Giro

UE planeja reabertura ao mundo em julho; clima vira outro inimigo nas Américas

UE planeja reabertura ao mundo em julho; clima vira outro inimigo nas Américas

Funcionários de cemitério usam trajes de proteção durante sepultamento de vítima da COVID-19 em Breves, Pará, em 8 de junho de 2020 - AFP

A União Europeia, mais aliviada a respeito da pandemia do novo coronavírus, planeja reabrir as fronteiras externas em julho, enquanto no continente americano, atual epicentro da COVID-19, o clima virou um novo inimigo na luta contra a doença, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

Continente mais afetado pela pandemia até o momento com mais de 185.000 mortos, a Europa prossegue com o processo de normalização.

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, anunciou nesta quarta-feira que a Comissão Europeia deve propor esta semana aos países do bloco a reabertura “gradual e parcial” das fronteiras externas da União Europeia (UE) a partir de 1 de julho.

A retomada das viagens “não essenciais” à UE, não será aplicada a todos os países, e sim a um número determinado com base em uma série de critérios estabelecidos pelos países europeus e a Comissão, afirmou Borrell.

A medida para conter a pandemia entrou em vigor em 17 de março e, desde então, foi prorrogada nos 27 países do bloco, exceto a Irlanda, assim como em outros quatro países europeus: Suíça, Liechtenstein, Islândia e Noruega.

A nível interno, a Áustria anunciou que voltará a abrir a fronteira com a Itália em 16 de junho.

A Áustria foi o primeiro país da UE que anunciou em 10 de março controles drásticos com a Itália, que foi um dos principais focos do coronavírus na Europa.

A flexibilização do confinamento europeu tem ritmos muito diferentes, de acordo com o cenário de cada país. Na Espanha, por exemplo, o governo anunciou que o uso de máscaras será obrigatório até que o novo coronavírus seja derrotado “definitivamente”, com uma multa de 100 euros (112 dólares) para que desrespeitar a regra.

– América ante o frio e os furacões –

No continente americano a realidade é muito diferente. O início do inverno austral aumentará a incidência de doenças respiratórias na América do Sul e a intensa temporada de furacões esperada nos próximos meses no Atlântico também complicará a resposta à pandemia nas Américas do Norte e Central, especialmente no Caribe, afirmou a diretora da OPAS, Carissa Etienne.

O novo coronavírus segue avançando com força no Brasil, Peru e Chile. Os casos também registraram aceleração na Venezuela, assim como no México, Panamá e Costa Rica, sobretudo na fronteira com a Nicarágua, além de Haiti e Suriname.

Na Amazônia brasileira, onde o vírus afeta em particular as populações indígenas, outro problema se aproxima: a temporada de incêndios florestais, cuja fumaça pode agravar a já complexa situação de saúde.

Com mais de 112.000 mortes nos Estados Unidos, país mais afetado do mundo, e mais de 38.000 vítimas fatais no Brasil, o continente americano concentra quase metade dos 7,2 milhões de casos e das mais de 411.000 mortes registradas no planeta desde o surgimento da COVID-19 na China no fim do ano passado.

A propagação da doença pelo mundo forçou bilhões de pessoas a alguma forma de confinamento e provocou a pior recessão global em 80 anos.

– Recessão mundial de pelo menos 6% –

A OCDE divulgou nesta quarta-feira suas perspectivas econômicas e prevê uma recessão mundial de 6% para 2020 caso a pandemia de COVID-19 permaneça sob controle e de 7,6% em caso de segunda onda.

Para 2021, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) antecipa uma forte recuperação no primeiro caso, com um crescimento de 5,2%, que se verá limitado a 2,8% no caso de uma segunda onda da pandemia.

A zona do euro será particularmente afetada com um retrocesso previsto do Produto Interno Bruto (PIB) de 9,1% no cenário mais favorável, e de 11,5% na hipótese de segunda onda em 2020.

Na América Latina, o Brasil deve registrar uma queda do PIB de 7,4% ou 9,1%, respectivamente, de acordo com o cenário. A Argentina terá retrocesso de 8,3% ou 10,1%. A economia do México deve recuar 7,5% ou 8,6%.

Para os Estados Unidos, a OCDE prevê queda do PIB de 7,3% ou 8,5%, respectivamente, segundo os cenários.

Na maior potência do planeta, onde há dois meses a curva de contágios está em um “platô”, o vírus atingiu com força as costas em um primeiro momento e agora circula nas regiões menos urbanizadas do Meio Oeste e do Sul, onde o confinamento foi determinado mais tarde e flexibilizado antes.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?