Edição nº 1074 15.06 Ver ediçõs anteriores

Uma concorrente para o Nubank

Uma concorrente para o Nubank

Na esteira do sucesso do Nubank, uma nova fintech que também oferece um cartão de crédito e uma conta digital sem anuidades está com planos ambiciosos para conquistar os consumidores. Fundada em maio de 2017, a pag! planeja investir R$ 300 milhões em marketing, tecnologia e melhorias do produto. O montante será aportado entre 2019 e 2021. A startup faz parte do Grupo Avista, instituição financeira com mais de 20 anos de atuação no mercado e que será responsável por 50% desse valor. A ideia é captar o restante junto a investidores. “Estamos conversando com investidores locais e do exterior”, afirma Victor Farias, CEO da pag!. Além do novo aporte, a empresa cumpre, até o fim do ano, um primeiro plano de investimentos, de R$ 200 milhões, anunciado no lançamento da operação. A novata conta com 350 mil usuários e 1,5 milhão de pedidos em análise.

(Nota publicada na Edição 1072 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn e Pedro Arbex)


Mais posts

A receita do dono do iFood

Fabricio Bloisi, CEO e fundador da Movile, empresa de tecnologia dona de marcas consagradas internacionalmente como iFood e PlayKids, [...]

Os ambiciosos planos do banco ING

Há seis meses no comando do banco holandês ING no Brasil, o executivo Samuel Canineu lidera uma operação de atacado com ativos de R$ 20 [...]

Os estrangeiros estão calmos

A instabilidade do câmbio apresentada nas últimas semanas chamou a atenção até de quem está acostumado com o vai-e-vem da moeda [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1074 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Pedro Arbex)

A caminho de 2021

A GuardeAqui, a maior empresa de self storage do Brasil, anunciou recentemente a aquisição da SelfStok, de Brasília, e chegou ao número [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.