Mundo

Trump volta a criticar livro de Bob Woodward

Trump volta a criticar livro de Bob Woodward

Combinação de fotos criada em 4 de setembro de 2018 mostra o jornalista Bob Woodward e o presidente Donald Trump - AFP/Arquivos

O presidente americano, Donald Trump, tentou novamente desacreditar o livro do jornalista investigativo Bob Woodward sobre seu governo, argumentando que o trabalho é baseado em citações fictícias e que se trata de “uma piada”.

“O livro de Woodward é uma piada, é um dos muitos ataques contra mim, uma salva de ataques usando fontes anônimas e sem nome, agora já desacreditadas”, postou o presidente americano em seu Twitter nesta segunda-feira (10).

Woodward é um dos jornalistas que, junto com Carl Bernstein, revelou o escândalo de Watergate que levou à queda do então presidente Richard Nixon. Seu livro, intitulado “Fear: Trump in the White House”, chegará na terça-feira às livrarias.

Em suas páginas descreve o atual presidente como um homem inculto, raivoso, imprevisível e incapaz, cujos assistentes se esforçam em controlar para evitar seus exageros.

Não é a primeira vez que Trump critica o livro de Woordward. Na semana passada, quando o livro foi lançado, Trump o chamou de “fraude”, afirmando que seu conteúdo é inventado.

“O livro de Woodward é uma fraude. Eu não falo da forma que sou citado. Se esse fosse o caso, não teria sido eleito presidente”, escreveu o presidente em um tuíte.

“O autor usa em seu livro todas as artimanhas possíveis para degradar e depreciar”, acrescentou.

“Gostaria que as pessoas pudessem ver a realidade – e nosso país vai MUITO BEM!”, completou.

Na semana passada, junto à expectativa pela publicação do livro se somou o aparecimento de um artigo de opinião no jornal New York Times no qual um funcionário de alto escalão do governo Trump denuncia a incompetência do presidente e diz pertencer a uma “resistência” silenciosa dentro da Casa Branca, além de denunciar “a amoralidade do presidente”.

Sobre este artigo, o presidente escreveu uma série de furiosos tuítes sobre uma possível “traição” e denunciou o comportamento “da esquerda” e dos meios de comunicação que denomina “Fake News”.

“Ninguém sabe quem diabos é”, disse Trump sobre o autor do artigo.

O presidente americano declarou ainda na sexta que o seu secretário de Justiça, Jeff Sessions, “deveria estar investigando o autor desse artigo, porque realmente acredito que é (uma questão) de segurança nacional”.

Depois de Trump, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, voltou a atacar.

“Que alguém tente ativamente enfraquecer um presidente eleito legitimamente e todo o Executivo do governo me parece muito problemático e algo” que o Departamento de Justiça “deveria analisar”, declarou em entrevista coletiva.

“Francamente, isso é insultante para os cerca de 62 milhões de eleitores que apoiaram esse presidente e votaram nele, apoiaram a sua agenda e o observaram, e o aplaudem a cada vez que implemente, com sucesso, o seu programa”, declarou a porta-voz.