Estilo

“O turismo é um pilar para o desenvolvimento”

Claude Blanc, diretor da Word Travel Market (WTM), feira para a indústria global de viagens, prevê que o número de turistas chegará a 1,8 bilhão em 2030. E o Brasil pode se tornar um dos destinos preferidos desses viajantes

“O turismo é um pilar para o desenvolvimento”

Fernando de Noronha: destino se firma como local atraente para viajantes cansados dos roteiros óbvios

Pesquisas feitas por psicólogos como Thomas Gilovich, especializado no impacto do comportamento da economia, mostram que investir em uma viagem causa mais felicidade do que a compra de um bem material. Talvez — mas não apenas por isso —, seja essa a razão de a indústria do turismo estar crescendo tanto. Em 2017, foram registrados 1,3 bilhão de turistas, um aumento de 7% em relação ao ano anterior. Nesse ritmo de crescimento, o número deve chegar a 1,8 bilhão em 2030. Parte disso se deve aos “millenials”, que parecem preferir experiências à posse de produtos. Mas o fato é que o mundo se torna menor, mais conectado e, com isso, cresce também o desejo de conhecer novos lugares. No entanto, por trás de toda essa diversão existe gente que trabalha para proporcionar os melhores destinos e as melhores experiências. Claude Blanc é uma dessas pessoas. Ele é o novo diretor da Word Travel Market (WTM), feira para a indústria global de viagens. Sua missão é fazer com que as viagens e o turismo continuem crescendo. O segmento já representa cerca de 10,4% do PIB mundial e gera sete vezes mais empregos do que a fabricação automotiva, cinco vezes mais do que a indústria química e 3,5 vezes mais vagas do que o setor bancário.

Claude Blanc: o diretor da World Travel Market acredita que Améria Latina e África receberão enorme quantidade de viajantes nos próximos anos

Entre os destinos promissores para o crescimento do turismo, estão países da África e da América Latina, com destaque para o Brasil. Aqui, a onda dos destinos badalados começou a pipocar, como Fernando de Noronha (Pernambuco), Trancoso (Bahia), Búzios e Região dos Lagos (Rio de Janeiro) e Pipa (Rio Grande do Norte). O País registrou 3,15 milhões de turistas internacionais em 2018, um aumento de 8% em relação ao ano anterior.

Quais são os resultados globais da indústria de viagens?
As chegadas de turistas internacionais em 2017 foram de 1.3 bilhão no mundo todo, isso significa que houve um aumento de 7% comparado com o ano anterior. Portanto, nos próximos dez anos é provável que o aumento seja em torno de meio por cento ao ano. A indústria de viagens está crescendo muito rápido e a Europa e a África são os destinos que mais ganham nessa área, mas a América Latina tem grande capacidade para crescimento também.

Qual o potencial do Brasil nesse cenário?
O Brasil é um mercado importante. Por isso, a WTM Latin America é um grande evento para nós. Desde o começo de 2018, o gasto global em viagens internacionais cresceu 6%, isso significa US$ 3,2 bilhões. O aumento das chegadas de turistas ao Brasil foi de 8% comparado com o ano anterior. Já o número de visitantes internacionais num período de seis meses foi de 3.5 milhões de pessoas. O mercado está crescendo, porém o potencial de chegadas internacionais ao Brasil é enorme comparado ao de outros países. Na França, por exemplo, tivemos 8 milhões de chegadas no ano passado. Num país tão maravilhoso como o Brasil, o potencial para o turismo é enorme.

O turismo no Brasil pode atingir um crescimento de quantos dígitos?
O turismo na América Latina está amadurecendo e identificamos que há alguns segmentos que provavelmente irão crescer muito rapidamente nos próximos anos, como o da aviação, hotelaria e gastronomia. Portanto, antecipamos uma expansão de dois dígitos na indústria do turismo na América Latina nos próximos anos e também no Brasil, devido ao seu grande potencial.

Além do Brasil, que outro país será um mercado importante para o turismo?
Nós acreditamos que a América Latina e a África terão a taxa de crescimento mais importante no futuro, porque as chegadas internacionais já são altas comparadas a outras partes do mundo. No geral, a Europa está se tornando um destino comum. Essa é a razão de termos a WTM Latin America e a WTM Africa e o fato de esses dois eventos crescerem no nosso portfólio.

O turismo responsável é uma forma de mitigar os impactos negativos ao meio ambiente. Como a WTM está trabalhando com essa questão?
No momento, estamos fazendo muito pelo turismo responsável. Em primeiro lugar, na WTM London nós lançamos um prêmio para turismo responsável que premia a melhor iniciativa no mundo todo e que possivelmente melhora o impacto do turismo no meio ambiente. Nós também recrutamos um expert para organizar conferências globais para educar as pessoas em relação ao turismo responsável. E este ano nós provavelmente iremos desenvolver um prêmio de turismo responsável e ciclos de conferências também na América Latina.

Como o turismo tem ajudado a impulsionar a economia de países emergentes?
O turismo impulsiona a economia de vários países emergentes e observamos que em alguns locais como Índia, África e América Latina, o turismo é um pilar para o desenvolvimento futuro. Isso é parte da nossa missão no portfólio da WTM: ser uma plataforma do mercado e abastecer a economia em vários países. Queremos trazer novas ideias, novas oportunidades de negócio e novas maneiras de educar as pessoas para desenvolver o turismo nesses países.