Edição nº 1091 11.10 Ver ediçõs anteriores

Um museu Picasso na Provence

Mais de duas mil obras do pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), como a Garota na cadeira (1952), vão ser abrigadas em um novo museu em Aix-en-Provence, na França. O projeto está sendo idealizado por Catherine Hutin-Blay, enteada do artista. Produzidos entre 1952 e 1973, os trabalhos do gênio do cubismo são do período de seu segundo casamento, com Jacqueline Roque, mãe de Catherine. O Museu Picasso será construído na estrutura de um antigo convento, que funcionou como escola secundária até 2015. O espaço contará com área de exposição, centro de pesquisa, instalações de cerâmica e gravura e auditório para 200 lugares. Catherine espera que o museu seja aberto até 2021. A estimativa é receber cerca de 500 mil visitas por ano.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Uísque cor de sangue

A destilaria escocesa The Macallan trouxe 18 garrafas para o Brasil de uma linha especial de um uísque single malt. O The Macallan [...]

Santuário tropical

A ilha de Bali, na Indonésia, está entre os destinos mais procurados pelas suas belezas paradisíacas. Um dos atrativos do local é o [...]

O renascimento da Levis

A Levis estará de volta às ruas oito décadas após a sua falência, em meio a Segunda Guerra Mundial. Não se trata da marca americana de [...]

Louis Vuitton sem o LV

Uma das características da marca francesa Louis Vuitton é o uso do monograma LV em todas as suas criações em vez da flor, o seu [...]

As palavras de Einstein sobre Deus

Uma carta do físico alemão Albert Einstein (1879-1955), pai da teoria da relatividade, sobre o universo divino será leiloada pela [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.