Giro

Unha pode identificar quem já foi infectado pelo coronavírus

Crédito: Reprodução/Divulgação

Pacientes que já tiveram a doença, este tipo de sintomas têm aparecido sem complicações adicionais, como por exemplo erupções cutâneas (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Ao longo do curso da pandemia, uma série de novos sintomas da Covid-19, por vezes incomuns, têm vindo a ser descobertos. Agora, marcas ligeiras nas unhas são apontadas como o mais recente sinal de que uma pessoa já pode ter contraído a doença, segundo o ‘Independent’.

+ Grande estudo confirma eficácia da vacina contra covid-19 da Pfizer

Tim Spector, principal pesquisador da ‘Zoe Covid Symptom Study’, que se concentra no rastreamento de novos sintomas da Covid-19, revelou que “as unhas de Covid estão cada vez mais sendo reconhecidas como um sintoma da doença. Depois de a pessoa recuperar da infeção, a unha cresce deixando visível uma linha clara”, explica.

O responsável esclarece ainda que em pacientes que já tiveram a doença viral, este tipo de sintomas têm aparecido sem complicações adicionais, como por exemplo erupções cutâneas, e são inofensivos.

Um outro artigo publicado no Canadian Medical Association Journal, revela que um homem de 45 anos apresentou marcas visíveis nas unhas das mãos e dos pés três meses e meio depois de ser diagnosticado com Covid-19.

Ainda assim, importante ressaltar que estes sinais não são exclusivos da Covid-19, podendo surgir como resultado de muitas doenças diferentes. Portanto, se for o caso de lhe aparecerem, não tome isso como um sinal infalível de que foi infetado pelo vírus respiratório.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel