Semana

Tudo pequenininho aí, presidente?

Tudo pequenininho aí, presidente?

Com sua habitual diplomacia, Bolsonaro faz um gesto que ridiculariza a anatomia do turista

PIB

Semana passada, caiu na rede um vídeo no qual o presidente Jair Bolsonaro ironiza a anatomia de um turista de ascendência oriental durante sua passagem pelo aeroporto de Manaus. “Tudo pequeninho aí?”, disse ele, abraçado ao homem, que não fala português. Pois é, o PIB do Japão no primeiro trimestre acaba de humilhar o PIBinho brasileiro que, na melhor das hipóteses, não vai passar de 1,24% no mesmo período. Já o nipônico ficou em 2,1%, contrariando a expectativa do mercado que esperava retração de 0,2%. O bom resultado foi provocado por uma queda de 4,6% nas importações, contra a perda de 2.4% com exportações. Tudo pequenininho aí, presidente?

 

“NÃO TEM SENTIDO QUEM ESTÁ NO PODER CONVOCAR MANIFESTAÇÕES! RACIOCINEM! EU SÓ PEÇO O BÁSICO! REFLITAM!”
Janaína Paschoal, deputada estadual pelo PSL-SP, esbravejando no WhatsApp contra os colegas de partido que convocavam manifestações para emparedar o Congresso e o Supremo

 

Armas

Civis não poderão ter fuzil de assalto em casa

A alegria do “cidadão de bem” durou pouco. O decreto que flexibiliza o porte de armas de fogo, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro em 7 de maio, possibilitaria, a princípio, levar para casa um fuzil de assalto T4 semiautomático fabricado pela brasileira Taurus. A lei aumenta a potência cinética das armas permitidas no País de 407 jaules (o equivalente a uma pistola calibre 38) para 1.620. O fuzil da Taurus tem 1.320 jaules, embora a empresa advertisse que apenas a versão “tiro-a-tiro” estaria disponível para civis, mantendo a opção “rajada” só para militares. Na quarta 22, no entanto, o próprio governo limitou o peso das armas permitidas, impedindo a venda para civis de fuzis, carabinas e espingardas. Mesmo com essa revisão, o decreto tem muitos obstáculos pela frente. O Ministério Público Federal já pediu a suspensão da lei, que também enfrenta várias ações na Justiça Federal e no Supremo Tribunal Federal. Na terça 21, quatorze governadores publicaram uma carta aberta contra o decreto, argumentando que ele fortalece organizações criminosas. No mesmo dia, as ações da Taurus subiram 6%. No dia seguinte, no entanto, caíram 3%.

 

Ativismo

Milk-shake contra o Brexit

A extrema-direita britânica enfrenta um inimigo gelado e melado: o milk-shake. Três políticos pró-Brexit já foram alvejados com sorvete este ano: Nigel Farage (foto), Tommy Robinson e Carl Benjamin. A preferência dos ativistas pela iguaria fez até a primeira-ministra Theresa May se manifestar, afirmando que todo político deve ter o direito de trabalhar “sem intimidação ou abuso”. Na semana passada, durante comício de Nigel Farage em Edimburgo, na Escócia, o McDonald’s atendeu a um pedido da polícia e não vendeu milk shakes durante o evento. O Burger King não seguiu a orientação e fez muito barulho no Twitter sobre isso.

 

Finanças

Caixa dá desconto de 90% a inadimplentes

A Caixa Econômica Federal vai negociar a dívida de três milhões de clientes. São 2,7 milhões de pessoas físicas e 300 mil pessoas jurídicas que, negativadas, passaram a negociar com financeiras. Os descontos nos débitos variam de 40% a 90% e o banco espera recuperar R$ 4 bilhões com a iniciativa.

 

 

Aéreas

Air Europa será primeira estrangeira a operar voos domésticos no País

A empresa aérea Air Europa é a primeira a ser aprovada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para atuar em voos domésticos no Brasil. No final do governo Temer, foi promulgada uma medida provisória que autorizava empresas aéreas de capital 100% estrangeiro a voar no País. A MP foi aprovada pela Câmara na terça-feira 21 e agora segue para o Senado. Como de costume, os deputados se renderam ao populismo e incluíram na lei a proibição de cobrança por bagagem. De qualquer forma, a aprovação da MP é uma boa notícia e deve afetar a forte concentração econômica no mercado da aviação. A Air Europa faz parte da Globália, maior conglomerado de turismo naquele continente.

 

Transporte

CNA questiona tabela de frete imposta por caminhoneiros

Na terça 21, a greve dos caminhoneiros completou um ano, mas os problemas criados por ela persistem. A CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária) questiona a tabela do frete inventada pelo presidente Michel Temer para encerrar a paralisação. Segundo a entidade, ela constitui uma “interferência indevida do Estado na economia”. Em fevereiro, o ministro Luis Fux, relator do caso no STF, suspendeu em decisão provisória todas as ações que questionavam a tabela. No mês passado, diante da ameaça de nova greve, a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) ajustou o valor do frete em 4,13%, ação também questionada pela CNA. Isso tudo sem mencionar interferência do presidente Jair Bolsonaro no preço do diesel, que fez a Petrobrás perder R$ 32 bilhões num único dia. Como dizia o slogan dos grevistas, “sem caminhão, o Brasil para”. Pelo visto, com caminhão, o Brasil também para.

 

Números

70% – Dos passageiros brasileiros pagariam de R$ 5 a R$ 8 a mais no bilhete aéreo se a quantia fosse revertida para reduzir emissões de carbono. É o que diz pesquisa do Idesan (Instituto pela conservação da Amazônia).

R$ 70 milhões – É o valor que os partidos políticos vão deixar de pagar em multas depois de projeto assinado pelo presidente na sexta 17. O texto é do deputado Paulinho da Força (SD-SP), relator da lei na Câmara.

11,7% – Foi o quanto avançou a venda de eletrodomésticos da linha branca no primeiro trimetre. Os dados são da Eletros, associação dos fabricantes de eletroeletrônicos. No período, foram vendidos 3,72 milhões de refrigeradores, fogões e lavadoras.

3,2% – É a estimativa para o crescimento da economia mundial em 2019 segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Para 2020, o índice fica em 3,4%

R$ 1,4 bilhão – É o que a Scania investirá entre 2021 e 2014 na fábrica em São Bernardo do Campo, Grande São Paulo. A maior parte irá para a modernização da unidade, que vai priorizar caminhões movidos a combustíveis alternativos.