Edição nº 1108 15.02 Ver ediçõs anteriores

Um mea culpa sem combustível

Um mea culpa sem combustível

Ainda que de forma tímida e portas fechadas, a Uber parece ter finalmente admitido culpa em um acidente ocorrido em março, na cidade de Tempe, no Arizona. Na ocasião, um dos veículos autônomos que estava sendo desenvolvido pela companhia atropelou e matou a ciclista Elaine Herzberg. Quase nove meses depois, e de acordo com o site americano Business Insider, um mea culpa foi pronunciado. “Nós falhamos”, teria dito Dara Khosrowshahi, CEO da Uber, em uma reunião ocorrida na semana passada com outros executivos da companhia. Após o incidente, a empresa chegou a interromper seus testes com carros autônomos, mas retomou as experiências meses depois, em julho.

(Nota publicada na Edição 1099 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Spotify quer ser o YouTube do som

Ao comprar a produtora Gimlet Media, que abriga podcasts populares como Reply All e Science Vs, e o aplicativo e plataforma Anchor, um [...]

O novo pediatra de seu filho se chamará IA

Equipe de pesquisadores, a maioria vinculada a instituições de China e Estados Unidos, publicou na segunda-feira 11 na revista [...]

Incubadora de curtas-metragens da Pixar nasce arrebentando

Há um mês, no dia 18 de janeiro, a Pixar lançou oficialmente seu projeto que muito se assemelha a uma incubadora de startups, o [...]

“Primeiro, melhor e obrigatório”

Shawn Layden, chefão da área de games da Sony, dando a receita para o predomínio da empresa (Nota publicada na Edição 1108 da Revista [...]

Inteligência artificial sob olhar dos CEOs

(Nota publicada na Edição 1108 da Revista Dinheiro)
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.