Economia

União Europeia diz que finanças da Grécia estão estabilizadas

A União Europeia decidiu nesta segunda-feira finalizar os procedimentos disciplinares contra os déficits excessivos da Grécia, um sinal do progresso que o país fez para trazer ordem às finanças públicas.

Os procedimentos chamados de déficits excessivos são promulgados quando um país relata consistentemente um déficit maior que 3% do Produto Interno Bruto (PIB). Desde 2009 a UE havia submetido a Grécia a este procedimento.

A decisão é em grande parte simbólica, mas reflete uma maior confiança nas finanças públicas da Grécia, uma vez que Atenas não prevê um déficit superior a 3% do PIB há muitos anos. No ano passado, a Grécia apresentou saldo negativo nas contas públicas de 0,7% do PIB, em comparação com um déficit de 15,1% em 2009.

Ainda assim, a Grécia permanece sob o terceiro programa de resgate, que termina em agosto de 2018. Mesmo que seja bem sucedida em sair do programa de resgate, é provável que permaneça sujeita a um monitoramento adicional. A decisão deixa a França e a Espanha como os únicos países da zona euro sujeitos ao procedimento de déficit excessivo.



O chefe dos ministros de Finanças da zona do euro, Jeroen Dijsselbloem, pediu que a Grécia conclua “até o final do ano” o programa de revisão do resgate. “E o próximo passo, após a conclusão da revisão, será a saída da Grécia do programa de resgate”, afirmou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

Tópicos

crise Grécia UE