Uma fórmula química para o crescimento

Uma fórmula química para o crescimento

Todos os ingredientes positivos da economia brasileira em 2020, entre eles o auxílio emergencial e o aumento do crédito, deverão estar ausentes em 2021, comprometendo todo o setor produtivo. Esse é o cenário que o executivo Ciro Marino, presidente da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), pinta para o País nos próximos meses.

Depois de um crescimento de 11% na demanda por insumos químicos em 2020, ele projeta expansão de apenas 2%, na melhor das hipóteses. “A situação pode se deteriorar muito se novas medidas não forem lançadas”, afirmou Marino.

“Se o governo tratasse a indústria química como trata o agronegócio, a gente iria explodir de crescimento nos próximos anos”, disse, ao destacar que o País poderia subir da sexta colocação no ranking global para a quarta posição. “Nosso potencial é imenso, mas ficamos para trás por causa da questão tributária, do custo do gás e da falta de visão estratégica sobre a importância do nosso setor”, afirmou. A indústria química nacional faturou no ano passado algo próximo a US$ 110 bilhões.

(Nota publicada na edição 1206 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.