicada na Edição 1129 da Revista Dinheiro)

US$ 500.000

Este é o valor do prejuízo causado por hackers a cerca de 900 clientes da rede 7-Eleven Japan por meio de ataque a um aplicativo de pagamentos recém-lançado pela empresa. O serviço foi suspenso e os clientes serão ressarcidos. (Nota publicada na Edição 1129 da Revista Dinheiro)

Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.