Edição nº 1066 20.04 Ver ediçõs anteriores

Um museu Picasso na Provence

Mais de duas mil obras do pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), como a Garota na cadeira (1952), vão ser abrigadas em um novo museu em Aix-en-Provence, na França. O projeto está sendo idealizado por Catherine Hutin-Blay, enteada do artista. Produzidos entre 1952 e 1973, os trabalhos do gênio do cubismo são do período de seu segundo casamento, com Jacqueline Roque, mãe de Catherine. O Museu Picasso será construído na estrutura de um antigo convento, que funcionou como escola secundária até 2015. O espaço contará com área de exposição, centro de pesquisa, instalações de cerâmica e gravura e auditório para 200 lugares. Catherine espera que o museu seja aberto até 2021. A estimativa é receber cerca de 500 mil visitas por ano.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O esplendor do mar

A Regent Seven Seas, companhia de cruzeiros da Norwegian Cruise Line, quer bater seu próprio recorde e lançar o mais luxuoso [...]

Nas cores, nas formas e no Tom de Jobim

A designer brasileira Carla Amorim decidiu homenagear o músico Tom Jobim (1927-1994) em sua nova coleção, batizada de Tom. Carla, fã [...]

Um diamante feito de cacau

Um chocolate em forma de diamante, coberto com ouro comestível 23 quilates, foi considerado o mais caro do mundo pelo Guinness, o livro [...]

Beijo do amor

A francesa Guerlain atualizou o seu clássico batom Rouge de Guerlain, lançado em 2009. O consagrado The Rouge G homenageia o amor com [...]

O tempo de Ford

O designer Tom Ford, conhecido por ser um dos responsáveis pela revitalização da Gucci, expressou, no ano passado, sua vontade de [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.