Ciência

Twitter suspende conta de congressista de extrema direita nos EUA

Crédito: POOL/AFP

A representante Marjorie Taylor Greene teve sua conta bloqueada pelo Twitter (Crédito: POOL/AFP)

O Twitter suspendeu temporariamente, no domingo (17), a conta da congressista republicana de extrema direita Marjorie Taylor Greene, uma defensora das teorias da conspiração, por violar as regras de integridade de discurso nesta rede social – informaram o Twitter e o gabinete da representante.

Marjorie, uma deputada novata da Geórgia que não esconde sua afinidade com o movimento conspiratório QAnon, tuitou no domingo passado sobre as eleições para o Senado estadual, alegando fraude.

+ Twitter aponta publicação do Ministério da Saúde como ‘enganosa’

As mensagens de Marjorie foram, então, marcadas com uma menção especial no Twitter: “Esta alegação de fraude eleitoral está em xeque, e este tuíte não pode ser respondido, retuitado, ou curtido, devido ao risco de violência”.

Na tarde de domingo, o Twitter decidiu suspender a congressista por 12 horas.

“A conta em questão foi temporariamente suspensa por múltiplas violações de nossas regras éticas”, disse um porta-voz do Twitter à AFP por e-mail.

A iniciativa é a mais recente de uma série de esforços dos gigantes da tecnologia para purgar suas plataformas de extremistas pró-Trump, após os violentos incidentes no Capitólio em 6 de janeiro.

Dois dias depois dos distúrbios, nos quais apoiadores de Trump invadiram prédios do Congresso, o Twitter suspendeu permanentemente a conta do presidente. Em sua conta em sua rede social favorita, Trump tinha mais de 88 milhões de seguidores.

O Twitter também removeu 70.000 contas de afiliados da QAnon no último fim de semana.

Já o Facebook se comprometeu a eliminar todas as mensagens relacionadas ao slogan “Stop the Steal” (“Parem o roubo”, em tradução livre) – que se refere a uma suposta fraude eleitoral em detrimento de Trump nas eleições presidenciais de novembro – e suspendeu o perfil do inquilino da Casa Branca por tempo indeterminado.

Google e Apple excluíram a rede social Parler de suas plataformas de download de aplicativos. E a Amazon fez questão de expulsar esta rede conservadora, popular entre os apoiadores de Donald Trump, de seus servidores, o que equivale a retirá-la da Internet.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago