Edição nº 1079 20.07 Ver ediçõs anteriores

Um museu Picasso na Provence

Mais de duas mil obras do pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), como a Garota na cadeira (1952), vão ser abrigadas em um novo museu em Aix-en-Provence, na França. O projeto está sendo idealizado por Catherine Hutin-Blay, enteada do artista. Produzidos entre 1952 e 1973, os trabalhos do gênio do cubismo são do período de seu segundo casamento, com Jacqueline Roque, mãe de Catherine. O Museu Picasso será construído na estrutura de um antigo convento, que funcionou como escola secundária até 2015. O espaço contará com área de exposição, centro de pesquisa, instalações de cerâmica e gravura e auditório para 200 lugares. Catherine espera que o museu seja aberto até 2021. A estimativa é receber cerca de 500 mil visitas por ano.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O último recorde da Aston Martin

Um dos carros de corrida mais velozes de todos os tempos da montadora britânica Aston Martin será leiloado na casa de leilões RM [...]

Por dentro de Game of Thrones

O Gosford Castle, castelo construído nos anos 1800, que foi cenário de muitas cenas externas do seriado americano Game of Thrones, está [...]

O rosa mais valioso

A empresa inglesa de mineração Rio Tinto vai apresentar o maior diamante rosa já encontrado no Argyle Pink Diamonds Tender 2018, [...]

O sorvete do urso

O Baccarat Hotel de Nova York, membro da Preferred Hotels, o maior grupo de hotéis independentes de luxo do mundo, colocou em seu [...]

Na onda da tequila

Depois de três anos de intensas pesquisas, o surfista americano Gary Linden, criador do circuito das ondas gigantes, conseguiu [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.