Edição nº 1104 18.01 Ver ediçõs anteriores

Um museu Picasso na Provence

Mais de duas mil obras do pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), como a Garota na cadeira (1952), vão ser abrigadas em um novo museu em Aix-en-Provence, na França. O projeto está sendo idealizado por Catherine Hutin-Blay, enteada do artista. Produzidos entre 1952 e 1973, os trabalhos do gênio do cubismo são do período de seu segundo casamento, com Jacqueline Roque, mãe de Catherine. O Museu Picasso será construído na estrutura de um antigo convento, que funcionou como escola secundária até 2015. O espaço contará com área de exposição, centro de pesquisa, instalações de cerâmica e gravura e auditório para 200 lugares. Catherine espera que o museu seja aberto até 2021. A estimativa é receber cerca de 500 mil visitas por ano.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Tiffany agora identifica origem de todos os seus diamantes

Os chamados “diamantes de sangue” são joias extraídas de regiões em guerra e sob o controle de milícias criminosas. Cada vez mais as [...]

Nas Maldivas em alto estilo: a bordo de um iate

As Maldivas viraram o destino favorito dos endinheirados. A ilha do oceano Índico, ao sudoeste do continente asiático, é um paraíso [...]

The Macallan: o recordista dos recordes

A destilaria escocesa Macallan continua a bater recordes em leilões. Em dezembro, quatro lotes de seis garrafas cada, da coleção [...]

O relógio dos vilões

A Romain Jerome, relojoaria suíça, deu continuidade aos modelos desenvolvidos em 2017 sob o tema “Batman” em parceria com a DC Comics. [...]

Uma pista de esqui para chamar de sua

A temporada de esqui está bombando no Colorado, Estados Unidos. E essa pode ser a oportunidade perfeita para que você adquira uma casa [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.