Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Leilão de 159 anos e o brasileiro que pagou 10 mil euros por duas garrafas

Na plateia, um brasileiro deve chamar a atenção: Alaor Pereira Lino que atraiu todas as atenções ao se oferecer a pagar mais 10 mil euros para fechar a venda das duas “pièces des présidents” em 2017

Leilão de 159 anos e o brasileiro que pagou 10 mil euros por duas garrafas

Neste domingo, 18 de novembro, acontece na cidade de Beaune, na Borgonha, a 158a. edição do leilão beneficente do Hospice de Beaune. Com primeira edição no distante ano de 1859 e coordenado pela inglesa Christie’s desde 2005, o leilão venderá 833 barris de vinhos da safra de 2018. Serão 631 tintos, elaborados com a pinot noir, e 197 brancos, com a chardonnay, com a perspectiva de arrecadação recorde, maior do que os 11.164.964 euros da edição de 2017. Na plateia, um brasileiro deve chamar a atenção: Alaor Pereira Lino, dono da importadora Anima Vinum, especializada em vinhos da Borgonha e que, neste final de ano, pela primeira vez importará também champanhe.

No leilão do ano passado, Alaor, como é mais conhecido, atraiu todas as atenções ao se oferecer a pagar mais 10 mil euros para fechar a venda das duas “pièces des présidents”, o lote do leilão cujo valor é revertido para outras instituições, que não o próprio Hospice de Beaune. A história começou quando o “négociant” Albert Bichot deu o lance de 410 mil euros por este lote. O leiloeiro pediu mais 10 mil euros, sem nenhuma oferta dos presentes. Então, pediu mais 10 mil euros para o próprio Bichot para facilitar a divisão do dinheiro entre as entidades que seriam beneficiadas com a venda deste lote. “Como eram três instituições de caridade envolvidas, seria mais fácil dividir 420 por três”, conta Alaor.

Mas o francês, um dos maiores produtores de brancos e tintos da Borgonha, não topou aumentar o lance, mesmo com a insistência do leiloeiro. Neste momento, Alaor não teve dúvidas: se ofereceu a pagar os 10 mil euros a mais e, em troca, disse que aceitava ficar com duas garrafas deste vinho. “Foi um ato totalmente espontâneo”, conta ele.

A oferta foi aceita, e a história ganhou várias versões. Muitos entenderam que um brasileiro tinha comprado o mais valorizado lote do leilão; outros questionaram se este lance era válido, já que saia das regras previamente estipuladas para o leilão. Alaor pagou os 10 mil euros, junto com o total de vinhos que comprou, mas não sabe se receberá as suas duas garrafas, que ainda amadurecem nas caves da Albert Bichot.

Para a edição de 2018, Alaor está animado. Ele já está na França para participar das degustações que antecedem o leilão para decidir quais serão os seus lances. Desde 2012, ele participa deste leilão, cada ano adquirindo uma quantidade maior de vinhos, que importa para o Brasil. Neste ano, o número de lotes é maior: 828 barricas, contra 787 barricas de 2017, resultado de uma safra de maior rendimento na região.

O Hospice de Beaune nasceu em 1443, como um hospital beneficente do casal de nobres Nicolas Rolin e Guigone de Salins. No ano de 1457, o casal ganhou um vinhedo de doação para a sua obra de caridade e este foi apenas o primeiro de vários hectares que vieram depois. Isso levou o hospital a investir nos vinhos: até hoje, a instituição cuida dos vinhedos que recebe como doação e elabora os vinhos. Mas, diferentemente das demais vinícolas, não envelhece os seus brancos e tintos. Eles são leiloados, sempre em novembro, e cabe aos compradores cuidarem do vinho a partir de então. Há vinícolas e enólogos na Borgonha especializados em amadurecer o vinho em barricas e engarrafá-los para os clientes do leilão. No final do processo, o vinho tem um rótulo padrão, mas com destaque para o nome daquele que comprou o lote.

A quem interessar possa, a pièce de président desta safra será um Corton Grand Cru Clos du Roi, cujo valor arrecadado, novamente, será doado a três instituições de caridade. Cada pièce corresponde, no final da elaboração do vinho, a 304 garrafas de vinho.


Mais posts

Dia 11 de novembro é data para abrir as ânforas

O enólogo português Pedro Ribeiro, das vinícolas alentejanas Herdade do Rocim e do Bojador, assumiu, definitivamente, a bandeira dos [...]

Os barolos e os tartufos, no cardápio do La Tambouille

Novembro é época de tartufo bianco (as trufas brancas) no Piemonte, região ao norte da Itália. Aromática e perfumada, a iguaria, prima [...]

Ibravin se posiciona contra alta de impostos para vinhos importados

O deputado federal gaúcho Jerônimo Goergen (PP-RS) apresentou, nesta terça-feira, projeto de lei na Câmara dos Deputados que aumenta em [...]

Uma semana para beber jerez

Uma degustação com 11 vinhos elaborados na região de Jerez, no sul da Espanha, foi um dos destaques em São Paulo da Sherry Week 2018, a [...]

Empresa lança o Rosé Piscine em garrafa de 1,5 litro, motivada por sucesso nas vendas do vinho no Brasil

Lançado há quatro anos por aqui, deve vender este ano 200 mil garrafas no mercado nacional, o equivalente a 33% do total de exportação [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.