AS MELHORES DA DINHEIRO 2021

Uma evolução concreta

Votorantim Cimentos expande operações em meio à pandemia e vê volume de vendas crescer 8% nos nove países de atuação, com aumento de 29% na receita líquida, para R$ 16,7 bilhões. Este ano, a expectativa de alta chega a 6%.

Crédito: Divulgação

A comercialização de cimento no Brasil apresentou crescimento de 11% no ano passado, de acordo com o sindicato que representa o setor. (Crédito: Divulgação)

A pandemia provocou estragos na economia e no bolso das famílias brasileiras em 2020. Diante das restrições de circulação e funcionamento dos negócios, alguns setores constataram queda quase total no faturamento, como eventos e turismo, enquanto outros viram a demanda crescer, originada pela maior permanência das pessoas em suas residências. Um deles foi o da construção, impulsionado por pequenas reformas e obras. A Votorantim Cimentos, vencedora do anuário AS MELHORES DA DINHEIRO 2021 na categoria materiais de construção, foi uma das beneficiadas pelo novo cenário. Com atuação em nove países, a empresa viu o volume de vendas crescer 8% em relação a 2019, para 32,4 milhões de toneladas, além de alta de 29% na receita líquida global, para R$ 16,7 bilhões. “Esse incremento na comparação ao ano anterior pode ser explicado principalmente pelo aumento do volume de vendas no Brasil, no Canadá e nos Estados Unidos, e também pelo impacto positivo da desvalorização do real no balanço das demais regiões”, disse Marcelo Castelli, CEO global.

Diante da resiliência demonstrada pelo setor desde o início da crise sanitária, a empresa tomou iniciativas com objetivo de expandir a produção e atender, além dos mercados brasileiro, canadense e americano, as demandas crescentes de clientes na Bolívia, Espanha, Marrocos, Tunísia, Turquia e Uruguai. A Votorantim Cimentos reativou dois fornos de fabricação de cimento nas unidades de Rio Branco do Sul, no Paraná, e Cantagalo, no Rio de Janeiro. Já neste ano iniciou a operação de uma nova moagem de cimento no Complexo do Pecém, no Ceará, e inaugurou quatro centros de distribuição, situados em Campos Novos (SC), Santarém (PA), Rio de Janeiro e Juazeiro do Norte (CE).

MARCELO CASTELLI EMPRESA: Votorantim Cimentos. CARGO: CEO Global. DESTAQUE DA GESTÃO: Incremento da produção
e expansão das operações com aquisições e abertura de negócios. (Crédito:Divulgação)

A estratégia mostrou resultado. Especificamente no Brasil, a comercialização de cimento apresentou crescimento de 11% no ano passado, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (SNIC). O executivo afirmou que o desempenho nacional foi motivado pelo aumento das obras civis, pelo auxílio emergencial e pelos juros baixos que refletiram também na retomada do mercado imobiliário. A mudança no perfil do consumo do País ficou evidenciada no Ebitda (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado consolidado, que atingiu R$ 3,8 bilhões, 43% superior ao período anterior. A receita líquida cresceu em todas as regiões de atuação. Na América Latina deveu-se ao forte volume de vendas no Uruguai. Já na América do Norte foi motivado, principalmente, pelo efeito de conversão cambial, maiores volumes no Canadá e a sólida capacidade nos Estados Unidos.

O crescimento nos números foi resultado também de projetos apresentados ao mercado nacional e internacional. Em maio de 2020, a Votorantim Cimentos lançou a Viter, nova marca da unidade de negócios de insumos agrícolas. A empresa é líder na comercialização de calcário agrícola no Brasil. Já em novembro a Cementos Artigas, empreendimento em conjunto com a espanhola Cementos Molins, iniciou programa de unificação das atividades industriais no Uruguai com investimento de US$ 40 milhões. No último mês de julho entrou em operação, após ampliação de 200 mil toneladas por ano para 1 milhão, a fábrica de Pecém (CE), com investimento de R$ 200 milhões. A produção emite menos de 60% de CO2 por tonelada em comparação com o produto fabricado antes. “Os investimentos no ano passado chegaram a R$ 1,1 bilhão e, nos próximos cinco anos, programamos aplicar R$ 550 milhões em coprocessamento para uso de combustíveis alternativos. A meta para 2030 é reduzir para 520 kg a emissão de CO2 por tonelada de produtos alimentícios”, disse.

“Os investimentos no ano passado chegaram a R$ 1,1 bilhão e, nos próximos cinco anos, programamos aplicar R$ 550 milhões em coprocessamento para uso de combustíveis alternativos” Marcelo Castelli, CEO global da Votorantim Cimentos.

Além do crescimento orgânico, a ampliação dos negócios da Votorantim Cimentos incluiu aquisições. Em agosto deste ano, a empresa também assumiu o controle total da joint venture com a Superior Materials em Detroit, nos Estados Unidos, o que expande a atuação no mercado de concreto. Um mês antes, a Prairie Materials, divisão de concreto e agregados em território americano, fechou acordo para adquirir a Valley View Industries, companhia de agregados com sede em Illinois.

Por fim, em junho, a subsidiária espanhola Corporación Noroeste definiu a aquisição integral da Cementos Balboa, na Espanha. Ao que tudo indica o caminho da Votorantim Cimentos rumo ao sucesso mundial segue consolidado.