Geral

Um mistério do Sol pode ter sido descoberto… a estrela gira internamente

Crédito: Reprodução/Pixabay

A dissonância dizia respeito aos elementos químicos detectados na superfície. As concentrações de hélio e lítio são mais abundantes do que preveem (Crédito: Reprodução/Pixabay)



O nosso Sol esconde muitos mistérios apesar de dar luz à Terra pelo menos desde há 4,54 bilhões de anos. Cada vez a humanidade chega mais perto da estrela e descobre algo que desvenda o muito que desconhecemos. O interior deste astro é só por si o maior dos desafios à compreensão e aos estudos que se debruçam sobre o Sol. Os modelos que utilizamos para compreender o interior do Sol têm vindo a clamar por uma atualização há anos.

Agora, uma equipe internacional liderada por cientistas da Universidade de Genebra, na Suíça, lançou uma proposta para renovar estes modelos. A chave: o novo modelo tem em conta a rotação interna do Sol.

+ EUA suspendem tarifas a painéis solares e aumentam produção em busca de energia limpa

Um novo modelo, com a proposta publicada na revista Nature Astronomy, tenta resolver um problema com duas décadas de existência. O artigo pretende responder a uma questão que surgiu no início deste século, quando os dados vindos do Sol começaram a contradizer as previsões do modelo solar padrão.




A dissonância dizia respeito aos elementos químicos que podiam ser detectados na sua superfície. As concentrações de hélio e lítio são mais abundantes do que os modelos preveem.

No início pensava-se que os dados poderiam estar errados, mas 20 anos de observações confirmaram a dissonância entre a teoria e a prática. A teoria teve de ser revista.

Introduzir a rotação


Um dos co-autores do estudo explica no comunicado de imprensa publicado pela Universidade de Genebra que o modelo padrão apresenta uma visão “muito simplificada” da nossa estrela.

“Por um lado, em relação ao transporte de elementos químicos nas camadas profundas; por outro lado, em relação à rotação e aos campos magnéticos internos, que até agora têm sido ignorados”, disse Gaël Buldgen, pesquisador no Departamento de Astronomia da UNIGE.

O Sol é uma grande bola de plasma/gás. Sabemos que a sua superfície está em movimento, o que temos podido observar durante décadas. Sabemos também, por exemplo, que a sua superfície gira a diferentes velocidades (mais rapidamente em direção ao equador).

A questão-chave, contudo, para a equipe internacional liderada por Patrick Eggenberger, reside na rotação interna.

E o que é que a rotação tem a ver com o lítio e o hélio?
O problema reside no hélio e a solução na rotação da estrela. Entre estes dois pontos encontram-se os campos magnéticos internos que esta rotação gera. Estes iriam criar correntes internas que ejetariam estes elementos para as partes externas do Sol.

O novo modelo é assim capaz de prever a abundância destes dois elementos na superfície. Como Eggenberger explica, os campos magnéticos criam uma “mistura turbulenta” que impede que o hélio desça rapidamente em direção ao centro da estrela, empurrando também o lítio para áreas mais quentes.

O estudo também chama a atenção para as mudanças nas velocidades de rotação que podem ocorrer ao longo do tempo. Já sabemos que o Sol tem os seus próprios ciclos internos, pelo que isto não é surpreendente.

Porque é que isto é importante?
Patrick Eggenberger explica que a rotação e os campos eletromagnéticos devem ser tidos em conta não só ao analisar o nosso Sol, mas também ao considerar a física estelar de uma forma mais geral. Não surpreendentemente, muitos dos elementos à nossa volta que são fundamentais para a vida são “cozinhados” dentro das estrelas.

“O Sol é a estrela que melhor podemos caracterizar, por isso é um teste fundamental à nossa compreensão da física estelar”, disse o pesquisador e líder do novo estudo.