Edição nº 1078 13.07 Ver ediçõs anteriores

Uma China menos cinzenta

Uma China menos cinzenta

Por um ar melhor: um homem usando máscara em dia com alta concentração de poluição em Pequim

Nos últimos anos, enquanto o presidente americano Donald Trump afastava o seu país dos acordos internacionais e relativizava os problemas levantados por cientistas em relação ao meio ambiente, o governo chinês deu demonstrações de preocupaçao com os impactos perversos causados pelo homem. Essa postura pode estar dando resultado antes do esperado. Um novo estudo, feito por pesquisadores da China, do Reino Unido e dos EUA, indica que o país asiático, um grande poluidor global, já pode ter atingido o seu pico de emissões de dióxido de carbono. Trata-se de uma boa notícia para o planeta.

A China havia se comprometido, com o Acordo de Paris, a atingir o ponto máximo de suas emissões por volta do ano 2030. Mas a pesquisa, divulgada na segunda-feira 2, pela publicação Nature Geoscience, mostra que o país emitiu 9,53 gigatoneladas (milhões de toneladas) em 2013, volume que caiu pelos três anos seguintes, para 9,2 gigatoneladas em 2016. Isso indicaria uma mudança estrutural em 2014, já que de 2000 até 2013 a quantidade de emissões crescia em média 9,3% por ano. A causa da mudança seria uma guinada da economia para setores mais tecnológicos e menos intensivos na queima de carbono.

Os dados, no entanto, podem levar a críticas de que as metas estabelecidas ao país teriam sido pouco ambiciosas, um questionamento recorrente de Trump sobre o Acordo de Paris, que ele alega pesar mais sobre os EUA do que aos países em desenvolvimento. Há também dados preliminares que trazem um motivo de preocupação. A ONG Greenpeace estima que as emissões voltaram a crescer em 2017, em torno de 2%, e teriam subido mais no primeiro trimestre deste ano, em 4%.


(Nota publicada na Edição 1077 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Última sugada

O Rio de Janeiro dá um exemplo do que parece ser uma tendência inexorável. Ele será a primeira grande cidade brasileira a banir o uso [...]

Carros fraudados

A montadora japonesa Nissan admitiu ter falsificado testes de emissão de poluentes em cinco de suas fábricas no Japão. Apesar de ter omitido o número de veículos que tenham sido afetados, sabe-se que os problemas na medição de emissão de poluentes e da economia de combustíveis foram identificados no exame de 19 modelos. De acordo […]

É proibido vender

Depois de fiscalizar centros de distribuição em São Paulo, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis [...]

Chocolate para todos

A fabricante americana de chocolates Hershey informou que nutriu mais de 208 mil crianças em 2017, de acordo com seu relatório anual de [...]

Comércio sustentável

O Mercado Livre firmou parceria com o Ministério do Meio Ambiente para a Ecofriday deste ano. A ação, que será realizada entre os dias [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.