Giro

UE inicia ações legais contra o Reino Unido por acordo do Brexit

UE inicia ações legais contra o Reino Unido por acordo do Brexit

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o primeiro-ministro irlandês Micheal Martin em Bruxelas - POOL/AFP

A União Europeia (UE) anunciou nesta quinta-feira (1) que decidiu iniciar um processo legal contra o governo do Reino Unido por um projeto de lei sobre mercados internos que modifica aspectos do Acordo de Retirada, a norma que define os detalhes do Brexit.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou em Bruxelas que a UE decidiu “enviar uma notificação formal ao governo britânico. Este é o primeiro passo em um procedimento de infração”.

Von der Leyen destacou que Londres tem prazo de um mês para “enviar suas observações”.

O coração do conflito é o projeto de lei estimulado pelo governo britânico e que modifica cláusulas essenciais do acordo assinado no ano passado.

Pouco depois do anúncio da União Europeia, um porta-voz do governo britânico declarou à imprensa que Londres “responderá no momento apropriado” a notificação formal de Bruxelas.

“Precisamos criar uma rede de segurança para proteger a integridade do mercado interno do Reino Unido”, justificou o porta-voz.

O anúncio foi feito no momento em que europeus e britânicos mantêm em Bruxelas uma complicada negociação para definir como será a futura relação bilateral, mas as declarações de Von der Leyen refletem o pessimismo geral sobre a possibilidade de um entendimento.

Para Von der Leyen “a lei, por sua própria natureza, é uma ruptura das obrigações de boa fé estipuladas no acordo. Se for adotada da maneira como está, a lei estará em total contradição com o protocolo para Irlanda e Irlanda do Norte”.

A UE já havia estabelecido prazo até o fim de setembro para que o governo britânico eliminasse da lei as “cláusulas problemáticas”, mas na terça-feira a Câmara dos Comuns do Parlamento aprovou o texto e o enviou para a Câmara dos Lordes.

“O prazo terminou ontem (quarta-feira, 30). Os pontos problemáticos não foram eliminados”, lamentou Von der Leyen.

Em uma nota oficial, a Comissão recorda que tanto a UE como o Reino Unido são obrigados a “cooperar de boa fé” e a aplicar o Acordo.

Ao promover o projeto de lei, afirma a nota da Comissão, o Reino Unido “violou suas obrigações de atuar de boa fé (…) Além disso, iniciou um processo em que, se a lei for aprovada, impedirá que implementação do Acordo de Retirada”.

O projeto de lei estimulado pelo governo britânico modifica a aplicação de tarifas e controles alfandegários na Irlanda do Norte, previstos no Acordo de Retirada.

O acordo inclui um dispositivo pelo qual esta província britânica deve manter as regras do mercado comum europeu para evitar o retorno de uma fronteira com a vizinha República da Irlanda e preservar a frágil paz que reina na ilha desde o Acordo de Sexta-Feira Santa de 1998.

Se as partes não chegarem a um acordo até o final de outubro, fontes europeias consideram que será muito difícil conseguir um entendimento sobre a relação pós-Brexit até o final do ano.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?