Um dia, alguém puxa a fila

Um dia, alguém puxa a fila

O governo alemão, encabeçado por uma mulher – e das mais empáticas entre as mulheres poderosas destes nossos tempos – acaba de apresentar um plano nacional para acabar com a desigualdade de gênero dentro do próprio governo. A lógica é simples: tirar essa responsabilidade da esfera exclusiva do Ministério da Mulher e, envolvendo todos os ministérios, acelerar um avanço que caminha lentamente. Com metas, indicadores e, principalmente, servindo de exemplo para o setor privado.

Sim, o plano estabelece diversas cotas. Entre elas, garantir pelo menos uma mulher em conselhos executivos da administração federal onde já haja quatro membros. Cada ministério terá de aprovar leis e regras para rever disparidades salariais e nas aposentadorias, aumentar o número de mulheres em cargos de comando e se adequar para cumprir o artigo da Constituição que já dizia que “o Estado deve promover a igualdade efetiva entre homens e mulheres”.

Mas se a igualdade entre homens e mulheres está contemplada na Constituição alemã e em muitas outras, inclusive na brasileira, por que razão as desigualdades continuam soltas por aí?  A resposta mais direta poderia ser: porque há leis que simplesmente não “pegam”. Mas é um pouco mais complicado do que isso.

Leis não “pegam” quando é difícil fazer com que sejam seguidas e, adicionalmente, não há punição para seu descumprimento. A mesma Alemanha que decidiu agora adotar um plano nacional para promover a igualdade de direitos e oportunidades, dando o exemplo a partir da administração pública, convive com a mais baixa representação feminina no Parlamento em 20 anos – o que significa que o país andou para trás. E tudo bem.

Tem mais: as mulheres alemãs recebem salários em média 20% menores que os dos homens e ocupam só 15% dos assentos em conselhos nas empresas privadas. Até 1977, uma alemã só poderia trabalhar fora de casa com o consentimento do marido, e desde que isso não atrapalhasse o desempenho doméstico, considerado como sua obrigação. Ainda hoje elas ocupam 60% mais do seu tempo nessas tarefas, quando comparadas aos homens.

Descer nesses detalhes é importante para compreender que o abismo de gênero existe não apenas no Brasil, ou é coisa de países menos desenvolvidos. E compreender como é difícil ser vencido. Mas acontece que alguém, um dia, resolve puxar a fila.

E quando alguém puxa a fila, outro logo vem atrás. O partido da primeira-ministra Angela Merkel acaba de decidir que terá ao menos 30% de mulheres como lideranças partidárias no próximo ano, e vai chegar a 50% em 2025. Uma medida vai acabar alimentando a outra, criando o ambiente para a mudança de verdade.

Os críticos das cotas – e não são poucos – vão sempre dizer que os indicadores do plano alemão só servirão para colocar mulheres pouco preparadas em posições antes ocupadas por homens. Não vale a pena entrar no mérito, mesmo porque esse argumento, velho conhecido, parte do princípio de que competência é atributo de um grupo específico e selecionado de seres humanos. Nada mais equivocado.

E é aqui que o Brasil tem um excelente exemplo para exportar: a adoção das cotas raciais no acesso às universidades ainda não completou uma década e já produziu resultados significativos para mostrar que funciona, cria justiça social e abre portas que ficariam fechadas para sempre. Tanto quanto o plano alemão, não resolve o problema em definitivo. Mas, de novo, alguém um dia puxa a fila – e é o que garante que o mundo continue seguindo adiante.

 

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Junia Nogueira de Sá é jornalista, consultora de comunicação estratégica e conselheira de empresas e organizações sociais; é também delegada brasileira no Women20 do G20, associada à WomenCorporateDirectors e ao movimento Mulheres Investidoras Anjo. Estuda, pesquisa e escreve sobre o universo feminino há mais de 10 anos.


Mais posts

O best seller que explica, com humor, que não precisamos de explicações

Todo homem honesto consigo mesmo admite que já derrapou em um episódio de misoginia na vida – ou seja, de alguma maneira foi [...]

Violência doméstica pede prevenção – antes que seja tarde demais

A Lei Maria da Penha completa hoje, 7 de agosto, 14 anos de existência. Ainda assim, ao longo deste dia, algo em torno de 530 denúncias [...]

Presença de mulheres brasileiras em conselhos tem avançado pouco

Dois especialistas em governança corporativa passaram os últimos meses debruçados sobre dados de mais de 1.300 empresas listadas em [...]

Investir em mulher é investir em desenvolvimento social

Para quem nunca se deu conta, o trabalho das mulheres contribui com 37% do PIB global. É muita coisa. Se fosse possível somar o [...]

Lata d’água na cabeça, nunca mais

Numa casa sem água tratada e coleta de esgoto, duas coisas acontecem: os moradores, em especial as crianças, adoecem com mais [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.