Edição nº 1113 22.03 Ver ediçõs anteriores

Um hotel flutuante em Edimburgo

A capital da Escócia, uma das cidades mais bonitas e divertidas do Reino Unido, tem agora uma atração a mais: o hotel flutuante Fingal, que fica ancorado no Porto de Leith. O barco foi construído em 1963 nos estaleiros de Glasgow e pertenceu à Northern Lighthouse Board, onde era usado para levar equipamentos para os faróis do Mar do Norte. Reformado, o Fingal ganhou decoração semelhante ao HMY Britannia, navio que serviu a Família Real durante 30 anos e hoje é um museu ancorado no mesmo porto. A diferença é que você pode se hospedar no Fingal, que tem 23 cabines luxuosas com preço que vão de 500 a 1.500 libras. O hotel tem ainda um restaurante (com pratos entre 15 e 18 libras) e salão de festas para 60 pessoas, espaço que pode ser alugado para eventos.

(Nota publicada na Edição 1110 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Indian movida a Jack Daniels

A Indian Motorcycle, a mais antiga e cultuada fabricante de motocicletas dos Estados Unidos (1901), fez uma parceria com outro ícone [...]

Um quarto e um champanhe, por favor

O Hotel Plaza Athénée, em Paris, França, agora conta com uma adega exclusiva do champagne Dom Pérignon, da casa francesa Moët et [...]

Um castelo canadense para chamar de seu

Um imóvel com características arquitetônicas de um castelo inglês está à venda no Canadá por US$ 44,1 milhões. A casa conhecida como [...]

Panarei relança relógio que fez sucesso no pulso de Stallone

A relojoaria italiana Panerai relançou um de seus modelos mais famosos, o Submersible Bronzo, relógio de mergulho confeccionado em [...]

Aprenda a voar sobre o Grand Canyon

A All In Aviation, empresa que aluga aeronaves e oferece treinamento para pilotos, inventou uma forma divertida de ensinar a voar. À [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.