Edição nº 1138 16.09 Ver ediçõs anteriores

Tudo que reluz

Tudo que reluz

O mercado de gemas e metais preciosos defende uma simplificação dos tributos que incidem sobre as joias, com a Reforma Tributária. Por exemplo, as joias acabadas brasileiras, que fazem sucesso em vários países do mundo, também se encarecem ao pagar imposto de importação para pedras que são utilizadas em sua confecção. “Se isso acabar, poderíamos crescer 5 pontos acima do PIB”, diz Ecio Morais, diretor do Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM). O Brasil é grande produtor de pedras rosadas, como topázio, turmalina e ametista, sendo que 80% da produção é exportável. O IBGM, no entanto, vê com preocupação as propostas de mudanças de regras de mineração feitas pelo governo. Apesar de o instituto defender uma liberação ambiental mais ágil, o Brasil não pode ficar conhecido por expandir a sua exploração em território indígena. “Isso poderia dar má fama ao produto brasileiro”, diz Morais. “Seria um tiro no pé.” Na década passada, ficaram famosos os “diamantes de sangue”, que sofreram sanções da ONU, por serem motivo de conflitos em vários países.

(Nota publicada na Edição 1134 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Negócio de gente grande

Um dos maiores complexos temáticos do País, o cearense Beach Park deve fechar o ano com crescimento de mais de 20% sobre 2018. O grupo, [...]

Lugar de médico é no shopping

A proliferação das clínicas médicas populares tem levado grandes redes do setor a locais, digamos, pouco convencionais do mercado da [...]

Unidos pelo bilhão

A Duff & Phelps do Brasil, consultoria global de finanças corporativas, e a Kroll, empresa mundial de gestão de riscos e [...]

À procura de imigrantes

Enquanto o Brasil não sabe o que fazer com mais de 11 milhões de desempregados, o Canadá não sabe como preencher suas vagas de [...]

Contrate bem sem olhar a quem

A operação brasileira Oracle, uma das mais importantes da gigante americana de tecnologia, selecionou um recurso da brasileira HRTech [...]
Ver mais